A combinação Kevin e Wolves

10:46 Net Esportes 1 Comments

Pelo Love, todos poderiam pensar rapidamente em Vágner Love, mas a verdade é que as semelhanças ficam apenas no amor que cada um tem no sobrenome. Ele não é Vágner e nem Zé Eduardo, ele é Kevin e Kevin por incrível que possa parecer combina perfeitamente com Wolves, não em termos de letras ou rimas, e sim em termos de time de basquete da NBA, o Minnesota Timberwolves se tornou o berço dos Kevins no melhor basquete do planeta. Não há dúvidas que sentem uma enorme saudade do maior ídolo de sua história recente, Kevin Garnett, cujo número 21 de sua camisa pode ser o segundo aposentado em breve depois do número 2 de Malik Sealy. E quem sabe um dia não seja o dia da camisa número 42, ela pertence hoje a um outro Kevin.

O primeiro Kevin, o Garnett, é praticamente um Deus para o Timberwolves. O jogador que hoje atua no Boston Celtics simplesmente estraçalhou o recorde de pontos na história do time, conseguindo mais de 19 mil, sendo que o segundo colocado Sam Mitchell tem 'apenas' sete mil. Em número de rebotes ele conseguiu ir além, totalizou mais de dez mil enquanto Mitchell mal passou de três mil. Em número de assistências o líder em todos os tempos não poderias ser outro jogador se não Kevin Garnett, que conseguiu 4146 contra 1973 de Pooh Richardson. Como é possível imaginar que um outro Kevin, cheio de amor, possa chegar e simplesmente fazer tudo o que o velho Kevin fez? É difícil acreditar, mas pode estar realmente acontecendo.

Com um fundação recente, datada do ano de 1989, o Minnesota Timberwolves não faz a menor idéia do que é ser campeão da NBA. O máximo que a equipe conseguiu foi um título de divisão em 2004, ano em que conseguiu a campanha dos sonhos nos playoffs passando por Denver Nuggets e Sacramento Kings, perdendo apenas para o Los Angeles Lakers na final da Conferência. Isso tudo só foi possível porque desde 1995 quem atuava por lá era exatamente ele, Kevin Garnett. Agora, desde 2008, o Wolves renovou suas esperanças novamente após trocar seu draft com o Memphis Grizzlies, mandando O. J. Mayo e recebendo um novo Kevin em seu elenco, o Kevin Love, um jogador que não chega ser um Derrick Rose, mas que está fazendo história na NBA.

No primeiro ano do novo Kevin, o Wolves teve uma campanha de 24-58 e pelo menos conseguiu ser melhor que o Oklahoma City Thunder. No ano passado foram apenas 15 vitórias, e nesse ano até agora a equipe só venceu 16 vezes. O time com Kevin Love não está fazendo o que fazia com Kevin Garnett, mas Love sozinho está fazendo o que Garnett fez sozinho. Em menos de três anos ele já tem mais de três mil pontos, além de já ser o terceiro em número de rebotes com 2324. Kevin Love tem apenas 22 anos de idade e quem sabe em um futuro próximo ele possa levar a equipe novamente aos playoffs, para continuar fazendo história, pois mesmo que a campanha seja péssima ele já faz a história acontecer, como na noite de ontem quando a equipe conseguiu vencer o Indiana Pacers por 101 a 75.

Não tem chances de título, ainda não fez o que seu xará fez, mas seu nome está ao lado de outros monstros como Kareem Abdul-Jabbar, Wilt Chamberlain, Elvin Hayes, Jerry Lucas e Bill Russell, além de Moses Malone, que até a ontem era o recordista de 'double-double' consecutivos com 51. Mas um novo Kevin chegou no Wolves para fazer história, Kevin Love marcou 16 pontos e pegou 21 rebotes para se tornar o novo recordista em 'double-double' consecutivos com a nova marca de 52 que pode ainda aumentar. Infelizmente esses números podem não significar muito para a equipe que amarga a última colocação no Oeste com 50 derrotas, porém quando todos lembram que o último herói também se chamava Kevin as coisas mudam de figura, quem sabe aquele que faz história não pode repetir a história ou ainda torná-la ainda mais inacredítável com a conquista de um título inédito daqui a alguns anos, para isso talvez Kevin Durant já esteja até na lista das futuras contratações.

1 comentários:

Jean Francisco disse...

Um passeio histórico esse, hein? Deixar seu nome marcado no cenário tão importante e recheado de bons jogadores como na NBA, não é pra qualquer um. Mesmo em times menores, sempre surgem promessas e revelações. Isso é que anima e abrilhanta o esporte.
Abs parceiro.
Jean Francisco
esportday.blogspot.com