Obrigado por não baterem nas voltas finais

15:30 Net Esportes 2 Comments

Inegavelmente as 500 milhas de Indianápolis é e sempre será uma das maiores corridas de carros do planeta. Seja porque é um grande evento esportivo ou porque tem uma história grandiosa. Todo aquele cerimonial antes dos motores serem ligados e em seguida a emoção em altíssima velocidade, como diz o Téo José. É fantástico, mas é cansativo de se ver. São 200 intermináveis voltas, geralmente com vários acidentes e bandeiras amarelas que interrompem a "altíssima velocidade". Então a coisa só começa a ficar legal mesmo lá para a volta de número 150. Aí sim o bicho pega, aí a coisa fica feia, aí só resistem os mais fortes e aí você só escuta Dan Wheldon e Scott Dixon. Qual dos dois irá vencer ou quem vai passá-los na última volta. Esse é aquele famoso momento em que tudo que você não quer que aconteça é um acidente e o fim da prova em bandeira amarela.

E isso quase aconteceu. A sorte é que foi um pouco antes. Carros de segurança na pista, resgate, o pessoal da limpeza - "Saiam logo daí antes que as voltas finais cheguem". E eles saíram, foram embora, liberaram tudo para recomeçar em altíssima velocidade. Vai Téo José, esquece um pouco o Helio Castroneves e foca em quem está brigando pela vitória. É sempre Dan Wheldon e Scott Dixon, mas desta vez algo mudou. O mais legal é ver a definição na última volta. Dario Franchitti surgindo do nada. Ryan Hunter-Reay. Qualquer um. Mas quando você escolhe alguém para torcer ele pode assumir a ponta nas últimas três voltas e não perder mais, fica emocionante do mesmo jeito.

Juan Pablo Montoya. Ele está com 39 anos de idade. É o grande ídolo dos gordinhos! Direto de Bogotá para o mundo. Seu nome já estava gravado na história do automobilismo mundial. Afinal o colombiano ganhou as 500 milhas de Indianápolis e quando migrou para a Fórmula 1 faturou o Grande Prêmio de Mônaco. Isso significa levar para a casa duas das maiores corridas de automóveis de todo o planeta, 75% da Tríplice Coroa do automobilismo que é composto também pelas 24 horas de Le Mans. Até hoje só Graham Hill conseguiu o feito. Mas vencendo em Indianápolis novamente depois de 15 anos mostram que acabado ele não está e, quem sabe possa um dia reescrever a história na França enquanto o planeta girar mais uma vez dos mesmo jeito que os carros giram no Indianapolis Motor Speedway.

2 comentários:

Marcelonso disse...

Montoya voltou com tudo, calando seus críticos de plantão.

Realmente essa corrida é única. As voltas finais são eletrizantes.



abs

Ron Groo disse...

Fiquei muito feliz pela vitória do gordito. Me senti representado.