Super Bowl em casa e o fim da Maldição

No futebol normal, sem ser o futebol americano, teremos a final da Taça Libertadores da América sendo disputado em jogo único no estádio do Maracanã. O duelo irá reunir no Rio de Janeiro dois times de São Paulo: Palmeiras e Santos. A ironia de não ter o Flamengo jogando em casa um ano após ter sido campeão do mesmo torneio pode, incluindo a final do ano passo realizada no Chile entre um time brasileiro e um argentino, ter dado início à uma Maldição que o futebol americano vive a muitos a muitos anos no Super Bowl. Desde que a grande final da bola oval começou a ser disputada, jamais em toda a história o time da casa, ou seja, o dono do estádio escolhido para a decisão, conseguiu chegar lá. Tudo pelo menos até este ano de 2021, quando finalmente, indo contra todos os prognósticos, finalmente o time dono da casa escolhida para o Super Bowl conseguiu chegar lá.

Quem alcançou esta façanha inédita foi o Tampa Bay Buccaneers. Eles derrotaram o Green Bay Packers e estão no Super Bowl 55, que será disputado no Raymond James Stadium, casa do Bucs e previamente definido para ser o Super Bowl deste ano já a algum tempo, como sempre acontece. Fundado em 1976, o Buccaneers foi campeão do Super Bowl em 2002, sendo aquela até então a única vez que haviam sido campeão da Conferência. Este retorno triunfal, talvez nem tão esperado pelos maiores fãs da equipe, pode ser creditado em grande parte pela aquisição de Tom Brady, um dos maiores quarterbacks da história que deixou o New England Patriots, time onde jogou por 20 anos e conquistou seis títulos de Super Bowl. O veterano jogador segue dando trabalho aos 43 anos de idade.

O fato do Buccaneers ter conseguido quebrar a Maldição de jogar o Super Bowl em casa reflete um pouco tudo o que vem acontecendo nos últimos anos, com os times donos dos estádios chegando cada vez mais perto de conseguir essa façanha. No passado o primeiro a chegar quase lá foi o Miami Dolphins de 1970, que só voltou a ter a mesma chance em 1994 e 1998, sendo que neste período todo quase ninguém sequer sonhou. Mas as coisas mudaram a partir de 2014, com Arizona Cardinals e depois em 2016, com o Houston Texans, que foram elimiados pelo Patriots campeão daquele ano. A última foi já no ano seguinte, com o Minnesota conseguindo chegar até a final da Conferência, mas sendo atropelado pelo Eagles que depois também levou o caneco. A Maldição era tão grande que somente oito times donos do estádio onde seria o Super Bowl chegaram aos playoffs, os outros 44 foram eliminados na fase de classificação.

A vida do Buccaneers, no entanto, não será fácil mesmo após ter quebrado está grande maldição do time dono da casa do Super Bowl. Pela frente eles terão que enfrentar ninguém menos do que o atual campeão da NFL Kansas City Chiefs, de Patrick Mahomes que está jogando muita bola oval. E se não bastasse o grande rival, ainda tem o problema da pandemia de Covid 19, que deixou o público no estádio limitado. Quando finalmente um time chega na final jogado em seu estádio, ele não terá o apoio total do torcedor lotando as arquibancadas. Com isso resta saber se o primeiro time a jogar em casa o super Bowl também será o primeiro campeão do Super Bowl em seu estádio, mas se isso não acontecer então após o fim da Maldição do dono do estádio nunca chegar ao Super Bowl, permanecerá a do dono do estádio nunca ser campeão.

Campeões 2021: Stéphane Peterhansel

O Rally Dakar de 2021 teve de tudo, incluindo até mesmo a morte de um competidor reforçando a fama de Rali da morte. Mas o grende destaque foi o piloto francês Stéphane Peterhansel que conquistou o título mais uma vez aos 55 anos de idade. Peterhansel é um veterano no Dakar e começou vencendo nas motos, atualmente ele compete entre os carros. Na edição deste ano ele venceu apenas uma etapa, porém manteve uma regularidade incrível estando quase sempre entre os três primeiros colocados de cada etapa. O francês conseguiu uma façanha incrível ao se tornar o primeiro piloto a vencer o Rali Dakar em três continentes diferentes: África, América do Sul e agora na Ásia. É por isso que ele é o primeiro candidato a maior nome do esporte em 2021.

