Quinze anos depois ...

12:08 Net Esportes 4 Comments

O ano de 1994 ficou para trás, nele estão muitas lembranças boas como o tetra do Brasil na Copa do Mundo de futebol, e algumas muito tristes como o falecimento do ídolo eterno Ayrton Senna, mas além das recordações que ninguém jamais esquece, encontram-se também alguns registros de grande importância, como na natação, que neste mesmo ano havia registrado a última conquista de uma medalha pelo Brasil em um Mundial de Esportes Aquáticos, e o início de carreira de um grande talento.

Bem conhecido do público, Gustavo Borges levava a medalha de bronze nos 100m livres, e junto com Fernando Scherer, Teófilo Ferreira e André Teixeira garantia outra no revezamento 4x100m livres, ninguém poderia imaginar que esses dois grandes feitos conseguidos no Mundial de 1994 iriam demorar quinze anos para se repetir, e pensar que naquele mesmo ano, com muito menos holofotes e expectativas em cima, um jovem, chamado Luiz Lima, iniciava ali sua carreira com apenas 16 anos de idade.

Não foi difícil de perceber que acabar com o jejum de não ganhar medalhas em um Mundial de Esportes Aquáticos era uma das tarefas mais complicadas para os brasileiros, imaginar então que uma mulher, que jamais havia ganho uma medalha sequer, pudesse fazer isso então era impossível, mas quinze anos depois ela apareceu para acabar com essa sina de uma vez por todas, depois de garantir o primeiro pódio feminino do Brasil em um Pan-Americano, Poliana Okimoto fez história em Roma, na Itália.

Foi incrível a briga pelo ouro, Melissa Gorman ganhou por pouco da campeão olímpica Larissa Ilchenko, mas não menos emocionante foi a disputada do bronze, onde Poliana também superou a quarta colocada por centésimos de segundo, finalmente conseguindo levar o Brasil ao pódio quinze anos depois da última vez, época em que além das medalhas o país também viu o começo de Luiz Lima, que depois de quinze anos da primeira braçada diz adeus à seleção brasileira, terminando em um modesto 19º lugar, mas com a certeza que contribuiu muito para as provas de fundo da natação brasileira, que certamente não vai querer ficar novamente quinze anos sem vencer nada. (Foto: AP Photo)

4 comentários:

ericky disse...

Olá, sou acadêmico de Jornalismo em SC. Vi o link do seu blog em outro blog esportivo... Gostei do seu blog e da iniciativa dele. Também tenho um blog onde falo de futebol de uma forma geral, mas sempre buscando assuntos que possam surgir discussões e que sejam gostosos de se ler e fazer. Também público lá os textos da minha coluna no site http://contato.net, onde escrevo sobre F-1. Enfim, se você quiser fazer alguma parceria, trocar links, contatos ou algo do gênero. Email: erickybn@hotmail.com ou até mesmo pode se comunicar através do blog: http://jogafacil.zip.net. Abraços!

Ericky Batista Maier

Vinicius Grissi disse...

É muito bom ver o Brasil, 15 anos depois, voltando a ser forte na natação. Ótimos nomes estão aí para levantar de vez o esporte.

Alexandre Silva disse...

Como sempre o Brasil so conhece a menina agora né...q nem o Cielo. Só espero agora q ñ venham reclamar a medalha como deles. Aposto q a Poliana nuca teve um incentivo da federação daqui...
Mas parabéns pra ela! Ah, e só rpa reafirmar, a medalha é da Poliana, não do BraZil...
Abraço
http://falandoprasparedes.blogspot.com

Leandrus disse...

Lembro que ela conseguiu um bom resultado nas Olimpíadas, assim como foi um pouco criticada por não ter feito algo parecido com um jogo de equipe com outra brasileira para segurar o ritmo de participantes de outros países, o que poderia ter garantido medalha para pelo menos uma delas. Bom que desta vez conseguiu a medalha e ainda quebrou o jejum de 15 anos sem conquistá-la.

Ateh!