Um tem a ajuda de todos e o outro de um só

09:35 Net Esportes 5 Comments

Uma história velha e não muito agradável de ser recordada, mas ela aconteceu em uma passado recente e causou uma polêmica extrema e exagerada. Rubens Barrichello freia próximo à linha de chegada e deixa Michael Schumacher vencer. O problema não era o jogo de equipe necessário e normal que pode ser feito sem problema algum, e sim o fato de estar sendo feito muito antes do final do campeonato, em uma equipe que dominava a Fórmula 1 com os pés nas costas e as mãos amarradas, com um piloto brasiliero que nitidamente era prejudicado por sua própria equipe e quase nunca vencia uma corrida. E a Ferrari o fez sem culpa e segue fazendo até hoje, onde Felipe Massa troca de lugar com Kimi Räikkönen e deixa Fernando Alonso passar. Porque eles precisam da ajuda de todos enquanto o outro recebe a ajuda de um só.

A Ferrari precisa de tanta ajuda, que isso inclui até mesmo uma ajuda da natureza. A chuva que vem fraca no começo e que no final desaba do céu com vontade deixando completamente molhada a pista do Autódromo José Carlos Pace. São Paulo é a terra da garoa e Interlagos em dia de Fórmula 1 não poderia mesmo ser diferente. No Brasil, com um brasileiro de sobrenome campeão sendo mais um personagem que ajuda a Ferrari e que ajuda Fernando Alonso. Logo na largada, batendo em Sebastian Vettel, o jogando para último e o fazendo reviver novamente o drama de Abu Dhabi. Alguns dizem que o espanhol tem uma grande sorte, em especial nesse ano de 2012 principalmente pela vitória no GP da Malásia, mas ele é competente também, passa dois de uma vez, sem é claro dispensar mais ajuda que não para de receber dali para frente.

O próprio Alonso reclama no rádio que a pista está muito suja e furando pneus. Ele não está errado, mas forçou mais uma ajuda. O Safety Car entra para acabar com o sonho de Nico Hülkenberg, mas não o sonho dos alemães. Para quase acabar com a corrida de Jenson Button e ainda fazer Vettel ser superado pelo japonês maluco. São apenas fatores e circunstências em uma corrida agitada, tensa, angustiante e emocionante. São detalhes que ajudam um e prejudicam o outro, porque um precisa da ajuda de todos enquanto o outro precisa de ajuda de um só. Alonso e sua Ferrari ainda vão precisar ver Hülkenberg tirar Lewis Hamilton do caminho de Button e ver esse alemão ser punido de forma abusrdamente ridícula. Só para sair da frente de Alonso. Sem falar na passagem cedida pelo companheiro de equipe e dos erros que a equipe de Vettel cometeu nas paradas nos boxes.

Não se discute que Fernando Alonso seja um dos melhores pilotos da atualidade. Mas o espanhol chega em segundo lugar depois que passa por Massa, depois que Hülkenberg é punido, depois que Hamilton sai da corrida, depois que o Safaty Car da uma força e depois da chuva causar um reboliço total. Enquanto que Vettel chega em sexto depois de chegar a cair para o último lugar na corrida, depois de ter que fazer quatro paradas nos boxes para troca de penus, depois de colocar os penus errados quando chovia e mais tarde ver a equipe demorar demais para trazer os penus certos para a chuva que viria ainda mais forte. Sem falar que seu companheiro de equipe chegou em uma posição melhor e ele nem precisou dessa pontuação a mais como Alonso precisou dos pontos de Massa para seguir com espranças.

Sebastian Vettel só precisou passar facilmente por Michael Schumacher para ser o mais jovem tricampeão da Fórmula 1. O seu compatriota que está se aposentando e que sem necessidade era ajudado pela Ferrari que precisa de tanta ajuda. O primeiro a abraçar aquele que o igulou e que igualou Juan Manuel Fangio. Os três únicos pilotos que venceram na categoria máxima do automobilismo três anos seguidos. No ano que a Fórmula 1 começou equilibrada, que tinha tudo para ver a McLaren dominar, que viu a Ferrari fazer milagres e que acabou como nos dois últimos anos, com a Red Bull vencendo porque a Red Bull tem além de um grande piloto, um grande gênio, chamado Adrian Newey. A tecnologia faz parte desse esporte e não merece ser questionada, porque se Alonso tivesse sido campeão ninguém iria ficar questionando as mil e uma ajudas que ele recebeu nessa corrida fantástica que foi o GP Brasil de 2012.

5 comentários:

Marcelonso disse...


A Ferrari usa de todos os meios para alcançar seus objetivos faz tempo.

O campeonato terminou em boas mãos, um campeão legitimo que venceu na pista com méritos. Vettel fez por merecer.


abs

Net Esportes disse...

@Marcelonso: E eu acho que isso é o que foi ainda mais interessante. A Ferrari fez sua manobra, até normal por ser a última corrida do ano, totalmente aceitável e tal ... mas ainda teve muitas outras "ajudas" como a chuva, punição do Hulk, Hamilton fora, Safety Car .... e nem assim adiantou !!!!

Ron Groo disse...

Sem contar a maior força de todas que ele teve:Mark Webber.

O australiano espremeu o alemão na largada, andou atrás forçando o ritmo o quanto pode, tentou espremer de novo após os pits e ainda abriu passagem para massa e alonso ao mesmo tempo.

Net Esportes disse...

@Ron Groo: Pode crer Groo, acho que o australiano sentiu os três anos seguidos sendo segundo na equipe. Síndrome de 1B como diria você mesmo !!!!! kkk

O espanhol foi valente, a sorte quase lhe sorriu, a chuva garantiu a emoção até o fim....mas o título ficou nas mãos do piloto mais competente, na minha visão.

Felipão = Dunga + Mano. Entenda no blog: http://www.futebronca.com.br/2012/11/b734-oportunidade-perdida.html

Saudações!!!