Calendário esportivo de 2021

O ano de 2020 ficou na história por causa da Pandemia de COVID-19. Até o mês de março tudo até que ia bem, mas então começou uma sucessão de adiamentos e cancelamentos dos eventos esportivos que não se via desde a época das Segunda Guerra Mundial. Aos poucos as competições foram voltando, mas muitas delas ou foram adiadas para agora em 2021 ou então foram canceladas, com a esperança que esse ano possam voltar. Ainda não sabemos se tudo dará certo em 2021, mas por enquanto este é o calendário esportivo com aquelas que consideramos as principais competições do esporte no mundo.

Janeiro
3 a 15 - Automobilismo - Rali Dakar
30 - Futebol - Final Libertadores 2020

Fevereiro
1 a 11 - Futebol - Mundial de Clubes da FIFA 2020
7 - NFL - Super Bowl
8 a 21 - Tênis - Aberto da Austrália
14 - NASCAR - Daytona 500
14 - NBA - All-Satar Game

Março
21 - Fórmula 1 - Abertura da Temporada - adiado
28 - Fórmula 1 - Abertura da Temporada

Abril
1 - MLB - Abertura da Temporada
8 a 11 - Golfe - Masters de Augusta

Maio
1 - Turfe - Kentucky Derby
8 a 30 - Ciclismo - Giro D'Itália
16 - Turfe - Preakness Stakes
24 (até 7 jun) - Tênis - Roland Garros
18 - NBA - Início dos Playoffs
20 a 23 - Golfe - PGA Championship
29 - Futebol - Final da Champions League
30 - Automobilismo - 500 Milhas de Indianápolis

Junho
5 - Turfe - Belmont Stakes
11 (até 11 jul) - Futebol - Eurocopa
11 (até 10 jul) - Futebol - Copa América
12 a 13 - Automobilismo - 24 horas de Le Mans
17 a 20 - Golfe - US Open
26 (até 18 jul) - Ciclismo - Tour de France
28 (até 11 jul) - Tênis - Torneio de Wimbledon

Julho
8 a 22 - NBA - Finais
15 a 18 - Golfe - The Open
23 (até 8 ago) - Jogos Olímpicos de Tóquio
11 - Atletismo - Corrida de São Silvestre

Agosto
14 (até 5 set) - Ciclismo - Vuelta a España
30 (até 12 set) - Tênis - US Open

Setembro
9 - NFL - Abertura da Temporada

Outubro
9 - Triatlo - Ironman do Hawaii
18 a 24 - Ginástica Artística - Campeonato Mundial
26 - MLB - World Series

Novembro
7 - Atletismo - Maratona de Nova York
7 - Fórmula 1 - GP Brasil
14 - Fórmula 1 - GP Brasil - antecipado
20 - Futebol - Final da Libertadores da América

Dezembro
15 a 20 - Natação - Mundial de Piscina Curta
Futebol - Mundial de Clubes da FIFA

sem data - NHL - Stanley Cup

Os maiores nomes do esporte em 2020

Que ano foi esse de 2020? Um vírus mortal chegou de forma devastadora e mudou o cenário do planeta, afetando naturalmente o esporte também. Até março tudo ia bem, seguindo seu curso normal com os eventos acontecendo e os campeões aparecendo, mas de repente, a partir de março, tudo mudou. A NBA parou, os campeonatos de futebol também e, aos poucos, os eventos começaram a ser adiados ou, na pior das hipóteses, cancelados sumariamente. Depois de um tempo, após uma quarentena difícil que parecia interminável, alguns começaram a voltar na medida do possível. A NBA encontrou sua bolha de segurança, o futebol retirou os torcedores do estádio e o tênis limitava os fãs com distanciamento social e uso obrigatório de máscara. Mas nem todos tiveram a mesma sorte, as Olimpíadas, a Eurocopa e a Copa América foram para 2021, e mesmo assim não estão com sua realização garantida. No Reino Unido o torneio de Wimbledon e o Aberto britânico de golfe não aconteceram, assim como o Ironman no Hawaii. Triste e difícil, mas a vida segue e, dentro daquilo que de alguma forma conseguiu acontecer, tentamos encontrar o que de melhor aconteceu.

Com Olimpíadas e Eurocopa, a expectativa era muito grande para grandes nomes do esporte. Sem a realização de muitos eventos, ou feitos de uma forma mais restrita, a tarefa se tornou mais difícil, mas mesmo assim dentre os nomes escolhidos tivemos realizações extraordinárias. Uma das coisas mais interessantes que ocorreram foram as chamadas "igualadas" de conquistas, com atletas que conseguiram igualar o recorde de uma conquista que já estava estabelecida. Esses três nomes foram elevados ao topo da lista, que seguiu com os nomes que de alguma forma levam sorte para onde passam, seguidos por uma conquista histórica, uma conquista de força e terminando com três nomes que conseguiram seus feitos de formas inacreditáveis no final ou ao longo de toda a competição. Depois do décimo nome, conseguimos ainda citar algumas menções honrosas. Lembrando que a lista é baseada em nosso calendário esportivo e leva mais em consideração aquelas competições que consideramos como as mais importantes do ano.

