Rivais travam guerras e batalhas

08:45 Net Esportes 3 Comments

Green Bay Packers contra Chicago Bears, que recentemente se reencontraram nos playoffs da NFL. Ou ainda Boston Red Sox contra New York Yankees no beisebol, Canadá contra Estados Unidos no hóquei no gelo e porque não Barcelona contra Real Madrid no futebol. As rivalidades acirradas existem no esporte, e quando os rivais se encontram eles estão prontos para travarem uma grande batalha, estão literalmente prontos para uma verdadeira guerra. No basquete da NBA também não é muito difícil saber qual o duelo em que os oponentes chegam nesse nível de disputa tão acentuada, pois eles já se enfrentaram nas finais várias vezes, como a do último título, e se reencontraram neste domingo pela primeira vez nesta temporada. É sempre um jogo de vida ou morte.

Se dois times cultivam uma rivalidade tão grande a ponto de fazerem um simples jogo ser uma guerra tão grande é porque existe muita história no passado. Um dia um venceu, na outra oportunidade o outro chegou ao triunfo. Ninguém gosta de sair derrotado do campo de batalha, muito menos dois dos maiores times do basquete americano, Los Angeles Lakers e Boston Celtics. Duelos em temporada regular foram inúmeros, verdadeiras batalhas. Duelos na final do campeonato também não ficam por menos, quando vale o título aí o confronto se torna uma disputa tão grande quanto uma guerra mundial. Os jogadores que atuam hoje não são os mesmos que atuaram no passado, mas a torcida é tão fervorosa como sempre foi, o sentimento no fundo é sempre o mesmo, não se poder perder um jogo como esse.

A NBA movimenta milhões de dólares, os torcedores pagam um preço alto pelos ingressos, os patrocinadores investem muito dinheiro e a maioria dos jogadores tem salários excelentes, às vezes até exorbitantes como algumas das maiores estrelas. Fazer bem o seu papel em quadra, jogar para vencer independente de ser apenas mais um dos 82 jogos da temporada regular, se esforçar ao máximo já seria algo natural para o atleta que está envolvido no meio dessa movimentação financeira enorme. Só que da para ver que não se trata apenas disso, não é apenas dinheiro que faz um jogador como Kevin Garnett ter que sair de quadra com um corte na cabeça, com o sangue escorrendo no seu rosto. Se trata de mais uma grande rivalidade no esporte, se trata de Lakers contra Celtics, vencer é muito mais que uma obrigação.

O delírio que a torcida chega no final do segundo quarto, quando o Lakers tirou a vantagem do rival e passou à frente no placar é mais uma prova do quanto este jogo é importante. Sem falar que o Staples Center estava completamente lotado. Kobe Bryant, jogando em casa e com a responsabilidade ainda maior, marcou 41 pontos, passou dos 27 mil na carreira, mas não evitou o pior, foi obrigado a ver Paul Pierce ignorar os gritos da torcida e liderar o ataque do time verde, anotando 32 pontos. Shaquille O’Neal também ignorou as vaias e o fato de já ter ganho três títulos vestindo o uniforme amarelo do adversário. Agora ele e Celtics e agora o sentimento dele é o mesmo de Rondo ou Ray Allen, o sentimento de ter sido superado na guerra que foi a final do último ano, e o sentimento de ter vencido a primeira batalha do novo ano, apenas a primeira, pois no próximo dia 10 de fevereiro mais um capítulo será escrito.

3 comentários:

In Barlow disse...

blog show de bola...
parabens pelo designe
bem divido.
(y)

ativista disse...

Cara muito da hora teu blog to seguindo ele.
me segue ai tbm.
http://hiphopactivistface.blogspot.com/
valeu

Patrick disse...

Vou utilizar aquela frase nem um pouco clichê pra definir esse jogo...

Classico é Classico!