Austrália 28 anos depois

11:03 Net Esportes 3 Comments

Ele é o presidente da Associação de Pilotos de Grande Prêmio, talvez a principal de suas metas nesse cargo seja prezar pela segurança dos pilotos na pista durante a disputa de uma corrida, mas largando na pole-position do GP da Alemanha, Mark Webber deve ter por um breve momento esquecido de tudo, jogou o carro pra cima de Rubens Barrichello e quase ocasionou um grande acidente, acabou sendo justamente punido com um drive-through, parecia ter jogado a corrida fora, mas nem isso lhe impediu de triunfar pela primeira vez na carreira.

Ele já esteve em 130 corridas, já está com quase 33 anos de idade, nem Minardi e nem Jaguar poderiam lhe dar alguma chance de vitória, tão pouco a Williams que já andava muito mal nos dois anos que passou por lá, Webber chegou na Red Bull com as mesmas poucas esperanças de sempre, mas a Fórmula 1 mudou muito esse ano, trouxe novas possibilidades e a chance de chegar na frente, ele manteve a calma, a estabilidade e finalmente teve sua recompensa, para alegria dos mecânicos, do pai e dele mesmo, que explodiu em emoção após terminar a corrida na ponta.

Mark Webber foi brilhante e nem a merecida punição lhe tirou a chance de vencer, uma vitória que um piloto australiano não conseguia desde 17 de outubro de 1981, quando Alan Jones venceu o GP da Las Vegas, o hino de seu país voltou a tocar no pódio depois de 28 anos, mas ele nada teria feito se não fosse outro trabalho brilhante, da equipe Red Bull, que colocou seu outro piloto na segunda colocação, Sebastian Vettel garantiu mais uma dobradinha para a equipe que vem surpreendendo aos poucos, já tem seus pilotos ocupando a segunda e terceira colocação na classificação geral, e promete colocar fogo no restante da temporada.

Um dos principais fatores que garantem a melhora da equipe Red Bull em relação à equipe que dominava completamente as provas, a Brawn GP, foi a temperatura, seu rendimento melhora consideravelmente quando faz frio, os pneus desgastam menos e os carros andam mais, a Brawn pode voltar a andar bem se fizer calor, mas terá que errar menos, acertar na estratégia que foi péssima hoje, não errar na hora do reabastecimento, pois o desespero em tentar ver Button campeão já começou, e colocá-lo atrás de Barrichello de maneira forçada como hoje vai começando a ficar muito evidente, melhor se fosse logo algo declarado, mas é algo que Rubinho jamais aceitaria. (Foto: Fred Dofour/AFP)

3 comentários:

Ron Groo disse...

Pois é... A comunidade dos cagurus, dos coalas e dos Crocodilos Dundees estão em festa pelo mundo afora...

Foi merecido.

Leandrus disse...

A estratégia da Brawn foi muito ruim hoje. Não havia necessidade de colocar o Rubinho para fazer três paradas quando ele já estava tranquilo na liderança, já que Webber, o único que o ameaçava, havia se prejudicado ao ter que cumprir o drive through. Essa estratégia tem muitos riscos, e risco era o que a equipe não precisava correr naquele momento. A temporada desse ano já havia mostrado, com o próprio Rubens na Espanha e com Vettel na Turquia, que apostar em três paradas é arriscado, já que tudo tem que ser feito perfeitamente. Não sei se Rubinho iria ganhar a corrida, mas chegaria numa posição mais decente do que 6º ou 5º lugar. Ross Brawn tem que pensar nisso, além de se lembrar que não trabalha mais com Michael Schumacher, quando isso geralmente dava certo devido a genialidade do alemão...

Ateh!

Vinicius Grissi disse...

O melhor da corrida foi a empolgação do vencedor após a prova. Contagiante!

Quanto ao Rubinho: pisaram feio na bola com ele, mas era impossível vencer ontem.