Recorde fica sob risco

19:12 Net Esportes 3 Comments

Nas Olimpíadas de Pequim ele conseguiu ficar em primeiro lugar e levar a medalha de ouro, mas o francês Alain Bernard viu naquela ocasião o australiano Eamon Sullivan marcar nas semifinais o recorde dos 100m livres, porém menos de um ano depois, e competindo em casa, ele finalmente recuperou a marca que era sua, coincidentemente na mesma fase semifinal, e se tornando o primeiro nadador a conseguir completar a distância em menos de 47 segundos.

O novo recorde mundial dos 100m livres é de 46s94, que superou a então marca dos 47s05 que havia sido estabelecida no Cubo D´Água, mas apesar da grande façanha, Bernard pode ver o seu feito ser cancelado e anulado, já que o maiô utilizado por ele na disputa do campeonato nacional francês de natação, ainda não foi analisado e nem aprovado pela FINA (Federação Internacional de Natação).

A vestimenta da marca Arena tem semelhanças com LZR Racer da Speedo, e é a mesma usada pelo brasileiro César Cielo, que na prova dos 100m livres de Pequim dividiu a terceira colocação com o norte-americano Jason Lezak, e depois venceu os 50m com Alain Bernard na terceira colocação, mas independente de perder o recorde, o francês ficou feliz com o resultado -
"Ser o primeiro a bater os 47 segundos e fazer isso na França, diante dos meus fãs, é algo fantástico".

Diferentemente de usar dois maiôs, caso recente na natação, ter um maiô que melhore o desempenho do atleta na piscina não pode ser visto como errado, a tecnologia ajuda o atletas nas mais variadas modalidades esportivas, e aos poucos vai ajudando também a natação, porém alguns ainda são ultrapassados e não aceitam a evolução, resta esperar que Bernard não seja prejudicado, já que alcançou um grande, histórico e bonito feito na piscinas de seu próprio país.
(Foto: Jean-Paul Pelissier/Reuters)

3 comentários:

Vinicius Grissi disse...

Sinceramente, acho que devia acabar com essa palhaçada de maiô. Todo mundo usa uma sunga igual e o melhor vence.

Thiago Madureira disse...

A tecnologia foi incorporada a várias modalidads esportivas. Pena que o futebol não vê com bons olhos para ela.

Loucos por F-1 disse...

O esporte tem que aprender a evoluir com a tecnologia. Tem que liberar esse maiô logo e ponto final. Em todas as modalidades se desenvolve algo para melhorar performance e na natação não tem que ser diferente.

Abraço!

Leandro Montianele