Adeus a outro ícone do esporte

13:56 Net Esportes 4 Comments

Primeiro foi o quarterback Brett Favre, mesmo que muitos ainda relutem em acreditar que desta vez ele encerrou a carreira de vez. Depois foi a vez da tenista belga Justine Henin, que havia voltado da aposentadoria e não resistiu à uma lesão que não tem cura. E então surgiram as notícias bombásticas: como o adeus do arremessador Andy Pettitte, que deixou a equipe do New Yorks Yankees na mão, e o fim da linha para o jogador de futebol Ronaldo, que sem condições físicas também decidiu parar. O começo de 2011 em um futuro próximo será lembrado como a época das aposentadorias de grandes lendas do esporte, pois além de todos já citados mais um resolveu também deixar às competições de lado para se dedicar mais à família e a vida pessoal, chegou a hora de dar adeus ao ciclista Lance Armstrong.

Os recordes de Favre jamais serão esquecidos, o domínio de Henin no circuito da WTA nunca poderá ser apagado, assim como todos vão sentir saudades de Pettitte e agradecer eternamente pelas contrubuições do fenômeno ao futebol. Ver seu ídolo no esporte parar de atuar é sempre um momento ruim para um fã, para um torcedor, porém quando ele resolve sair de cena chega o momento mais do que especial para relembrar tudo que ele fez pelo esporte, como foi sua carreira e se por acaso ele teve que se superar em algum momento de sua vida. E nesse caso o ciclista Lance Armstrong tem história de sobra para contar, desde os primeiros anos de idade quando sua mãe chegou à ter dois empregos para sustentá-los, desde quando acordada de madrugada para fazer natação ou desde a época do triathlon na adolescência. Tudo até a maior de suas vitórias.

Um homem que nasceu para viver no mundo esportivo. Um atleta que resolveu se dedicar apenas ao cilcismo quando se tornou profissional porque talvez soubesse que ali teria um futuro mais do brilhante. As vitórias vieram, inclusive no Tour de France quando foi primeiro colocado na etapa oito em 1993 e na 18 de 1995, quando cruzou a linha de chegada apontando frenéticamente para o céu pois homenageava Fabio Casartelli, companheiro de equipe que havia morrida três etapas antes em um acidente. A glória maior parecia estar próxima de ser conquistada, mas um golpe duro quase o derrubou da bicicleta para sempre. Lance Armstrong foi diagnosticado com câncer nos testículos, uma doença descoberta em estágio avançado que acabou se espalhando por seu corpo e causando tumores sérios nos pulmões e até no cérebro. Os médicos estipulavam em cerca de 40% as chances de sobrevivência, Armstrong não se entregava durante a quimioterapia e conseguiu derrotar aquele que foi o seu maior adversário. Ele se recuperou para se tornar um dos maiores de todos os tempos.
Em 1998 Armstrong estava totalmente curado e conseguiu ser quarto colocado na Vuelta a España. Em 1999 traçou o seu destino que o tornaria um dos maiores ícones do esporte em todo o planeta, vencendo a primeira de sete conquistas consecutivas no Tour de France, atingindo um feito que jamais outro competidor conseguiu na prova que tem mais de cem anos de história. Em 2005 Armstrong encerrou a carreira pela primeira vez após o sétimo título na França, foi correr a Maratona de Nova York, descansar um pouco, mas talvez soubesse que sua tragetória no esporte não havia acabado. Quem sabe se Lance Armstrong não tivesse parado por um tempo ele não teria mais do que sete títulos no Tour, uma das provas disso foi o terceiro lugar conquistado na edição de 2009 depois de ter corrido Giro d´Itália pela primeira vez.

Mais do que adeus à uma verdadeira lenda do ciclismo e do esporte mundial, o mundo da adeus à uma pessoa que luta por causas nobres, que criou uma fundação de combate ao câncer e que fez boa parte das pessoas aderirem ao projeto comprando milhões de pulseirinhas amarelas da Livestrong. No adeus definitivo Armstrong fez questão de dizer que não se arrepende de nada, que ter voltado depois de ter parado foi uma excelente experiência, mas que no fundo acahava que venceria mais um Tour. Isso porém não quer dizer que desta vez a aposentadoria não seja definitiva, Armstrong brincou, mas garantiu que não vai dar uma de Brett Favre e voltar novamente, mesmo porque já está com 39 anos de idade. O ciclista sai de cena por cima, com enormes vitórias competindo, vitórias contra doenças e sendo obrigado a lutar por vitórias daqui para frente, pois seus inimigos seguem o acusando de ter se dopado para conseguir tudo que conseguiu.

4 comentários:

Jean Francisco disse...

Outra boa postagem! As suspeitas contra Lance são pesadas realmente. Assisti uma entrevista dele rebatendo as acusações, mesmo assim admitiu que no ciclismo o índice de doping é alto, mas que outros esportes ainda são maiores, porém o ciclismo é mais monitorado. O Fato é que ele é um mito, sua história de superação e luta pela sobrevivência mostram o ímpeto do homem sobre o atleta. Na minha opinião as acusações são de teor apenas depreciativo, sem provas, apenas calunias e injúrias.
Jean Francisco
esportday.blogspot.com

Net Esportes disse...

Póis é Jean, e ainda mais que um dos acusadores é um ex-companheiro de equipe que perdeu o título do Your por doping ... inveja é pouco !!!!!

Ron Groo disse...

Eis ai um vencedor. Daria uma bela biografia na estante.

Jean Francisco disse...

Lamentável esse mundo dos bastidores do esporte.
Abraços amigão!
Jean Francisco
esportday.blogspot.com