Primeira vez de uma italiana

17:02 Net Esportes 2 Comments

Schiavone of Italy poses with her trophy after winning the women's final against Stosur of Australia during the French Open tennis tournament at Roland Garros in Paris
Vamos voltar no tempo, vamos até a primeira rodada da chave feminina de Roland Garros do ano passado, onde em alguma das quadras de saibro do complexo de tênis parisiense acontecia uma partida sem muita importância, de um lado estava a australiana Samantha Stosur, então com 25 anos de idade e sem nenhum resultado expressivo em torneios de Grand Slam, do outro a italiana Francesca Schiavone, quase 29 anos e com muito menos esperanças de conseguir sucesso, Stosur conseguiu a vitória fácil por 6-4 e 6-2, e fez muito mais do que isso, derrotou Elena Dementieva e deu sorte nos confrontos seguintes, conseguiu chegar até a semifinal, onde parou em Svetlana Kuznetsova, justamente a tenista que conseguiu o título naquela ocasião.

Era pouco e Samantha Stosur queria mais, só que esse ano estava mais complicado, Justine Henin nas oitavas-de-final, Serena Williams nas quartas-de-final e o grande teste contra Jelena Janković para finalmente alcançar a grande decisão do torneio mais charmoso e mais genoroso com debutantes de todos, mas o que ela não esperava e que esperava por ela na grande decisão realizada na quadra central Philippe Chatrier, era justamente a adversária da primeira rodada do ano passado, o primeiro confronto de um ano antes era o último confronto de um ano depois, a italiana Francesca Schiavone se tornou a primeira tenista do seu país a chegar na decisão de um Grand Slam, e ela estava disposta a continuar mudando a história e entrar para a história.

Ela não está em Wimbledon mas seu vestido e todo branco, um branco que ficou bem laranja depois que ela se joga no chão e mal pode acreditar no feito que acabou de conseguir, vibrando a cada ponto e lutando muito por uma glória que jamais uma compatriota sua conseguiu, Schiavone se vira para o chão e repete o gesto que fez durante toda a semana, beija o solo, beija o chão de terra batida, o chão de pó de tijolo lembrando muito alguém que fazia a mesma coisa e era do mesmo país que ela, mais precisamente do Vaticano, o Papa João Paulo II, só que ela não estava chegando ali pela primeira vez ou para fazer apenas uma visita, era a décima vez e as quartas-de-final alcançadas na primeira já não era mais o bastante, ela beijava o solo da competição que finalmente conseguiu conquistar.
Francesca Schiavone of Italy celebrates winning her women's final against Samantha Stosur of Australia at the French Open tennis tournament at Roland Garros, in Paris
A 14ª tenista a conquistar, no saibro parisiense, seu primeiro título de um Grand Slam, a 37ª mulher diferente campeã de um dos maiores torneios de tênis do mundo na Era Aberta, que começou a partir de 1968, em tantos e tantos anos de história jamais uma tenista italiana havia sequer chegado na final de um torneio Grand Slam, mas para tudo na vida existe uma primeira vez, mesmo que se tenha contraído a doença de Lyme, que poderia trazer problemas de articulação, cardíacos ou neurológicos, mesmo que se tenha quase 30 anos de idade, mesmo que algo que conseguiu jamais havia sido conseguido antes, Stosur vai ter que esperar mais um ano para conseguir seu sucesso, porque esse ano é de Francesca Schiavone, a italiana que conseguiu um feito extraordinário para o seu país, e gravou seu nome eternamente na história do esporte. (Fotos: Regis Duvignau/Reuters via PicApp)

2 comentários:

Lidia disse...

bela postagem.
gostaria de uma parceria ?
entre em contato
http://radiodobrasileirao.blogspot.com/


Grata !

FilipeJMS disse...

Foi merecido, ganhar um Grand Slam é a consagração de uma carreira! Só espero poder sentir esse gostinho novamente com um Brasileiro!