Tênis feminino agradece

21:53 Net Esportes 4 Comments

Em meados de maio do ano de 2008 o mundo do tênis foi pego de surpresa por uma notícia nada animadora, a jogadora belga Justine Henin, então número um do mundo, a líder do ranking WTA e prestes a jogar um de seus torneios favoritos, aunciava mesmo que ainda com 25 anos de idade, a sua aposentadoria do tênis, não que aposentadorias precoces sejam novidades no esporte, Ian Torphe que o diga, mas depois das saídas de Martina Hingis e Anna Kournikova, o que todos menos queriam era ver mais jovens parando de jogar.
French Open - Day Twelve
As alegações são as de sempre, muito cansaço, algumas contusões, e no fundo algum desânimo por um motivo maior, é bem verdade de com sete títulos de Grand Slam, muito dinheiro nas contas bancárias e muito sucesso, talvez façam atletas como a belga Justine Henin acharem que já fizeram o suficiente pelo esporte, que suas carreiras meteóricas já renderam o que tinha que render, mas para os fãs às vezes é difícil compreender isso, é difícil acreditar que não haja alguma ambição para se querer mais, para se querer os recordes, para vencer o máximo possível.

Sim, lá no fundo deve haver isso, não precisa ser uma Martina Navratilova, essa sim esqueceu de parar, afinal o fim chega para todos um dia, mas também não precisa sair de cena tão antes da hora certa, pois deve faltar alguma coisa para fazer, alguma história para contar. Kim Clijsters se foi, se casou, se tornou mãe e voltou, com a mesma força que tinha antes de tudo isso acontecer, e surpreendeu o mundo ao conquistar o título do US Open, torneio que recebeu um convite para jogar, ela repetiu o título que já havia conquistado e inspirou sua compatriota, ainda é possível vencer.

Sem hesitar Justine Henin anunciou que retornará as quadras, que a aposentadoria de quase um ano e meio acabou, ela se junta à Brett Favre a Floyd Mayweather jr, ela volta para terminar de fazer aquilo que ainda não estava finalizado, ela volta para continuar vencendo, para conquistar mais títulos e com certeza voltar ao topo do ranking que por muito tempo já foi dela, ela volta para voltar a ser rainha, de um tênis feminino cheio de belas mulheres, belas jogadoras que são sem dúvida telentosas, mas que não são regulares e não predominam por muito tempo, e Justine tem condições de fazer isso, assim só resta agrader-lhe por essa decisão brilhante de encerrar a aposentadoria. (Foto: Clive Brunskill/Getty Images voa Picpp)

4 comentários:

Leandrus disse...

Considero até uma decisão normal a dela. Tenistas surgem no cenário mundial tão cedo e ficam tanto tempo no meio de uma estressante carga de jogos que uma hora deve mesmo dar vontade de se aposentar, o que na verdade é só um "até breve", como Justine e outros já mostraram. Nao deve ser fácil ficar exposto a uma sequencia tão grande e desgastante de jogos tão cedo.

Ateh!

Alexandre Silva disse...

Interessante demais o termo "aposentadoria" pra uma pessoa de 25 anos. E o pior é que esse modelo de "velhice" sai do esporte pro dia a dia. No Brasil uma pessoa de 35 anos é considerada "velha", só pq jogadores de futebol nessa idade o são. Fico imaginando o q uma pessoa de 25 anos "aposentada" vai fazer da vida...

Acho q ela deve ter cansado do tédio q virou a vida dela, rsrs
Abcs

Vinicius Grissi disse...

É bom vê-la de volta. Bom pra gente. As adversárias já devem estar preocupadas.

Tenis feminino é mto bom.. rsrsrsrs... Mais aposentar com 25 anos é foda... Se a gente pudesse fazer isso ia ser uma maravilha.... hahahahaha

Abraçosssss