A ascensão de Fabíola

11:49 Net Esportes 3 Comments

Com mais de 30 anos de idade, a nadadora Fabíola Molina chegou aos jogos Pan-americanos do Rio 2007 com status de veterana, onde poucos acreditavam que ela podería ter uma boa performance, a resposta da nadadora acabou vindo na água, dentro da piscina, com a conquista da prata nos 100m costas, e sem pensar na aposentadoria ela segue brilhando esse ano com uma ascensão incrível.

Longe do pódio em Pequim 2008, Fabíola passou a dar prioridade para as etapas da Copa do Mundo de piscina curta, onde alcançou ontem a marca de 15 medalhas ao longo de todas as etapas, sendo que a última, um ouro nos 100m costas, teve um gostinho especial, já que além de vencer a prova ela ainda conseguiu baixar o seu próprio recorde sul-americano.

Nadando abaixo dos 59 segundos pela primeira vez no ano, Fabíola conseguiu o novo recorde para a distância em piscina de 25 metros, no mesmo palco que havia alcançado a marca no ano passado, fazendo com que a etapa de Estocolmo, na Suécia, tenha um sabor especial para ela - "Esta lugar é de fato bastante especial. Fico muito feliz de ter conquistado esse recorde novamente aqui", disse a nadadora após a prova.

Fabíola Molina ainda ratifica o quanto é boa no nado costas, já que havia sido prata nos 50m uma dia antes, somando até agora oito medalhas de ouro, cinco de prata e duas de bronze na temporada, lembrando muito o nadador Rogério Romero, que também já veterano, com mais de 30 anos, passou a conseguir excelentes resultados no nado costas, provando que a idade avançada e a experiência podem fazer muita diferença. (Foto: Arquivo)

3 comentários:

Daniel Leite disse...

É claro que estas medalhas se devem ao fato de que as principais atletas do mundo não estão competindo. No entanto, Fabíola, tenho certeza, propôs a si mesma estes objetivos e os tem conquistado de maneira até surpreendente. Grande reta final de carreira (se é que está próxima do fim).

Até mais!

Vinicius Grissi disse...

O estilo da Fabíola me agrada bastante. É uma nadadora de muita raça e que merece o sucesso.

Letícia disse...

É, a gente prioriza os jogos olímpicos e, quando se dedica um pouco ao circuito paralelo, percebe que pode render ainda mais, né? Pena que a visão geral ainda se volte e valorize as olimpíadas.
Mas parabéns pra Fabíola e pra vc, por esse blog esportivo tão informativo.
Beijos!