Guerra e consequências

14:07 Net Esportes 8 Comments

A invasão de Israel na Faixa de Gaza, que busca combater o movimento islâmico Hamas, já deixou mais de 650 mortos e 2.950 feridos, incluindo muitas crianças, mas não são apenas os palestinos que estão sofrendo com a incursão devastadora, pois atletas israelenses que iniciam disputas em várias partes do Mundo, já sentem as consequências da Guerra.

Era uma simples partida de basquete na Turquia válida pela Euroliga, mas quando o time israelense do Bnei Hasharon entrou em quadra para enfrentar o time local Turk Telekom, a torcida não hesitou em protestar, bandeiras palestinas eram agitadas enquanto moedas e isqueiros voavam para quadra, os jogadores fugiram e a partida foi anulada.

Com um pouco mais de sorte e um sistema de segurança reforçado, a tenista israelense Shahar Peer conseguiu resistir aos protestos, continuar em quadra e vencer o jogo, "Vim aqui para jogar tênis, e é o que vou continuar fazendo" disse a jogadora que recebeu uma carta de um grupo sugerindo um boicote simbólico à Israel, mas alegando que não tem nada haver com o problema seguiu em frente, e passou para as quartas-de-final.

Uma Guerra, uma disputa religiosa, um conflito que existe a milhares de anos e que se agravou depois da criação de Israel em 1948, vem piorando nos últimos anos depois que surgiu a Organização de Libertação da Palestina, que tem de um lado o terrorismo que é errado, e do outro um poder bélico gigantesco e faz mais vítimas do que devia, a Guerra sempre prejudica quem nela está envolvido, e está prejudicando também o esporte em todo o Mundo. (Foto: AP Photo)

8 comentários:

Alexandre Silva disse...

Os atletas israelenses estão pagando o pato por isso...vc viu o q ocorreu na Euroliga de Basquete.
Sei lá, é aquele lance de generalizar, apesar de eu ser a favor do lado mais fraco q não é Israel, generalizar assm tb é besteira. Os atletas nada tem a ver com as atitudes idiotas do governo...

Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

André disse...

para boicotar israel tem que fazer o mesmo com os EUA e com o Reino Unido(donos de israel). o resto é hipocrisia covarde de pessoas que nao tem coragem sequer para protestar.

luiz fabiano disse...

É complicado quando isso generaliza mesmo porque os atletas israelenses não tem nada a ver com a guerra.
Quando chega a esse ponto é hora de rever que esses erros podem trazer sérias consequencias


visite
http://www.cinevolucion111.blogspot.com/

abraços

Pablo disse...

É triste ver países querendo boicotar o esporte, que é saudável, que une um mesmo país ...

http://sombradaamendoeira.blogspot.com/

Fábio Andrade disse...

O que acontece no Oriente Médio é um misto de briga político-religiosa com descaso das autoridades internacionais. Essas coisas sempre acabam respingando em atividades como o esporte.

Trsite, triste...

Leandrus disse...

Ambos acontecimentos lamentáveis, tanto os do esporte (é, os turcos não deixam nada barato, que já viu imagens de torcidas de Galatasaray e Fenerbahce brigando sabe disso) quanto a guerra. Pior é saber que as expectativas de melhora desse quadro crítico não são nada boas.

Dinah Cardozo disse...

É realmente bastante complicado. Eu poderia fazer um discurso aqui sobre guerra (é algo que me atrai e tenho um certo conhecimento), mas nada justifica o prejuizo que causa.

Michell Niero disse...

Fico feliz quando vejo o esporte interrompendo guerras, como na época em que o Santos de Pelé. Infelizmente, a hostilidade do público com esportistas israelenses, embora motivada pelo momento delicado que vive o mundo, não é justificada.