Lendas das Olimpíadas - Saint Louis 1904

14:46 Net Esportes 0 Comments

lendas das olimpiadasTheodore Roosevelt insistiu quanto à presença do barão Pierre de Coubertin em Saint Louis, mas muito provavelmente ele já estava satisfeito em ter conseguido levar os Jogos Olímpicos para os Estados Unidos no começo do século passado. A competição ainda não era o evento prestigiado que é nos dias atuais, porém muito provavelmente alguma pessoa em seu mais profundo âmago já sabia que estaria escrevendo a história esportiva deste planeta naquela época. Aconteceu tal como havia ocorrido em Paris 1900, competição longa com cinco meses de duração, a tal feira mundial sendo usada como base principal dos acontecimentos e o esporte deixado de lado como segunda opção. Tudo acontecia sem grandes instalações ou organização decente, mesmo assim estava cheio de heróis e verdadeiras lendas das Olimpíadas.

Nos Estados Unidos praticamente só deu Estados Unidos ganhando medalhas, naquela que foi a primeira vez que os vencedores ganhavam ouro, os segundos colocados prata e os terceiros o bronze. Archie Hahn, apelidado como o "Meteoro de Milwaukee", foi o grande nome do atletismo, vencendo as provas dos 60, 100 e 200m rasos. Os americanos compunham mais de três quartos dos 651 atletas que foram até a cidade conhecida como a porta do Oeste nos Estados Unidos. Viajar de navio não era fácil e nem barato, por isso tantos estrangeiros não puderem competir. Mesmo assim a Alemanha e Canadá faturaram quatro ouros, Hungria levou outros dois e até Cuba conseguiu brilhar nessa edição olímpica, com quatro medalhas de ouro, duas de prata e três de bronze. Só que por mais que os atletas da pequena ilha tenham entrado para a história, o mais lendário dos cubanos em Saint Louis 1904 saiu de lá sem qualquer medalha.

Ele viu em um jornal a notícia sobre a competição esportiva que aconteceria na cidade americana. Felix Carvajal era um carteiro em Cuba sem qualquer recurso financeiro ou qualquer comitê olímpico que fosse para patrociná-lo. Obstinado em correr a maratona olímpica, ele então resolveu encenar espetáculos em Havana para conseguir arrecadar algum dinheiro e poder viajar. Certo dia Felix Carvajal foi até o centro de sua cidade e começou a correr em círculos na praça, atraiu uma multidão e assim conseguiu mais doações das pessoas para realizar seu sonho. O cubano que tinha um grande bigode e chamava a atenção naturalmente, viajou em um navio vagabundo para New Orleans, mas logo perdeu a maior parte de seu pouco dinheiro participando de jogos de azar e outras apostas tolas que só lhe trouxeram infortúnios.

Com o espírito olímpico aflorado, Felix Carvajal não desistiu jamais e seguiu andando mesmo, às vezes correndo e em algumas oportunidades pegando carona, até finalmente chegar ao Rio Mississipi. Era dia 30 de agosto de 1904, a temperatura estava em 32ºC e havia grande falta água potável. No total 32 competidores estavam prontos para largar, mas apenas um deles chamava a atenção de quem acompanhava ou participava da disputa. Felix Carvajal e seu grande bigode usava um sapato de rua grande e pesado, além de calças compridas, camisa de manga comprida e até um boina em sua cabeça. Os organizadores queriam impedir sua participação, mas outros atletas o ajudaram cortando suas roupas e as deixando mais adequadas à de um atleta que pretende correr uma maratona. Esqueceram apenas de perguntar se Felix já havia feito sua refeição, e a resposta era não.

O estômago vazio, no entanto, não impediu Felix Carvajal de liderar a prova. Ele corria bem, estava determinado, mas quando viu pêssegos na mão de um dos funcionários não hesitou em roubá-los e "sair correndo". Felix Carvajal ainda parou diversas vezes durante o percurso para conversar com espectadores, ele queria treinar e melhorar os seu inglês. Mesmo assim algo pior ainda estava por vir, Carvajal avistou um pomar com diversas macieiras, se sentiu obrigado a parar para comer novamente, e isso lhe rendeu a perda da medalha de ouro, ou uma das outras duas medalhas. As maçãs lhe causaram fortes dores de estômago que eram dilacerantes, lhe fazendo perder um precioso tempo por conta de seu impiedoso desconforto gástrico. Ainda assim continuou correndo, era o seu destino correr, acabando por concluir a prova na quarta colocação com um tempo acima das quatro horas de duração.

O vencedor do dia foi Thomas Hicks, que passou mal em vários momentos. Hicks comia ovos crus, tomava goles de conhaque e ainda levava injeções de estricnina, uma substância que naquela época não era proibida e assim ele se tornou o primeiro campeão oficialmente dopado das Olimpíadas. Sua vitória só veio com a desclassificação do seu compatriota Frederick Lorz, atleta que sofreu câibra e se viu obrigado e desistir e entrar dentro de um carro. Não contente, Lorz se livrou das dores e voltou a correr e concluir a maratona, sendo ovacionado como herói na chegada, antes que todos soubessem que sua glória não era autêntica. Assim Hicks, bem como Albert Corey e Arthur Newton entraram para história, mas nos Jogos de Saint Louis 1904 quem virou lenda foi o quarto colocado.

Felix Carvajal voltou para Cuba e foi recebido como um grande herói. O corredor levou consigo uma placa de prata com a inscrição: "A Felix, o IV, o mais glorioso vencido da história dos Jogos". Hoje em dia seria como ganhar a medalha Pierre de Coubertin, mas naquela época Coubertin recusou o convite de Roosevelt e nem compareceu aos Jogos, ou à Feira Mundial que tinha cinco prédios, 500 barracas e gente do mundo inteiro. Após ter cumprido sua meta, Felix Carvajal voltou para seu país e para o seu serviço no correio, até morrer em 1949 aos 74 anos de idade e ainda sem muito dinheiro. Ele jamais voltou a competir em um evento internacional, Saint Louis 1904 já era o suficiente para torná-lo uma das maiores lendas das Olimpíadas em todos os tempos. (Foto: Arquivo)

0 comentários: