Ainda existe desportividade na F-1

10:09 Net Esportes 3 Comments

Red Bull Formula One driver Sebastian Vettel of Germany celebrates on the podium at the Japanese F1 Grand Prix at the Suzuka circuit October 10, 2010.  REUTERS/Toru Hanai (JAPAN - Tags: SPORT MOTOR RACING)
Um verdadeiro dilúvio caiu no Japão fazendo com que o treino oficial tivesse que ser adiado. Classificação apenas cinco horas antes da prova já fazia o GP do Japão ser um pouco mais especial e diferente dos demais ocorridos nesta temporada. A chuva bem que poderia ter voltado no domingo para trazer toda aquela emoção que ela já trouxe em outras corridas do ano, pois o que acabou se vendo foi mais uma procissão, marasmo e monotonia que os fãs da Fórmula 1 não gostam muito quando acontece. Mesmo assim a corrida de Suzuka, que era especial como já foi tantas vezes em outras épocas, continuou com seu status proporcionado primeiramente pela água que caiu do céu, já que na disputa pelo título do campeonato duas equipes preservaram a briga mais pelo lado esportivo do que por seus interesses únicos e porque não egoístas.

Certamente uma dessas equipes não é a Ferrari. Principalmente porque o piloto que não tem chances de ser campeão e que já recebeu ordens de seus chefes bem antes de não ter qualquer chance de ficar com o campeonato, largou mal, e se não bastasse isso ele ainda bateu na largada e ficou fora de corrida. De fato nem era preciso uma ajuda, ou mais uma ajuda, de Felipe Massa para Fernando Alonso, o espanhol sozinho e isolado é o único representante dos italianos na briga pelo título e nem que o brasileiro tivesse alguma chance iria ter liberdade para brigar com o companheiro de equipe nas últimas corridas do ano. O pensamento da Ferrari é assim desde os tempos de Schumacher e infelizmente não mudou mesmo que boa parte do mundo o reprove. Pelo menos por sorte a Fórmula 1 tem duas equipes que não compartilham dessa mesma filosofia.

Mar Webber é o líder do campeonato mundial de Fórmula 1 e restam apenas mais três corridas depois dessa. Não é um motivo nada simples como esse que fará a equipe Red Bull ordenar para Sebastian Vettel que deixe o australiano ficar com a vitória no GP do Japão, mesmo que no final de tudo isso lhe custe o título, mas nós ainda não estamos no final de tudo. Lews Hamilton é o inglês da McLaren mais bem posicionado na tabela de classificação, só que depois de ficar duas corridas sem pontuar sua maré de azar continua e ele perde a terceira marcha, Jenson Button se aproxima e a equipe prateada nem cogita ordenar que o inglês que está pior no campeonato não ultrapasse o que tem um pouco mais de pontos nesta tão acirrada briga pelo título de 2010. A prova cabal de que não era apenas mais um GP do Japão está aí, era um GP especial, um GP onde a desportividade prevaleceu.
Ferrari Formula One driver Felipe Massa of Brazil looks out from behind a fence as his car is recovered after colliding with Force India Formula One driver Vitantonio Liuzzi of Italy during Japanese F1 Grand Prix at the Suzuka circuit October 10, 2010. REUTERS/Issei Kato (JAPAN - Tags: SPORT MOTOR RACING)
Essa liberdade para que seus pilotos briguem com igualdade dentro das equipes Red Bull e McLaren já havia sido mostrada e provado neste mesmo ano mas foi confirmada da forma mais bonita e esportiva nesta corrida em Suzuka. O apaixonado pela categoria máxima do automobilismo espera agora que esse pensamento siga até o final e que por essas atitudes esses times não sejam penalizados e acabem vendo o time vermelho da Ferrari sendo coroado no final por ter usado o jogo de equipe na hora que bem entendeu, descumprindo inclusive com o regulamento que poderá até ser modificado no próximo ano. Assim sendo a dúvida que fica é saber se Red Bull ou mesmo a McLaren irá mudar de idéia e fará o jogo de equipe em alguma das últimas três provas, principalmente na última para evitar uma vitória do rival ou vão perder de cabeça erguida como talvez alguns esperam e acharão até honroso e bonito. Se for contra a rainha dos jogos de equipe talvez seja melhor que o façam também, mas se for uma decisão entre ambas o mundo deverá reverenciá-los eternamente caso a desportividade seja mantida como foi mantida no Japão. (Fotos: Toru Hanai/Reuters Issei Kato/Reuters via PicApp)

3 comentários:

Leandro disse...

Podemos olhar também por este lado, mas alguns pontos também devem ser levados em conta. Os dois pilotos da Mclaren tem as mesmas chances de chegar ao título mundial de pilotos assim como o Botafogo tem chance de ser campeão Brasileiro esse ano. Então, mandar Button abrir pra Hamilton passar ou vice-versa não fará tanta diferença.
Os dois pilotos da Red Bull estão na briga pelo título. Webber tem apenas 14 pontos de vantagem para Vettel. Seria um pouco de exagero mandar o alemão abrir pro australiano ganhar a corrida. A diferença entre eles é muito pequena.
Já na Ferrari, Massa já vinha apanhando seguidamente de Alonso. O espanhol estava na briga pelo título, só que um pouco distante. O brasileiro já tinha chances remotas de conquistar o título. Como se vê, Alonso divide a vice-liderança com Vettel, apenas 14 pontos atrás, enquanto que Massa está só cumprindo tabela.
Mas a briga pelo título está interessantíssima. Essas 3 corridas que faltam vão dar o que falar. A velha emoção da F-1 está de volta, pena que muita gente não esteja acompanhando mais, porque um brasileiro tenha sido jogado pra escanteio por ir mal na temporada.
Abraço

P.S: Pior de tudo foi a Globo que inventou de passar apenas um compacto do treino depois da programação inteira dela. Sacanagem com o telespectador!

Luiz Paulo Knop disse...

Taí a prova de que pode-se ganhar um campeonato de forma limpa na F1, assim como Senna, Prost e Mansell já fizeram outrora.

http://esporteresenha.blogspot.com

é realmente, disse tudo o rapaz aí de cima,

Taí a prova de que pode-se ganhar um campeonato de forma limpa na F1, assim como Senna, Prost e Mansell já fizeram outrora. [2

parabéns pelo blog, muito interessante.