1. Rafael Nadal
TÊNIS

melhores do esporte em 2020
Este talvez tenha sido um dos anos mais difíceis para definir o melhor de todos que leva o prêmio Net Esportes de melhor do ano. Isso não ocorreu apenas pela pandemia, mas sim pelos feitos alcançados pelos três primeiros colocados que conseguiram igualar recordes e marcas que estavam solidamente estabelecidas. No caso do tenista Rafael Nadal, ele venceu mais uma vez, como de costume, o torneio de Roland Garros, que por si só já é um feito incrível pois foi sua décima terceira conquista, a maior de apenas um jogador entre todos os torneios de Grand Slam. Se não bastasse ele igualou o suíço Roger Federer em número de Grand Slam, com vinte conquistas. A diferença para o espanhol é que ele precisou de 28 finais para isso enquanto Federer precisou de 31. Nos dois últimos anos Nadal foi apenas menção honrosa em nossa lista, tendo ficado em quinto no ano de 2017. Já em 2021, se for um ano mais normal, ele pode se tornar o maior vencedor de Grand Slams e então retornará para cá novamente. Por enquanto ele igualou Federer e por isso é o maior nome do esporte em 2020.

2. Lewis Hamilton
FÓRMULA 1

melhores do esporte em 2020
Assim como Nadal, Hamilton também foi apenas menção honrosa no ano passado. Já nos dois anos anteriores ficou em décimo lugar em ambos. Nas duas ocasiões ele conseguiu a posição não só por ter sido campeão mundial de Fórmula 1, mas pelo profissionalismo e determinação que mantinha quando seguia correndo com vontade e vencendo corridas mesmo depois de já ter garantido o título na temporada. Não era por acaso que Hamilton seguia vencendo, ele tinha um objetivo de ser o maior vencedor de todos os tempos. A reconpensa veio agora em 2020, quando ele chegou a 95 vitórias e deixou para trás o recorde de Michael Schumacher. Mas este não é o ano de superar e sim de igualar, que foi exatamente o que ele fez quando igualou os sete títulos mundiais que o alemão havia conquistado. Hamilton só não seguiu vencendo as corridas finais pois foi diagnosticado com Covid-19, mas isso não o impediu de ser o segundo maior nome do esporte em 2020.

3. LeBron James
BASQUETE

melhores do esporte em 2020
Um dos nomes mais recorrentes em nossa lista e que estava sumido a algum tempo. LeBron James chegou a aparecer três anos seguidos em 2012, 2013 e 2014, tendo voltado em 2016, mas depois que foi para o Los Angeles Lakers ele ainda estava devendo um pouco. Mas a longa espera acabou, e veio em um ano trágico que além de toda a dificuldade da pandemia, ainda viu a perda do grande Kobe Bryant que morreu tragicamente em um acidente de helicóptero onde estava com sua filha e outras pessoas. LeBron, com a ajuda de Anthony Davis, honrou de alguma forma o nome de Kobe quando levou o Lakers a uma conquista de um título que não vinha desde a época do agora saudoso jogador que por lá jogou toda a sua carreira. Essa não foi apenas mais uma taça, foi a taça de número 17 que encerra nossa sequência de igualadas pois 17 também é o número de conquistas do Boston Celtics, até então maior vencedor isolado. E tudo graças a LeBron, por isso ele é o terceiro maior nome do esporte em 2020.

4. Tom Werner
FUTEBOL

melhores do esporte em 2020
Para quem acompanha nossa lista de melhores do ano, ou dê uma olhada agora, verá que nossas escolhas não são muito triviais. Ás vezes escolhemos apenas um jogador ao invés do time todo, ou nomes que nem mesmo foram campeões, mas conseguiram grandes façanhas. E aqui, dando início a uma sequência de dois nomes que chamamos de talismãs, escolhemos Tom Werner, que é o dono do time do Liverpool e também do Boston Red Sox, do beisebol. Quando comprou o Red Sox em 2002, ele levou o time a ser campeão em 2004, uma conquista que não acontecia havia 86 anos. Agora, no Liverpool, ele fez a mesma coisa praticamente, apesar de ter demorado um pouco mais. A compra do time foi em 2010 e a conquista foi agora em 2020, com a Premier League, o campeonato inglês que o time não conseguia vencer desde 1990, ou intermináveis 30 anos. E por ser o dono que tira seus times da seca Tom Werner é o quarto maior nome do esporte em 2020.

