Heróis britânicos nos Jogos de Londres 2012

12:59 Net Esportes 3 Comments

Basicamente falando, o que Londres 2012 viu foi a consagração de um mito chamado Michael Phelps e a afirmação de uma lenda viva chamada Usain Bolt. O americano que se tornou o maior atleta olímpico de toda a história e o jamaicano que confirmou ser o maior velocista que o mundo já viu em todos os tempos. Mesmo que a chegada do triatlo feminino tenha sido emocionante, ou que Walsh e May sejam grandes rainhas, que Valentina Vezzali seja incrível e os times de basquete americano completamente imbatíveis. As maravilhosas meninas do vôlei feminino brasileiro e toda a simpatia de Yelena Isinbayeva que nem levou ouro. Ninguém supera Phelps e Bolt, mas todos tiveram seu dia de glória e alegria. Em especial aqueles que representavam a Grã-Bretanha, porque competiam em casa, e se tornaram os heróis de Londres 2012.

No quadro geral de medalhas os Estados Unidos voltaram a ficar com o maior número de ouros. A China, apesar da boa segunda colocação, terminou com oito medalhas douradas a menos que os americanos, provando que a vitória em Pequim 2008 se deu principalmente pelo simples fato de que estava competindo em sua própria casa, no conforto do lar. Isso trás uma esperança enorme para o Brasil em 2016 e mostra uma realidade indiscutível para Londres 2012. Mesmo que a Grã-Bretanha sempre tenha sido uma potência olímpica, ocupando a terceira posição em toda a história. Tudo porque não haviam ido tão bem na China, terminando atrás da Rússia e com a Alemanha na cola. Só que agora era diferente, agora estavam atuando em casa, agora os atletas estavam se tornando verdadeiros heróis do seu Reino Unido.

Chris Hoy
CICLISMO DE PISTA

Talvez ele já fosse até o maior nome britânico em Londres 2012, ele era inclusive apontado como uma das maiores estrelas dessa edição olímpica, mas quando chegou lá com certeza ele se tornou o maior atleta britânico de todos os tempos. O maior medalhista na história do Reino Unido, que havia sido prata em Sydney, ouro em Atenas e Pequim e chegando à sua sexta medalha dourada com duas conquistas na capital inglesa: O Keirin e o sprint por equipes. Chris Hoy, nascido na Escócia, com 36 anos de idade e prevendo encerrar sua carreira nos Jogos da Commonwealth em 2014. Herói britânico nos Jogos de Londres 2012.


Jessica Ennis
ATLETISMO

Campeonatos mundiais e Europeu ela já havia vencido. Nos Jogos da Commonwealth ficou apenas com o bronze, mas levou uma medalha. A carreira de Jessica Ennis no heptatlo do atletismo vinha sendo muito boa, só que faltava alguma coisa, faltava uma cereja para o bolo, a medalha de ouro olímpica. Os Jogos chegam à Londres e como ela poderia deixar de aproveitar essa oportunidade? Impossível,  Ennis não da chances para ninguém e finalmente alcança a maior glória de sua vida, ela inevitavelmente se torna a queridinha dos britânicos.  Jessica Ennis, inglesa de nascimento, aos 26 anos de idade e querendo muito mais nos Jogos do Rio 2016. Heroina britânica nos Jogos de Londres 2012.


Mo Farah
ATLETISMO

Ninguém ouviu falar sobre ele em Pequim 2008 porque seus bons resultados começaram a aparecer a partir de 2009. Campeonato Europeu em 2010 e Campeonato Mundial em 2011, e mesmo assim ele nem era o melhor e nem o favorito dos 5000 e 10000 metros olímpicos. Vários atletas tinham melhores marcas, só que eles não competiam em casa, com a esposa grávida e a filha vendo tudo da arquibancada do Estádio Olímpico. Ambas não resistem e invadem a pista, o papai havia vencido os 10000 metros. E não parou ali, porque ele voltou para vencer os 5000 também. Mo Farah, nascido na Somália, criado na Inglaterra até chegar à sua maior glória com 29 anos de idade. Herói britânico nos Jogos de Londres 2012.


Andy Murray
TÊNIS

Um dos quatro maiores tenistas da atualidade, mas um tenista que vive a sina de nunca ter vencido um torneio de Grand Slam. Para piorar ele ainda perdeu a final do Torneio de Wimbledon, na Inglaterra, em Londres, praticamente na véspera dos Jogos Olímpicos em um duelo incrível contra Roger Federer. O sonho adiado para o ano seguinte, mas uma chance de ouro na frente, pois as Olimpíadas foram realizadas na mesma grama sagrada de Wimbledon. Mais uma vez a história de estar em casa repetida, e mais uma vez ele chega na final e mais uma vez ele vê o suiço pela frente. Só que Olimpíadas é diferente de Wimbledon e seus uniformes brancos. Ele vence, ele leva a medalha de ouro. Andy Murray, nascido na Escócia, coroado Rei aos 25 anos de idade. Herói britânico nos Jogos de Londres 2012.

