F-1 é carro e a disputa é restrita

09:29 Net Esportes 5 Comments

Assim como Jason sempre volta para mais uma sexta-feira 13, o Jenson também retorna para mais uma vitória em algum domingo de Fórmula 1. Isso acontece porque a história da categoria máxima do automobilismo nos conta que o carro sempre faz a maior diferença na pista. Não que o piloto não faça, não que seja impossível um piloto vencer um GP com um carro inferior, mas daí a ser campeão já um pouco mais complicado. Nem Ayrton Senna podia contra as Williams em 1992 e 1993. Ninguém podia contra a Red Bull do ano passado ou a Brawn GP de 2009. A Fórmula 1 na maioria da vezes se resume em qual é o melhor carro do momento, contando com um piloto competente para levá-lo às glórias. E esse carro hoje é a McLaren, com só com o pequeno detalhe que seu domínio não é total e absoluto.

Sem a chuva de sexta-feira e um lindo dia de sol, a temporada de 2012 que acabará antes do fim do calendário maia começou em Melbourne, na Austrália. O início não foi como o final de 2011, não teve Sebastian Vettel vencendo; Mas o jovem alemão mostrou que se o carro não é totalmente perfeito, seu braço pode ser. A diferença entre a McLaren desse ano e a Red Bull do ano passado, sem contar os adventos como calor e pista de rua australianos, é que quando os touros vermelhos perdiam era por um pequeno erro do piloto, erro da equipe e desmotivação do segundo piloto. Lewis Hamilton, largando na pole-position, não sofreu nenhum desses problemas. Seu único problema foi o Safaty Car na pista ajudando Vettel, a terceira colocação e a cara de poucos amigos no pódio. Fato que serviu apenas para comprovar que a McLaren não está tão superior assim.

As informações trazidas pela dupla de narrador e comentarista da Red Globo dão conta de que o carro da McLaren estava pronto para as nova regras desse ano desde o ano passado. O carro já era rebaixado e por isso não teve a necessidade de fazer o esquisito degrau no bico que desagradou os fãs apixonados que opinam até sobre as cores do carro. Galvão Bueno e Reginaldo Leme, no entanto, não se aprofundaram em detalhes sobre o escapamento, aproveitamento de gases para o difusor e a busca insestante por mais aerodinâmica. A McLaren possui um sitema semelhante ao da Red Bull, que por sua vez fora feito de forma mais elegante pelo gênio Adrian Newey (que acabou acusado de cópia do modelo da Sauber). Isso teoricamente colocaria as duas equipes no mesmo patamar, mesmo que se não fosse o Safaty Car o resultado não teria intercalado seus carros no final do GP da Austrália.

E mesmo que não houvesse um Safaty Car, que culmnou em uma bizarro o passeio do caminhão guincho pelas ruas, o fato das duas McLarens ficarem na frente seguidas pelas duas Red Bulls não iria lhes favoritar tanto ao título do campeonato quanto o domínio inicial da Red Bull no ano passado favoritou Vettel. Precisamos esperar para ver o que acontece na Malásia, na China ou no Bahrein e mesmo assim alguém ainda dirá que precisará esperar o início das corridas na Europa. Não podemos também apontar Jenson Button como favorito ao título da mesma forma que apontamos Vettel no ano passado, porque seu companheiro de equipe não é Webber e sim Hamilton. Sem falar que o Vettel é como o Ayrton Senna, ele pode correr bem sem ter o melhor carro nas mãos. E o simples fato de ter largado em sexto, como a muito tempo não acontecia, para chegar em segundo lugar é a maior prova disso.

Assim, em meu modo de ver as coisas, está estabelecido o atual panorama na Fórmula 1. A FIA muda as regras para evitar um dimínio contínuo, mas não evita o fato de na Fórmula 1 o melhor carro sempre vence. A McLaren saiu na frente, com a Red Bull correndo atrás, com a Mercedes sonhando e a Ferrari fazendo milagres. A F-1 é carro e a briga é sempre restrita a dois ou três pilotos, salvo raríssimas excessões que talvez aconteça nesse ano, talvez não. Para o telespectador é sempre melhor que aconteça, mas aí precisa mais audácia e não cautela como Hamilton foi obrigado a adotar na decisão de não tentar ultrapassar Vettel. Isso também prova que seu carro não é tão superior assim. Bom mesmo é ver o que fez Maldonado, a princípio uma besteira gigante na última volta, mas um arrojo que talvez Jenson Button jamais irá mostrar ao longo do ano. Pois ele está na McLaren, o melhor carro, e não na Williams, a equipe que deixou para trás os tempos que comprovam a tese de que F-1 é carro e a disputa é restrita. (Foto: Getty Images)

5 comentários:

Marcelonso disse...

Amigo,

Permita me discordar sobre Maldonado. A meu ver, o venezuelano fez uma tremenda besteira, ao errar bizonhamente e acertar o muro.

Concordo com o fato de pressionar Alonso e buscar a posição, mas daquela forma a uma volta do fim com mais pontos no bolso do que a equipe fez no ano passado inteiro, foi burrice.

Quanto a Hamilton, acredito que por tudo que aconteceu na temporada passada, além dos pneus no osso - preferiu garantir o terceiro lugar. Até porque o campeonato é longo...


abs

Net Esportes disse...

@Marcelonso: Que isso Marcelo, é sempre um prazer abrir o espaço para suas opiniões aqui.

E pensando justamente nesse ponto de que o campeonato longo e que essa é a primeira corrida do ano ainda, o risco (na minha opinião é mais válido ainda). Entendo perfeitamente seu ponto de vista, sobre estar fazendo mais pontos que a Williams fez e tal .... realmente na última volta jogar tudo fora é bizarro, mas foi praticamente o único momento que me fez acordar pra valer na madrugada. Ele não marcou pontos no cameponato, mas teria "ganho pontos" comigo se eu fosse o dono da equipe!

Ron Groo disse...

Eu sempre digo que prefiro que briguem por mais pontos, por uma posição a mais... Mas desta vez era legal que o Maldonado terminasse a prova.
Mas a cagada não apaga a bela prova que fez. E o melhor, dá pra ter esperanças de um ano bem melhor. Muito melhor.

Luiz Paulo Knop disse...

Acho que o campeonato fica realmente entre Button, Hamilton e Vettel, mesmo com o alemão com um carro pior, mas com um braço muito melhor.

A situação do guincho foi extremaente inusitada, nunca tinha visto isso.

Outro detalhe interessante diz respeito à mudança na regra do Safety Car, que permite que os carros retardatários alinhem no final do grid, passando o SC. Isso é importante porque deixa os pilotos em disputa direta pela posição, sem ninguém interferir.

Quanto ao Maldonado, assim como Kobayashi, fez uma excelente corrida, mas acho que no fim do ano esses pontos podem lhe fazer falta para uma provável transferência. Da mesma forma que pensamos que ainda tem muita água pra rolar, podemos imaginar que um carro inconstante como a Williams pode ter tido sua última chance no ano.

Valia a pena se resguardar e levar o carro pra casa.

Luiz Paulo Knop
www.resenhaesportiva.com

Net Esportes disse...

@Luiz Paulo Knop: Essa de realinhar durante o Safaty Car eu tinha até esquecido !! Tem seu lado bom, mas achei extremamente arriscado aqueles carros passando enquanto o outro fica aquecendo pneu ... qualquer hora alguém se enrosca estilo Massa-Bruno .. !!!