5. Mookie Betts
BEISEBOL

melhores do esporte em 2020
Este ano o campeonato de beisebol da MLB também foi extremamente prejudicado pela pandemia. A quantidade de jogos da temporada reduziu drasticamente, com os times jogando mais de 100 jogos a menos do que o normal. Os playoffs também foram diferentes, com um formato parecido com o da NBA. Nas primeiras rodadas o Los Angeles Dodgers passeou, depois sofreu um pouco mais na final da Conferência e na World Series, mas acabou campeão. Foi um título merecido, já que a equipe esteve em três finais nos últimos quatro anos, mas para conseguir o título que não vinha desde 1988 eles precisaram de uma peça chave, o segundo nome talismã que foi Mookie Betts, jogador que estava no Boston Rede Sox que foi justamente o time que ganhou deles na World Series de 2018. E é por chegar a fazer a diferença que Mookie Betts é o quinto maior nome do esporte em 2020.

6. Iga Swiatek
TÊNIS

melhores do esporte em 2020
Para quem acompanha nossa lista anual ou der uma olhada agora, verá que representantes do esporte feminino aparecem com grande frequência, sendo que uma atleta mulher já venceu o prêmio Net Esportes de maior nome do esporte no ano por duas vezes, mas neste ano infelizmente apenas uma mulher aparece por aqui no top dez e ela é a tenista polonesa Iga Swiatek. Aqui está a representação de um nome que fez história neste ano, e Iga fez isso ao vencer o torneio de Roland Garros, na França. Além da conquista ter sido incrível, pois a jogadora não perdeu nenhum set em toda a competição, ela ainda se tornou a primeira pessoa representante da Polônia a vencer um torneio de tênis Grand Slam, seja entre feminino ou masculino, e ainda fez isso com apenas 19 anos de idade. É por isso que Iga Swiatek é o sexto maior nome do esporte em 2020.

7. Patrick Mahomes
FUTEBOL AMERICANO

melhores do esporte em 2020
O sétimo nome da lista deste ano é um que representa a força de toda uma equipe. Patrick Mahomes é quarterback do time de futebol americano Kansas City Chiefs, que foi o grande campeão do Super Bowl deste ano quando derrotou São Francisco 49ers por 31 a 20. Foi um grande jogo, uma grande conquista e uma partida muito bem jogada por Mahomes, mas eles não tinha muita chance de entrar na lista dos dez maiores nomes do esporte em 2020. Isso mudou porque a NFL sempre começa em um ano e termina no outro, e por isso, mesmo com a pandemia, já começou a temporada que termina em 2021. E Mahomes continua com sua força, o Chiefs continua vencendo e com chances de ser campeão de novo. Mahomes é inclusive cotado para se tornar o atleta mais bem pago do ano, então por isso ele é o sétimo maior nome do esporte em 2020.

8. Tadej Pogačar
CICLISMO

melhores do esporte em 2020
A sequencia final de nomes trará agora três deles que representam aquilo que mais adoramos no mundo dos esportes, o acontecimento incrível. E o resposável pelo primeiro acontecimento incrível deste ano foi Tadej Pogačar, que foi campeão do Tour de France. Mas essa não foi uma vitória qualquer, foi uma vitória que veio apenas no último dia (penúltimo na verdade) e que deixou todo mundo estarrecido. O líder era Primož Roglič, mas a penúltima e decisiva etapa era um contra-relógio e Tadej Pogačar conseguiu vencer, tirar a diferença e levar o caneco para casa. Foi a terceira etapa vencida na disputa, com Roglič não tendo vencido nenhuma, e além da camisa amarela de campeão, ele ainda levou a branca de melhor jovem e a de bolas vermelhas de melhor escalador, todas elas conseguidas nessa etapa decisiva, incrível, por isso Tadej Pogačar é o oitavo maior nome do esporte em 2020.

9. Denny Hamlin
NASCAR

melhores do esporte em 2020
Algumas competições esportivas como a Fórmula 1 e o Raly Dakar são levados em consideração como um todo aqui em nossa avaliação, mas em outras competições automobilísticas como a NASCAR e a Indy nós levamos em consideração apenas um corrida que são a Daytona 500 e as 500 milhas de Indianápolis. A segunda este ano foi triste, terminou com bandeira amarela e decepcionou, mas a de Daytona teve um acontecimento tão inacreditável que fica até difícil tentar explicar em palavras e de forma resumida. Denny Hamlin estava para trás e não tinha chances de vitória, mas os líderes se envolveram em um acidente entre eles nas últimas curvas, bateram, caíram fora passando inclusive na frente de Hamlin que quase bateu também, mas se manteve firme e ainda ultrapassou outro piloto praticamente em cima da linha para conseguir a vitória, foi uma coisa absurdamente inacreditável e em frações de segundos, por isso Denny Hamlin é o nono maior nome do esporte em 2020.

