De novo sem Triplíce Coroa

00:13 Net Esportes 2 Comments

O cavalo a muitos anos atrás era praticamente uma das única formas que algumas pessoas tinham para se locomover que não fosse usando seus próprios pés, o animal era explorado, puxava carroças, era usado por soldados em campos de batalhas, em guerras, morria em vão diante da estupidez do ser humano em querer resolver suas diferenças, algo que acontece até hoje nos diversos cantos deste planeta. Se não fosse pelo fato de ser facilmente montado, se não fosse por ter naturalmente um dom de correr, o cavalo hoje em dia talvez fosse como qualquer animal selvagem, que nasce vive e morre sem contar uma história. O cavalo usado em uma corrida pode estar sendo explorado como um cavalo de transporte ou de combates, mas este cavalo recebe um nome, sua vida não é em vão e ele pode ficar marcado eternamente na história.

Survivor em 1873, Shackleford em 2011. São 136 anos contando uma nova história em cada uma das edições do Preakness Stakes, sempre no Pimlico Race Course, em Baltimore, Maryland. Em cada um desses anos a expectativa de ver o que aconteceu pela primeira vez em 1919 com Sir Barton, e o que aconteceu pela última vez em 1978 com Affirmed. Ganhar o Preakness depois de ter ganhado o Kentucky Derby e ter forças para ganhar novamente em Nova York, no Belmont Stakes. As três principais provas do turfe americano, a famosa e idolatrada Tríplice Coroa, são muitos anos de expectativa para ver um cavalo repetir esse feito que apesar de ser difícil consegui-lo, não era algo visto como impossível. Big Brown chegou perto em 2008, Animal Kingdom era a esperança da vez neste ano de 2011.

É triste não ver Calvin Borel na foto oficial dos jockey´s antes da corrida. A tradicional corneta tica antes que um coral ecoe para mais 107 mil espectadores a belíssima canção "Maryland, My Maryland". A pista de areia encharcada vê o desfile de suas principais estrelas até o ponto de largada e vê alguns cavalos relutarem para entrar na área reservada para eles, os cavalos hoje muito bem tratados e cuidados talvez ainda lembrem de seu passado difícil e doloroso. Um desses cavalos que parece não querer correr hoje é justamente Shackleford, montado por Jesus Castanon e longe de estar entre os três favoritos. Nas corridas de cavalos é meio comum ver um azarão vencendo, foi mais ou menos assim no Kentucky Derby, e foi novamente assim no Preakness Stakes.

Será que se Uncle Mo estivesse em forma ele poderia ganhar a Tríplice Coroa esse ano? Talvez sim, talvez não. Depois do que fez em Kentucky poucos duvidavam de Animal Kingdom, todos confiavam muito em John Velazquez, no tratamento expecional de Graham Motion e na vitória que aumentaria ainda mais o sonho de vencer as três grandes provas do turfe no mesmo ano. Na última curva, entrando pela reta final, ele veio com força, com vontade, com obstinação em busca da glória maior, mas não foi possível. A aceleração incrível fez Kingdom superar todos menos um, menos Shackleford que estava em um dia incrível depois de quase nem conseguir alinhar para largar. Shackleford, um cavalo com nome, um cavalo que não vive uma vida em vão, um cavalo que não sofreu, um cavalo que foi usado sim, mas usado em nome do esporte, da competição sadia e que o faz ter uma vida boa, uma vida com sentido, pois seu nome e sua conquista ficarão eternamente marcados na história do Preakness Stakes. Ele é animal que impediu a Tríplice Coroa do Reino Animal. (Por Net Esportes Foto: Getty Images)

2 comentários:

Jean Francisco disse...

Parceiro, sua versatilidade nos post esportivos causam aquela boa e velha "inveja" para os que gostam e acompanham os esportes. Confesso que do turfe pouco sei, mas já me sinto motivado a pelo menos, pesquisar! rsrsrsrs. Agora uma das coisas que me impressionam no turfe é a forma como o animal e o seu companheiro precisam estar afinados nas provas. Dizem que a mínima reação negativa do cavaleiro é sentida pelo cavalo, o que pode fazer a diferença na corrida. Impressionante.
Valeu.
Forte abraço.
Jean Francisco
esportday.blogspot.com

Net Esportes disse...

@Jean Francisco: Agradeço muito suas palavras Jean, muito obrigado mesmo.

Eu não sei bem como funciona a escolha ds jockeys, geralmente eles são os mesmos de anos anteriores, e acho que os melhores são bem disputados, mas com certeza após a escolha ele deve passar um bom tempo com o cavalo que vai correr ....... na outra corrida antes dessa, no Kentucky Derby, o jockey do cavalo que ganhou substituiu de última hora o jockey que ia correr .... ontem eles ficaram em segundo lugar.

Abração, T+