Mais uma queda diante de mais um gigante

11:47 Net Esportes 1 Comments

Não mais desde o já longínquo ano de 2009. Quando um gigante se impõe diante desde que outrora já fora um colossal, a queda é tão inevitável quanto a certeza de que não haverá acordos entre israelenses e palestinos. Desta vez o gigante parecia ser o próprio Galileu Galilei, com seu telescópio que descobria luas de Júpiter eles encontraram o caminho para evitar um revés que parecia tão certo como a teoria heliocêntrica. A Itália é grande, é a segunda Seleção que mais vezes foi campeã da Copa do Mundo de Futebol. Eles são gigantes como o gigante da ciência que morreu há 371 anos atrás. E contra gigantes do futebol o Brasil não consegue mais triunfar desde o já longínquo ano de 2009.

A diferença foi que desta vez as coisas pareciam finalmente terem mudado para melhor. Sem medo de serem caçados pela inquisição e acusados de heresia. Afinal o Papa Urbano VIII não está mais entre nós. E mesmo que Francisco I seja argentino, ele não irá condenar o Brasil, mesmo porque de 2009 para cá a Argentina tem levado a melhor diante do brasileiros também, excluindo claro aquela bizarra disputa que acontece em estádios sem energia elétrica. Julio César faz grandes defesas e justifica o fato do Júlio César italiano ter transformado Roma em um Império. Enquanto isso Fred, que não é o Flintstone e Oscar, que não é uma estatueta, balançam as redes, e mostram quem era o gigante até então.

Uma pena é que os Gigantes são figuras comuns apenas em folclores e lendas. O Brasil já foi um gigante do futebol. Isso parece história para dormir aos ouvidos de quem viveu apenas de 2009 para cá. Como é possível um gigante estar em 18º lugar no ranking da FIFA? Gigante mesmo é Galileu Galilei. Gigante é a Itália - "Siam pronti alla morte", eles estão prontos para morrer até no hino nacional; E se tiverem que matar não perdoam também. Eles não tem dó nem mesmo de quem tem o mesmo nome que um dos maiores de suas história. Eles mostram sua força duas vezes, primeiro com De Rossi, e quase em seguida com Balotelli, que mandou um foguete incrível para acabar com as esperanças brasileiras em acabar com seu doloroso jejum. Mas foi só, assim pelo menos o tabu foi mantido.

A Itália não derrota o Brasil há muitos anos. A última vez foi em grande estilo, na Copa do Mundo de 1982, mas de lá para cá nunca mais. Foram seis confrontos, sendo dois empates. E das quatro vitórias duas foram ironicamente no ano de 2009, quando (assim como agora em 2013) aconteceu a Copa das Confederações. Um amistoso antes e um confronto na competição, que resultaram em duas vitórias. Eram bons tempos, bem diferentes do século XVII, onde não adiantava ser amigo de um Papa que sedia com a pressão da Igreja. O Brasil vencia a Copa das Confederações e chegava forte na Copa do Mundo, vencia também a Copa América e era o melhor nas eliminatórias, porém não triunfou na África do Sul. Quem sabe não seja melhor desta forma, sem favoritismo e sem holofotes. Sem ser mais um gigante e apenas caindo diante deles, quem sabe assim eles se agigantam na hora certa.

1 comentários:

Fabio Fernandes disse...

Olá,
Brasil esqueceu que estava jogando com a Itália, e não o Iraque. Acreditar que passaram quatro anos, e ainda não temos uma seleção. Abraço! www.assuntodofutebol.com.br