A velha questão tecnológica

08:04 Net Esportes 1 Comments

Engraçado como é mais interessante ver um jogo do Campeonato Inglês ao invés de qualquer jogo de futebol, tudo porque existe uma plasticidade maior nas imagens, os estádios são bonitos, os gramados são perfeitos, parece uma partida de Champions League, parece até um jogo de Copa do Mundo. Isso acontece muito com a NBA, por exemplo, vai além do basquete, parece um outro esporte. O que não existe, no entanto, de diferente na Premier League com relação ao resto do mundo são as regras é claro, elas valem tanto para um jogo em Londres como uma partida de várzea no interior do Piauí, e essas regras foram feitas para serem cumpridas. Só que às vezes tudo acontece tão rápido que os árbitros não conseguem ver, se pudessem ter uma ajuda seria melhor, uma ajuda tecnológica talvez, e isso poderia ser bom e ruim ao mesmo tempo.

Na NBA eles revisam uma jogada polêmica se partida estiver em seus minutos finais. No beisebol da MLB não existe revisão, um jogo perfeito pode ir por água abaixo devido à uma decisão equivocada do juiz como aconteceu no ano passado. Já na NFL os técnicos tem direito à pedir revisão da jogada por vídeo várias vezes durante o jogo, algo que acontece também em uma partida de tênis, onde um sistema diz precisamente se a bolinha foi dentro ou fora da quadra. A tecnologia é muito útil para o esporte, ajuda não só para que as regras sejam cumpridas, mas também faz o atleta evoluir, os equipamentos evoluírem, tudo ficar mais profissional, mais bem feito, talvez mais artificial, tirando um pouco algumas emoções, e ao mesmo tempo evitando algumas polêmicas. Sendo bom ou ruim, o futebol ainda não conseguiu sair de cima do muro nessa questão nada fácil de se resolver.

Já pensaram em chip na bola, já colocaram juizes na linha de fundo, já colocaram quarto árbitro tentando ver o jogo na TV e mandando recado ao juiz principal, já fizeram de tudo, menos parar o jogo para rever uma jogada polêmica. Sim, o futebol ia perder um pouco sua essência se ficasse sendo interrompido a todo momento, mesmo que os técnicos tenham um número mínimo para pedir revisões de jogadas, mesmo que isso só ocorra se a bola entrar no gol, ou parecer que entrou, só que em alguns casos isso é preciso, em alguns jogos isso acontece duas vezes em 90 minutos, logo no tão bonito e plástico futebol inglês. A Inglaterra parece adorar bola na linha do gol, na Copa do Mundo ela bateu no travessou, entrou e não valeu. Desta vez ela só rolou pelo gramado, quem jogava era o Chelsea, entrou ou não entrou?

Seria bem simples o técnico do Tottenham pedir a revisão da jogada e evitar que o goleiro brasileiro Gomes passasse mais um vexame na carreira em apenas duas semanas. Não funciona assim porque não tem ajuda tecnológica no futebol, o pior de tudo é ver o que acontece no final da partida, onde o Chelsea faz mais um gol irregular, onde desta vez Kalou garantiu o triunfo com um gol em posição de impedimento, tudo sempre muito rápido, muito difícil para o bandeirinha ou qualquer juiz em qualquer lugar do campo, mas simples para a televisão, que passa o replay em instantes e mostra para o mundo todo o que realmente aconteceu. Os jogadores do Chelsea explodiram em alegria, mantiveram suas chances de quem sabe alcançar o Manchester United na briga pelo título, nesse caso a falta de tecnologia até foi boa para a vida no futebol.

Se houvesse tecnologia e os dois gols do Chelsea fossem anulados durante o jogo, a revolta dos torcedores azuis poderia ser maior do que a revolta dos rivais que ficaram tendo certeza de tudo mais tarde, pelo menos no caso de quem esteve lotando as arquibancadas do estádio. Esse talvez seja outro ponto para se pensar, a explosão de alegria dos jogadores em campo é igual à dos torcedores vendo a partida ao vivo, saber pouco tempo depois que o gol foi anulado seria um golpe muito duro e triste, a tecnologia nesse caso poderia começar a afastar o torcedor do local onde o espetáculo é realizado. Como sempre haverá vários aspectos para se pensar, a regra de impedimento onde um atacante longe da bola não está impedido e um zagueiro longe da bola ou caído da condição de jogo também precisa ser revista, o futebol como um todo talvez precise ser revisto, precisa sair um pouco de cima do muro, ou então a velha questão da tecnologia sempre estará em discussão. (Foto: Glyn Kirk/AFP/Getty Images)

1 comentários:

Tecnologia em prol do futebol?

Bom pelo menos muitos clubes não seriam prejudicados, aqueles então que perdem uma decisão de titulo por um lance irregular iriam adorar...

Mas seria mais ainda legal se profissionalizar os arbitros, eles conseguirem apenas se dedicarem ao apito, treinar, estudar, etc... O arbitro na linha de fundo já ajuda e bem e deveria ser aprovado pela FIFA.

Mas voltando o assunto da tecnologia, penso que perderia um pouco do ar da graça do futebol...

Temos que dar o apoio aos juizes, deles somente se dedicarem ao futebol e melhorar suas qualificações.