Bradley Wiggins
CICLISMO DE ESTRADA

Sydney, Atenas e Pequim. Ouro, prata e bronze. Bradley Wiggins era um ciclista de pista que ficava ofuscado na sombra de Chris Hoy. Mas talvez nem tenha sido por isso que ele migrou do velódromo para a estrada. Talvez ele apenas quisesse algo a mais na carreira, e ele conseguiu. Um especialista em contra relógio que com uma ajuda indispensável do companheiro de equipe revive as estratégias de Greg LeMond e Cadel Evans. Ele vence o Tour de France e do que mais ele precisa? Da medalha de ouro é claro, praticamente uma semana depois do maior triunfo de sua vida. Bradley Wiggins, belga de nascimento, 32 anos de idade e prometendo muito ainda pela frente. Herói britânico nos Jogos de Londres 2012.

Irmãos Brownlee
TRIATLO

Um ganhou várias etapas do Mundial da ITU e o outro também. Um deles era promessa de ouro em Londres 2012 e o outro também. Um deles fez uma prova irretocável e o outro sofreu uma penalização de 15 segundos. Um deles terminou na primeira colocação e ficou com a medalha de ouro, enquanto o outro teve que receber atendimento médico e adiar a cerimônia de premiação em 30 minutos. Tudo porque um dos irmãos Brownlee estava no alto do pódio e o outro junto com ele, para receber a medalha de bronze. Alistair Brownlee, nascido na Inglaterra e Jonathan Brownlee, também inglês. Irmãos, com 24 e 22 anos de idade. Heróis do triatlo. Heróis britânicos nos Jogos de Londres 2012.


Laura Trott
CICLISMO

Musa é a Danielle King. Experiente é a Joanna Rowsell. Mas representante dessa força britânica feminina no esporte que mais rendeu medalhas ao Reino Unido sem dúvida alguma é Laura Trott. Ela simplesmente não sabe o que é ficar em segundo lugar ou em terceiro. Ela nunca levou uma medalha de prata e muito menos uma medalha de bronze em toda a sua vida. São três de ouro em Campeonatos Mundiais e mais três em Europeus, provas de pistas é com ela mesma. Assim em Londres 2012 não poderia ser diferente, o ouro veio na perseguição por equipes com Danielle King e Joanna Rowsell. Depois ela voltou apenas para ela, na prova do Omnium. Laura Trott, nascida na Inglaterra, apenas 20 anos de idade. Heroina britânica nos Jogos de Londres 2012.


Charlotte Dujardin
HIPISMO

Com três medalhas de ouro, uma de prata e uma de bronze, a Grã-Bretanha conseguiu sua melhor participação em toda a história nas provas do hipismo. E duas dessas medalhas de ouro vieram para uma amazona que deu um verdadeiro show tanto por equipe quando individualmente na disputa do adestramento. De quebra ela ainda impediu um feito incrível que seria o tetracampeonato olímpico para a holandesa Anky van Grunsven. Essa é Charlotte Dujardin, nascida na capital inglesa, coroada em sua própria casa aos 27 anos de idade. Heroina britânica nos Jogos de Londres 2012. 


Anthony Joshua
BOXE

Luke Campbell e Nicola Adams também foram campeões no boxe em Londres 2012. Sem contar que os britânicos ainda levaram uma prata e um bronze. Mas a categoria dos pesos pesados parece inevitavelmente  ser mais importante. Quando veremos o surgimento de um novo Lennox Lewis? Talvez Londres 2012 seja o começo de uma nova hora, talvez Anthony Joshua seja aquele que um dia fará toda a magia das lutas de boxe voltarem à cena e serem muito mais relevantes do que vem sendo hoje em dia quando apenas os irmãos Klitschko dominam. Uma medalha de ouro que veio no último dia, para encerrar com chave de ouro a participação britânica em Londres 2012. Anthony Joshua, nascido na Inglaterra, querendo se tornar profissional aos 22 anos de idade. Herói britânico nos Jogos de Londres 2012.


Katherine Grainger
REMO

A explicação de como a China havia vencido em Pequim 2008 vinha do tênis de mesa, dos saltos ornamentais e do badmínton. Já a explicação de como a Grâ-Bretanha foi bem em casa talvez esteja no Remo, em especial o feminino. Não foi o esporte que mais rendeu, perdendo do ciclismo, mas ficou em segundo lugar com as mulheres levando três de ouro. A explicação do porque as jovens Helen Glover e Heather Stanning se deram tão bem quanto as também jovens Katherine Copeland e Sophie Hosking. Tudo porque Katherine Grainger existe. Sydney, Atenas e Pequim. Três Olimpíadas e três medalhas de prata, em Londres não poderia ser assim também. Ela então se juntou à Anna Watkins que havia sido bronze em Pequim e levou ouro em Londres no Skiff duplo. Katherine Grainger, nascida na Inglaterra, 36 anos de idade e muita vitalidade. Heroina britânica nos Jogos de Londres 2012.

3 comentários:

Ron Groo disse...

Foi uma grata surpresa.
Mas eles fazem o inverso do que se faz aqui.
Acho que você leu no blog.
Fico feliz pelos donos da casa. Festa bonita, jogos limpos e grandes vitórias.

Saldo absolutamente positivo para os britânicos, tanto em matéria de organização como nas competições. Erros ou gafes a parte, tudo transcorreu normalmente. Cada vez mais fortes, ainda não conseguem alcançar EUA e China, mas consolidam-se cada vez mais como terceira força. E cada vez melhorando mais. Veremos em 2016.

Saudações!!!

Net Esportes disse...

@FuteBRONCA: Acho que a China deu uma boa caída. Se fosse Chicago 2016 talvez eles fossem com tudo, mas Rio 2016 não sei se vão querer se esforçar tanto quanto em Pequim 2008 ....