E não será mais necessário chamar o Batman

20:33 Net Esportes 3 Comments

Seja em Bowery ou mesmo em Glendale, sempre existe um crime acontecendo. Mas desta vez não é o Coringa e nem mesmo o Pingüim aprontando novamente, afinal nem estamos na obscura e sombria Gotham City. Aqui é a Inglaterra, estamos em um dos templos sagrados de Londres. Os vilões são outros, mas eles também trazem tristezas e desgostos. Desde o cara do apito que marca um pênalti claro e até um dos grandes nomes do esporte no mês passado, que usa as travas da chuteira para pisar e humilhar o seu grandioso adversário. O vilão pode também estar entre os seus próprios aliados, alemães ao lado de franceses, aqui não é a Primeira Guerra Mundial. Além de croatas e um holandês que sempre sonhou em ser o grande herói. Ele queria atender um chamado em preto a amarelo com um morcego desenhado, mas as cores que ele defende são o vermelho e o branco. Ele está sempre na sombra daquele que em alguma momento de sua vida já foi ele, assim como alguns outros desde sua primeira aparição em 1940 na Detective Comics. Perdendo gols feitos em decisão de Copa do Mundo. Errando penalidades máximas em final de Champions League. Desta vez não poderia ser assim novamente, desta vez não poderia ser mais necessário chamar o Batman.

O grande gol com as redes brancas está lá à sua frente. Ele está sozinho e não precisa esconder seu rosto com uma máscara preta, e nem mesmo sua grande e vasta careca. A grande chance de fazer o que não conseguiu fazer em outras decisões, o grande momento de não viver mais à sombra de outros heróis. O chute é forte e tem direção, mas na trajetória está o maior herói dos outros alemães. Uma defesa fantástica e fenomenal como algumas outras que ainda fizera no primeiro tempo de uma batalha que parecia até aquele que fora encenada na abertura. Parecia até a Alemanha Ocidental contra a Alemanha Oriental. O Muro de Berlim foi reerguido na capital inglesa. Um muro gigantesco chamado Manuel Neuer cresceu em Wembley e por algum momento fazia o vermelho ficar amarelo outra vez. Ele poderia acabar com o Charada, com o Máscara Negra e quem sabe até não cair na sedução de Selina Kyle ou Hera Venenosa, mas na decisão ele sempre sucumbe. No grande momento de ser o herói ele acaba criando a necessidade de chamar o Batman. Essa história não poderia mais ser assim.

Os alemães estão ao seu lado, mas esses germânicos estão do outro lado também. Todo mundo conhece todo mundo e todos estarão juntos para quem sabe serem campeões da Copa do Mundo do ano que vem. Eles parecem tão próximos que até sua mais jovem revelação saiu de um para ir para outro. A sorte é que Mario Götze ficou apenas vendo tudo da arquibancada. Assim só resta recorrer às outras línguas. Quem sabe se a Holanda falar com Croácia, quem sabe se o muro Neuer desabar e Mario Mandzukic abrir o placar. Finalmente ele conseguiu fazer mais do que já conseguiu fazer em outros anos. Ele conseguiu cruzar a bola para dentro da pequena área, conseguiu passar pelo goleiro, conseguiu fazer uma jogada decisiva que originou um gol em uma decisão. Os tempos do Batman ficaram para trás. Ele poderá tentar conquistar a Batgirl e a vida será outra daqui para frente. Seria assim se Gündogan não fizesse tudo voltar a ser como sempre foi. Desespero pelas ruas de Gotham City. O medo volta a tomar conta dos alemães vermelhos e dar esperanças ao amarelos e pretos. O Batman estava quase chegando, mas desta vez não será necessário chamar o Batman.

Vem França, vem Franck Ribéry. Da Holanda para a Croácia e agora dos franceses para os holandeses. Sem espanhóis, italianos ou ingleses pelo seu caminho. Sem perder gols feitos na cara das redes ou pênaltis tão fáceis como tirar doce da boca de um bebê. Bastou um toque para um lado livrando o zagueiro e um chute fraco para tirar do goleiro. Pareceu até ser um chute errado, mas ele teve destino certo. Ele estava destinado a ser o grande herói desta vez como foi um grande herói diante do Brasil na Copa do Mundo de 2010. Ele não podia mais amarelar na hora H porque sua cor é o vermelho e não o amarelo do rival Borussia Dortmund. A sua equipe é o Bayern de Munique e eles estavam ali na decisão do ano passado e na decisão de 2010, ele estava lá na final da Copa do Mundo de 2010 e perdeu o título. Um dia sua fama de sucumbir nos momentos decisivos iria ganhar mais força e mais fama, mesmo que ele consiga levantar outras taças. Um dia ninguém iria mais depositar as esperanças em suas costas, e um dia iria mesmo ser necessário chamar o Batman. E se fosse o Robin esse dia iria chegar sem dúvida alguma. Mas para a sorte dessa equipe de Munique não era o ajudante do Batman. Era um holandês, um jogador que conseguiu esquecer o passado e finalmente ser o grande herói da noite. No dia em que finalmente brilhou a estrela de Arjen Robben.

3 comentários:

Marcelonso disse...

Os alemães trabalharam muito para chegar onde estão. Não por acaso, a média de publico no Campeonato Alemão supera 80.000 pessoas.

Hoje eles tem o melhor futebol do mundo.


abs

E aê beleza?!

O Robben foi muito acionado durante jogo e teve papel decisivo nesta final, com domínio dos alemães que hoje estão no topo do futebol mundial, graças ao longo trabalho, como disse Marcelonso.

Abraços.

Atualize o link do FC Gols: http://fcgols.weebly.com/

Grandes Estádios do Mundo - Wembley Stadium:
http://fcgols.weebly.com/3/post/2013/05/grandes-estadios-do-mundo-wembley-stadium.html

Net Esportes disse...

@Patryck Leal: Atualizado. abs!