Bom início e bom final

08:16 Net Esportes 5 Comments

No começo do ano um título de Grand Slam, e no final dele a conquista da Masters Cup, assim foi a temporada do tenista sérvio Novak Djokovic. Com um bom início e um bom final ele ficou muito próximo do posto de número dois do Mundo, apesar de ainda estar muito longe de ser o número um, fato que não tira em nada o brilho que teve nas quadras de Xangai, na China.

Depois de passar pelo surpreendente francês Gilles Simon na semifinal de virada, Djokovic acabou arrasando o russo Nikolay Davydenko na final com 6-1 e 7-5, com Rafael Nadal fora por contusão e Roger Federer eliminado na primeira fase, talvez o outro semifinalista, Andy Murray, fosse um adversário que desse mais trabalho pela garra que vinha jogando, mas ele foi derrotado para a sorte do sérvio.

Assim Novak Djokovic faturou 650 pontos no ranking e encostou literalmente no suiço número dois, ficando com apenas 10 pontos de diferença, o fato que não tornou isso uma realidade já nesse ano foi a derrota no terceiro jogo da primeira fase para Jo-Wilfried Tsonga, mas certamente a ausência de Nadal e o fraco desempenho de Federer também contribuíram muito para pudesse alcançar essa condição.

O título da Masters Cup fechou com chave de ouro a temporada de Djokovic, apesar de ter um melhor desempenho no primeiro semestre, onde venceu na Austrália, em Indian Wells, Roma, e liderou a Corrida dos Campeões, ele decaiu no saibro e depois só foi vice-campeão em Queen's, Cincinnati e Bangcoc, mas finalmente voltou a alcançar a glória diante dos oito melhores do Mundo, mesmo com Nadal fora, Federer mal e Roddick abandonando, mas muitos outros lutando e dando grande trabalho. (Foto: Mark Ralston/AFP)

- MASTERS CUP

5 comentários:

Daniel Leite disse...

Não é coincidência a característica notada na temporada do sérvio. Ele se dá bem com a quadra de cimento. Ou seja, consegue boa performance na Austrália, deixa a desejar na França e no Reino Unido e, por fim, vai bem nos EUA e na Masters Cup. Mas o fato é que, além de irreverente, ele é muito bom tenista. Vai brigar com Murray pelo "pódio" do esporte por algum tempo.

Até mais!

Arthur Virgílio disse...

Muito legal o título do Djokovic, principalmente pelo tenista que ele passa ser. Lembra a carisma de Gustavo Kuerten.

Agora é fato que sem Nadal e Ferderer, que foi eliminado, mas também sentiu contusões, sua conquistada é colocada em cheque.

Leandrus disse...

É, eu concordo com o Arthur...

Marcio Ferreira disse...

muito show seu blog, assuntos ótimos e textos melhores ainda!!!

depois da uma moral no meu blog!!

abraços

www.polemicasesportivas.blogspot.com

Marcel Jabbour disse...

Ele é o terceiro melhor. Ainda. Mas em carisma bate o Nadal. Não preciso nem falar do Federer, né?

Abraço

diletra.blogspot.com