Uma sobrevida para todos

14:01 Net Esportes 5 Comments

Nascido em Manchester no ano de 1954, o britânico Ross Brawn começou na Fórmula 1 como mecânico da Williams em 1978, de lá pra cá passou à diretor técnico, estrategista e alguém fundamental para as conquistas de títulos do alemão Michael Schumacher, tanto na Benetton quanto na Ferrari, e agora um novo desafio surge em sua vida, como chefe da equipe que leva seu nome, a ex-Honda é agora a Brawn GP Formula One Team.

São praticamente 30 anos de experiência, e esse foi assumidamente o motivo determinante dele na escolha de seus pilotos, Jenson Button e Rubens Barrichello, juntos eles somam nada menos que 432 GP´s disputados em suas carreiras na Fórmula 1, o piloto brasileiro é ainda o recordista nesse quesito. Brawn alegou que o motivo é que seus pilotos irão se adequar ao carro o mais rápido possível, já que os teste começaram apenas agora.

Com a permanência de Rubinho, até mesmo do inglês Button, do próprio Ross Brawn e mais de 700 funcionários que mantiveram seus empregos, a ex-equipe Honda, que estava praticamente falida, fechando as portas e implorando para ser comprada, ganha uma sobrevida para alegria de todos, menos de um, Bruno Senna, que chegou a ser dado como certo quando a possível permanência da equipe era uma incógnita, mas acabou sendo deixado de lado.

Com pouco tempo de testes, motor Mercedes como o da fraca Force India, incertezas daqui e dali, pouco se pode esperar da Brawn GP, mesmo com Ross dizendo que espera um desempnho respeitável na temporada, assim o que se conclui é que a quase falida equipe só irá mesmo fazer número no grid, garantir trabalho para seus funcionários e sobrevida para os quase esquecidos. Estar na Fórmula 1 é grandioso de qualquer forma, mas Bruno Senna provavelmente escapou de uma grande encrenca e perda de tempo. (Foto: Divulgação/Brawn GP)

5 comentários:

amandaedalete disse...

Nossa Neil! Ficou lindo o novo layout do blog ^^

Agora esse britânico Ross Brawn é bom mesmo, começou por baixo e hoje é "reconhecido".

Michell Niero disse...

Tem tudo para ser um fiasco essa equipe mas vamos ver. O Rubinho ao invés de se aposentar com dignidade insiste em correr de carroça e manchar a biografia dele.

Ao menos tem o Ross Brawn, que é um gênio e que até hoje faz muita falta a Ferrari.

um abraço

Loucos por F-1 disse...

A Brawn GP chega com um olhar desconfiado da maioria no circo da Fórmula 1. Mas o Ross Brawn não é bobo, alguma carta ele tem na manga.

Abraços!

Leandro Montianele

Alexandre Silva disse...

Cara... essa mudança de equipes tá me preocupando. Aposto q essa Brawn vai ser mais uma Prost. A F1 tá ficando complicada e contrasta justamente com uma das melhores temporadas dos últimos anos...
É torcer pra dar certo, senão vamos ver uma F1 cada vez mais monopolizada entre 4 carros... McLaren e Ferrari
Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

PS: Cara, esse layout ficou mto bom. Tô precisando urgente trocar o meu e de um outro que estou montando, tem como me dar uma mão? Me add aí se der: paco.alexandre@hotmail.com
Vlw

F. Grijó disse...

Seu texto tem clareza, camarada, e é assim que precisa ser, quando se informa.
Embora eu não curta F1, é sempre um prazer ver como vc elabora as frases. ainda prefiro o boxe, de algumas postagens atrás.
Mas de uma coisa gostei: o Barrichelo volta às pistas. Nunca um "esportista" foi tão desonesta e cinicamente achincalhado no Brasil que, acostumado a Sennas e Piqtets, não admite perdas. Lamentável.
Abraço.