Histórias do Beisebol VI

15:03 Net Esportes 0 Comments

No anos 20 apenas um filho de imigrantes italianos que não queria levar a mesma vida de pescador que seu pai tinha, ele odiava o cheiro dos peixes. Anos mais tarde Joseph Paul DiMaggio se tornaria Joe DiMaggio, um dos maiores jogadores de beisebol de todos os tempos, o homem que deixou a vida pobre para fazer fortuna, tendo sido inclusive (mesmo que por pouco tempo) um dos maridos de Marilyn Monroe, aquela que foi uma das mulheres mais lindas e sexy do século XX. Na terra do glamour, a capital do mundo Nova York, no time que talvez se afundaria após a saída de Babe Ruth, o New York Yankees, a equipe se rendeu ao lendário jogador dono da camisa número cinco que só faltou fazer chover no Yankee Stadium. E quem sabe não teria feito se por mais alguns anos desse suas rebatidas por lá.

O oitavo de nove filhos do Sr. Giuseppe e da dona Rosalia DiMaggio começou a jogar beisebol nas ligas menores em 1932, quando atuava pelo San Francisco Seals. Em 1933 ele conseguiu o improvável, batendo o recorde de 61 jogos consecutivos com pelo menos uma rebatida válida. Aquele era um pequeno prenuncio do que faria mais tarde já como profissional, quando em 1941 repetiu a mágica por 56 jogos seguidos. Quem agradecia nessa época era o New York Yankees, a equipe que havia sido campeã pela última vez em 1932 acolheu o jogador que quase foi obrigado a parar de jogar quando rompeu os ligamentos do joelho, mas que se tratou e se recuperou para debutar na MLB em 1936 e simplesmente ser campeão logo em seu ano de estréia.

Ser campeão logo em seu primeiro ano como profissional é só um dos detalhes peculiares na carreira meteórica de Joe DiMaggio. O jogador atuou na MLB por 13 anos, em todos eles foi escalado para o All Star Game, sendo o único jogador em toda a história do beisebol que conseguiu tal feito. Em quantidade de títulos ganhos então nem se fala, foram nada a menos que nove conquistas da World Series vestindo a camisa do New York Yankees, e isso inclui uma parada de dois anos (1944 e 1945), quando foi obrigado a se alistar e servir ao exército americano durante a Segunda Guerra Mundial e assim não poder jogar por duas temporadas. Quando voltou ganhou quatro dos nove títulos, sendo três de forma consecutiva.

Joe DiMaggio entrou para o Hall da Fama do Beisebol em 1955, sua carreira foi perfeita e quem sabe poderia ter sido ainda melhor, não só pelos dois anos que ficou no exército, mas também porque quando parou em 1951 o fez alegando que não se divertia mais ao jogar, talvez a idade de 37 anos tenha feito a diferença. Na lista dos maiores rebatedores de home runs, DiMaggio aparece apenas na posição 71 com 361 homers rebatidos na carreira, ficando bem longe dos 714 de Babe Ruth. Alguns dizem que o problema dele foi o antigo estádio do Yankees, provido de distâncias muito grandes para suas caraceterísticas de jogo, tanto que ele possui mais home runs atuando fora de casa, sendo 213 contra 148 em seu lar.

O "Yankke Clipper", apelido pelo qual era conhecido Joe DiMaggio, tem às vezes sua monumental carreira esportiva prejudicada pela imagem que passava na sua vida pessoal. Foi casado com a atriz Drothy ArnoldIn, com quem teve um filho, e mais tarde se divorciou e se casou com a idolatrada musa Marilyn Monroe. O casamento, no entanto, não durou nem um ano, o já ex-jogador de beisebol era ciumento, não gostava de ver a atriz sendo tão badalada e desejada peló público, mas a amava, e antes de vê-la morrer em 1962 cogitava se casar novamente. Depois disso nunca mais se casou, exceto talvez com seus cigarros, que lhe trouxeram câncer de pulmão operado em 1998 e a morte em 8 de março de 1999, sozinho, em sua própria residência. Sem claro ver o mundo esquecer de seus feitos no esporte, suas 2214 rebatidas ou suas 1537 corridas impulsionadas, todas conseguidas em seus rápidos e perfeitos treze anos de muitas glórias.

0 comentários: