Histórias do Basquete VI

11:34 Net Esportes 5 Comments

Ele nasceu como Ferdinand Lewis Alcindor Jr. e depois se tornou Kareem Abdul-Jabbar, mudou de nome e mudou muitos conceitos no basquete da NBA, já era muito conhecido quando foi a primeira escolha do draft de 1969 escolhido pelo Milwaukee Bucks, estava no primeiro jogo universitário trasmitido pela TV depois de fazer história na UCLA, inventou o skyhook, ganhou títulos, bateu recordes e se tornou naturalmente um dos maiores jogadores de todos os tempos.

O ano de 1971 foi o único em que o Bucks conseguiu se sagrar campeão da NBA, em quadra estava Kareem Abdul-Jabbar, camisa número 33 hoje aposentada e o principal responsável na conquista da taça, os números arrasadores já começavam a fazer parte da carreira do jogador e jogar lá não era problema, mas um dia um adversário lhe tocou no olho onde tinha um problema na córnea, Jabbar se irritou e acabou quebrando a mão, cansou e queria ir pra outro lugar, Los Angeles foi a escolha para jogar, e usar óculos de proteção uma medida preventiva para se adotar.

Kareem Abdul-Jabbar continuou jogando como nunca, seguiu aumentando seus números que fazem dele o maior cestinha de todos os tempos com 38.387 pontos, terceiro maior reboteiro da história (17.440) e terceiro em tocos também (3.189), tem ainda as marcas de maior número de arremessos corretos (15.837) e de arremessos tentados (28.307), além dos recorde de minutos jogados (57.446) e partidas jogadas (1560) que garantiram após um longo jejum a chance de muito mais títulos depois de 20 anos atuando.

Demorou mas veio, Abdul-Jabbar só se tornou campeão em seu nove time, o Los Angeles Lakers, em 1980, e junto com seus novos companheiros ainda garantiu as taças de 1982, 1985, 1987 e 1988, foi eleito MVP da temporada seis vezes e das finais duas, esteve no All Star Game em 19 oportunidades, foi um o jogador que mudou de nome, inventou arremessos e entrou para a história, esteve também no cinema, foi um pivô com estilo e visual diferenciado que marcou sua época na NBA, e naturalmente entrou para o Hall da Fama merecidamente em 1995. (Foto: Arquivo)

5 comentários:

Vinicius Grissi disse...

Com certeza, um dos 10 melhores jogadores de basquete de todos os tempos.

Leandrus disse...

Lenda do basquete norte-americano, principalmente na sua posição, tão carente nos últimos tempos. Como Shaq apresenta cada vez mais uma queda de produção, Dwight Howard é o único grande pivô dos EUA atualmente. Mas obviamente muito longe de Kareem Abdul-Jabbar.

Daniel Leite disse...

Gosto de acompanhar as histórias sobre Kareem Abdul-Jabbar. Seus números são incomparáveis aos da maciça maioria dos pivôs. E o estilo também era inconfundível... Agora, ele ataca de comentarista, se não me engano. Mas nós devemos lembrar dele como um jogador dominante e, ao mesmo tempo, muito habilidoso. Quem não quer um pivô assim?

Até mais!

Ron Groo disse...

Este era um dos caras...

Me lembro da participação dele no filme "Aperte os cintos que o piloto sumiu" quando um moleque vai até a cabine de comando do avião e fica cismado de que um dos piltos é o Jabbar. Ele nega, mas quando o moleque diz que seu pai sempre diz que o Jabbar não dava sangue em quadra ele agarra o moleque pelo colarinho e diz pra ele que mande seu pai ficar expondo os ossos na quadra para ver o quanto é bom.

Depois que ele tem problemas com a comida e tem de ser retirado da cabine vemos que ele estava com o short do Lakers por baixo do paletó.

Alexandre Silva disse...

Eu nem sabia q o Bucks já tinha sido campeão ainda mais com Jabbar no elenco. Cara, a fila tá igual a do Galo, rsrs... 71!

Com certeza este, é mais um dos gênios do esporte. Só fica a curiosidade de saber se qdo ele atuava era tratado como tal. Pq todo mundo tem a mania de depreciar o presente e sempre q passa é q vira talento

Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com