O verdadeiro e autêntico "calem a boca"

15:47 Net Esportes 2 Comments

O dedo indicador levado junto aos lábios, no famoso gesto que indica um pedido de silêncio muito conhecido como "Shhhhhhh!". Foi antes da largada para a prova dos 100 metros rasos nas Olimpíadas de Londres 2012, e servia justamente para pedir que os milhares de fãs que lotavam o Estádio Olímpico ficassem quietos por alguns instantes. Mas Usain Bolt não se conteve e fez novamente, porém na linha de chegada quando venceu a disputa dos 200 metros rasos. Desta vez debaixo de aplausos e gritos emocionados de euforia, desta vez para literalmente mandar todos que o criticavam "calarem a boca" de uma vez por todas. E com razão. Ele provou que não estava acabado e que é o melhor velocista de todos os tempos.

Motivos para que ele fosse criticado e ficasse desacreditado não faltaram. Usain Bolt nunca escondeu seu gosto pela noite, pelas baladas jamaicanas. Ele esteve envolvido também em acidentes de carro e nas pistas estragou tudo ao queimar a largada nos 100 metros rasos do Mundial de 2011. Além disso seu país segue revelando novos nomes, Yohan Blake surge para ofuscar o raio e o derrota em seletivas locais. Parece até pouco, mas para muitos às vezes o mínimo é o bastante para que as dúvidas possam ser colocadas à prova. E Bolt sabia muito bem disso. Bolt talvez gostasse disso para realmente ter um motivo para mandar todos se calarem. No fundo, Usain Bolt sabia que poderia ser tão bom em Londres quanto foi em Pequim, e fazer o que nem Jesse Owens e nem mesmo Carl Lewis conseguiram.

Owens ele respeita muito, diz que gostaria até de praticar o salto em distância. O mesmo não sente por Lewis, que esteve envolvido em uma polêmica com doping e levantou suspeitas que os jamaicanos faziam o mesmo. Mas Bolt, independente do que pensa sobre cada um, superou os dois em um quesito, quando se tornou o primeiro bicampeão da história nos 100 e 200 metros rasos das Olimpíadas. Faltou pouco para um novo recorde olímpico, mas foi tão inédito quanto as três vitórias com recordes que havia conseguido em Pequim 2008. Para ele seus feitos não o transformam em uma lenda como Michael Jordan e Muhammad Ali, e nem é isso o que deseja. Ele só quer ser o melhor em seus esporte, no atletismo, nas provas de velocidade. Exatamente o que conseguiu.

Jessica Ennis foi incrível, ela é a queridinha da Grã-Bretanha. David Rudisha foi fenomenal, ninguém jamais correu os 800 metros tão rápido e isso o faz ser um herói no Quênia. Michael Phelps, o time feminino de futebol, Missy Franklin e Jordan Wieber ganham muito destaque nos Estados Unidos. Mas todos esses e o resto do mundo além de falarem sobre os atletas de seu país que fazem história nas Olimpíadas, falam também de Usain Bolt. E não é só porque ele consegue feitos grandiosos nos Jogos, mas porque ele além de tudo chama a atenção do mundo para si de uma forma irreverente e muito carismática. Bolt fala com a fiscal de pista para saber se ela está nervosa antes da largada, brinca com os adversários e pega até uma máquina fotográfica durante sua comemoração. Tudo isso faz muita diferença.

Tudo isso aos 25 anos de idade. O que um cara que parece correr sem fazer tanto esforço, pelo menos comparado à força desesperada que parece fazer o segundo colocado Blake tentando alcançá-lo, poderá fazer daqui a quatro anos no Rio de Janeiro? Isso se ele não fizer muito mais até lá, ou se ele deixar de fazer, voltar a ser alguém que demonstra estar acabado e com uma história já finalizada, uma história que nem em Londres acabou e que pode lhe render sem dúvidas o seu sexto ouro da carreira. Se isso acontecer todas as críticas estarão de volta, todas as dúvidas sobre sua real capacidade, tudo que muitos atletas sofrem normalmente quando não conseguem atingir seus objetivos ou repetir seus feitos. Mas se conseguirem estarão prontos para fazerem apenas uma coisa: Mandarem o verdadeiro e autêntico "calem a boca" como fez o incrível Usain Bolt. (Foto: Getty Images)

2 comentários:

Luiz Paulo Knop disse...

O mais impressionante não é ver o Bolt batendo todos os recordes, o impressionante é ver que alguém ainda duvida do potencial do cara...

É uma lenda!

Luiz Paulo Knop
www.resenhaesportiva.com

Marcelonso disse...

Nós presenciamos a história sendo escrita. Daqui a alguns pares de anos poderemos dizer que vimos esse cara nas pistas e que realmente era fabuloso.


abs