10. Bayern de Munique
FUTEBOL

melhores do esporte em 2020
Finalizando o incrível, mas com uma ressalva, temos o time do Bayern de Munique, primeiro nome que representa um grupo ao invés de apenas um atleta. A ressalva é por que consideramos a para esse nome a Champions League, mas a competição começou em 2019 e terminou em 2020, e ainda de um jeito diferente por causa da pandemia, tendo jogos a menos, ocorridos em um só país e ainda por cima sem torcida, sem o fator casa. Mas o que fez o Bayern teve que ser considerado, pois além de terem sido campeões da maior competição de clubes do mundo, eles conseguiram fazer isso sem perder e nem empatar nenhum jogo, venceram todos da fase de grupos e todos até a final, incluindo goleadas históricas como os 8 a 2 contra o Barcelona. Foi incrível e é por isso que o Bayern de Munique é o décimo maior nome do esporte em 2020.

Menções honrosas
Ás vezes, não foi muito o caso deste ano pelas circunstâncias, temos muitos nomes que não conseguem entrar na lista dos dez maiores, por isso criamos as menções honrosas para lembrar que eles também foram grandes neste ano. Um desses nomes foi o de Carlos Sainz, piloto veterano de rali que é pai do atual piloto da Fórmula 1. Seu feito foi ter ganho o Raly Dakar mais uma vez, a terceira na carreira, mas com o detalhe que o fez com seus 58 anos de idade. Outro nome é o treinador de cavalos Bob Baffert, que em outro ano já conseguiu estar até entre os dez. Neste ano seu cavalo levou o Kentucky Derby e ele alcançou a sua vitória número seis da carreira, igualando Ben A. Jones, que também tem seis vitórias entre os anos de 1930, 1940 e 1950.

Vale destacar também Primož Roglič, que sim, foi superado no último dia do Tour de France, mas após o vice ele foi lá e venceu a Volta da Espanha, além de Neymar, que foi peça chave na caminhada do PSG até a final da Champions League. E para fechar as menções dois nomes do feminino, um deles é o da tenista Sofia Kenin, que foi campeã do Aberto da Austrália, finalista de Roland Garros e eleita pela WTA como a melhor jogadora do ano. Se continuar assim ela deve figurar entre os dez maiores nomes logo logo. A outra é Breanna Stewart, jogadora de basquete da WNBA que já esteve entre os dez nomes em 2018 e que fez quase a mesma coisa que fez naquele ano, venceu o título e foi MVP das finais, só faltou ser MVP da temporada.

Campeões 2020: Lewis Hamilton

A corrida termina e lá está ele em primeiro novamente. Mesmo sem largar em primeiro ele consegue sempre terminar na frente. Seu companheiro de equipe poderia impedi-lo de ser campeão mundial mais uma vez, mas com uma volta atrás não o fez. Tinha também os caras dos carros cor de rosa, mas Lewis Hamilton não deu nem bola. De sexto para terceiro e de terceiro para sétimo, depois disso veio a recuperação e não demorou muito para soltar o grito de campeão. Agora são sete vezes na primeira posição, igualando assim o alemão. O inglês cresceu idolatrando Ayrton Senna, agora chega ao topo do mundo incentivando todas as crianças e não desistirem de seus sonhos.

Em 2018 Lewis Hamilton conseguiu entrar na décima posição de nossa lista final de melhores do ano. Naquela ocasião ele havia igualado o número de títulos da lenda Juan Manuel Fangio na Fórmula 1. O feito foi engrandecido ainda mais depois que ele se manteve firme nas últimas corridas do ano e continuou vencendo as corridas, não se importanto se já tinha sido campeão ou não. Isso mostra que tudo importa e também o levou a ter sua menção honrosa no ano seguinte pelo mesmo motivo. Esse ano ele conseguiu ir além e certamente estará entre os dez e em uma posição melhor, afinal além de superar o número de vitórias de Michael Schumacher (mostrando a importância de continuar vencendo após ser campeão), ele ainda conseguiu igualar o número de títulos do alemão neste ano onde as "igualadas" de recordes estão sendo alcançadas em diversos esportes.