Nadal mordeu novamente

18:05 Net Esportes 2 Comments

Spain's Rafael Nadal bites the winners trophy as he poses for a photograph after defeating Tomas Berdych of the Czech Republic in the men's singles final at the 2010 Wimbledon tennis championships in London, July 4, 2010.       REUTERS/Phil Noble (BRITAIN - Tags: SPORT TENNIS)
Em Praga todos esperavam ver repetida uma história que só tiveram a chance de ver acontecer uma única vez em todos os tempos no esporte. Já ficou muito para trás o ano de 1973 e os feitos do tenista Jan Kodeš até hoje são apenas lembrados e jamais igualados. Nunca mais um jogador tcheco conseguiu vencer o tradicional torneio de Wimbledon, chances não faltaram como duas finais consecutivas do excepcional Ivan Lendl. Ele perdeu para Boris Becker e Pat Cash e somente 23 anos depois uma nova oportunidade surgiu. Tomáš Berdych passou por ninguém menos que Roger Federer e Novak Djokovic, a República Tcheca já vivia uma expectativa enorme. Porém não era o feito de Kodeš que seria igualado desta vez, e sim o de Björn Borg, de Lendl e alguns outros.

Berdych chegou finalmente em uma decisão de Grand Slam na carreira e teve tudo para virar herói em seu país. Além de tudo isso ele se tornaria o primeiro tenista na história após a Era Aberta a conquistar um dos quatro maiores títulos do circuito passando por três favoritos. Era justamente esse o problema, dois já haviam ido para o saco, mas faltava um, faltava o espanhol Rafal Nadal. O tenista fez história em 2008 ganhando Roland Garros e Wimbledon no mesmo ano, a exclusividade não era mais do Björn Borg que fez o mesmo em 1978. Depois ficou ausente em 2009 na competição deixando para Federer a chance de igualar ambos. Só que ele voltou com tudo esse ano para repetir mais uma façanha do sueco, que havia repetido a mesma dose de conquistas em 1979 e viu Nadal fazer o mesmo novamente agora em 2010.

Borg e sorri ainda e sabe que pelo menos tem onze títulos de Grand Slam, apesar da derrota em quatro finais de US Open e ainda na final londrina de 1981. E se não fosse justamente esse revés para John McEnroe poderia ter ainda mais uma sequência de Roland Garros e Wimbledon já que em 1980 o fez pela terceira vez na carreira. Rafal Nadal morde o troféu conquistado pela segunda vez na sagrada grama do All England Club sonhando em seguir igualando as marcas de Björn Borg e ao mesmo tempo igualando outras marcas extremamente importantes na sua carreira também. Já que este foi nada a menos que o seu oitavo título de Grand Slam que o faz ter a mesma quantidade de conquistas de outros monstros como André Agassi, Jimmy Connors, Fred Perry, Ken Rosewell e Ivan Lendl, algum tcheco tinha que ser igualado neste dia 4 de julho.
LONDON, ENGLAND - JULY 04: Rafael Nadal of Spain holds the Championship trophy after winning the Men's Singles Final match against Tomas Berdych of Czech Republic on Day Thirteen of the Wimbledon Lawn Tennis Championships at the All England Lawn Tennis and Croquet Club on July 4, 2010 in London, England. (Photo by Hamish Blair/Getty Images)
O que impressiona em mais um triunfo de Nadal é que o seu oitavo título de Grand Slam veio em dez finais disputadas. Ele só perdeu duas justamente na grama de Wimbledon para Federer porém já superou o suiço em uma batalha épica ocorrida na decisão de 2008. Alguns já apontam o espanhol como futuro recordista de títulos de Grand Slam mas ainda lhe falta levar o dobro dos que já tem para conseguir ao menos igualar essa marca histórica, e todos viram que igualar marcas é o seu forte. Para isso terá que superar lesões como em 2009, torcer para não surgir surpresas como o próprio Tomáš Berdych, ou Robin Soderling, além de também vencer o torneio US Open em Nova York, o único dos grandes que ainda não tem. Pois ninguém se torna imortal o bastante se não tiver sido campeão nos quatro pisos diferentes. Assim seus objetivos para os longos anos que ainda tem pela frente estão mais do que traçados. (Fotos: Phil Noble/Reuters e Hamish Blair/Getty Images via PicApp)

2 comentários:

Vinicius Grissi disse...

Com Federer sofrendo com os problemas físicos, fica a pergunta: quem será capaz de parar Nadal?

Priscilla Bar disse...

Definitivamente, Nadal é um máquina. Dizem que o que tem de melhor é seu físico, sua potência, mas com certeza o que esse cara tem de melhor é sua força mental, sua vontade de superaçao...

Quem diria que o Nadal do início voltaria depois de cair pro 3º lugar no ranking? Pra quem duvidava ta aí...Rafa Nº1!