Histórias do Futebol V

10:23 Net Esportes 3 Comments

A Europa em guerra e o esporte em recessão, 1942 não teve Copa do Mundo, 1946 também não, a FIFA mudava até a sua sede de cidade, e buscava fora do continente desvastado um local para sediar o quarta edição daquele que é hoje maior evento do futebol mundial, a solução acabou sendo retornar para a América do Sul, palco da primeira edição, mas não no Uruguai como foi em 1930, e sim no Brasil, que construiu o Maracanã.

Consta que na grande decisão haviam 200 mil pessoas no estádio carioca, mas o público oficial de pagantes é de 173.850, que seria superado futuramente no jogo das eliminatórias para a Copa de 1970, onde foi registrado 183.341 pagantes, o intuito de tantas pessoas em lotar o Maracanã na grande final era bem óbvio, ver o Brasil campeão do Mundo pela primeira vez em sua história, e pela campanha que vinha fazendo isso parecia que ia mesmo acontecer.

Começou com 4 a 0 no México mas depois conseguiu goleadas incríveis, 7 a 1 na Suécia e 6 a 1 na Espanha, talvez nem tenha sido tão surpreendente quanto a vitória dos EUA contra a Inglaterra por 1 a 0, os inventores do futebol estavam eliminados e os aperfeiçoadores do jogo prontos para levantar a taça, Zizinho, Barbosa, Bauer, Ademir e tantos outros poderíam ser campeões até com antecedência, mas o uruguaio Alcides Ghiggia foi quem decidiu a Copa de 1950.

A fase final naquela época era disputada em um grupo de quatro times, na penúltima rodada o Brasil fazia sua parte goleando a Espanha enquanto o Uruguai empatava com a Suécia, Ghiggia já havia marcado um e Míguez fez outros dois que impediram o título brasileiro, ainda assim bastava um empate para o anfitrião levantar a taça. O Brasil abriu o placar contra o Uruguai, mas sofreu a virada, gol dele, Ghiggia, faltando cerca de 10 minutos para o final do jogo, um gol que segundo a lenda calou o Maracanã naquele dia, o Uruguai se tornava bicampeão e entrava definitivamente para a história do esporte mundial. (Foto: Arquivo)

3 comentários:

Vinicius Grissi disse...

Esta Copa jamais sairá da cabeça dos brasileiros. Que em 2014, a história seja muito diferente. Ou melhor, só o final seja diferente.

André Augusto disse...

Um dos episódios mais tristes do futebol brasileiro, mesmo depois de tanto tempo...

Daniel Leite disse...

Quando penso na Copa de 1950, não a relaciono com injustiça. Foi um momento de frustração para os brasileiros, mas é preciso reconhecer a garra dos uruguaios, grandes vencedores. A um país de dimensões tão pequenas e que fazia parte do território brasileiro deve ser absolutamente fantástico lembrar dessa grande vitória, do bicampeonato mundial.

Até mais!