O Brasil depois de oito anos

11:01 Net Esportes 7 Comments

Em 1997, quando Gustavo Kuerten ganhou pela primeira vez o torneio de Roland Garros, eram muito poucos aqueles que já haviam ouvido falar do tenista brasileiro. Guga acabou se tornando mais tarde o maior jogador de tênis do Brasil em toda a história, tinha tudo para alavancar o esporte elitista no país tupiniquim, mas demorou oito anos para que algum de seus grandes feitos pudesse ser repetido novamente. Já faz muito tempo, foi em março de 2003, quando Kuerten aplicou um pneu em James Blake e avançou para as semifinais do Masters de Indian Wells. Depois disso nem Flavio Saretta, nem André Sá, nem Ricardo Mello, ninguém conseguiu fazer o Brasil voltar ao ponto onde Guga chegou, pelo menos até hoje, oito anos depois, o dia em finalmente o tênis brasileiro pode estar vendo surgir um sucessor do maior de todos.

Ele pode não ser muito jovem para o tênis, mas com 23 anos de idade não se pode dizer que não seja jovem. Já faz tempo que se tornou profissional, foi em 2005, e de lá pra cá ganhou apenas dois torneios, Gstaad em 2009 e Santiago do Chile em 2010, ambos válidos pela série do ATP Tour 250 e ambos disputados no piso de saibro. Thomaz Bellucci começava de maneira não muito apressada a cravar seu nome entre os melhores, chegou nas oitavas-de-final de Roland Garros, terceira rodada de Wimbledon, alcançou a posição número 21 no ranking, a melhor de um brasileiro depois de Gustavo Kuerten. As coisas estavam boas, mas não estavam excelentes, ser mediano no mundo do tênis não serve muito, principalmente no Brasil onde o esporte não é tão apreciado como no resto do mundo. Assim em 2011 houve uma mudança, uma mudança que pode ter dado início a uma nova era que o tênis brasileiro estava esperando a muito tempo.

É impressionante, mas é a pura realidade. Não da para ser alguém sem ter um mínimo de talento, porém ser bem treinado faz muito a diferença. Talvez por isso Bellucci resolveu ser treinado pelo melhor téncnico do Brasil, o mesmo treinador que levou Gustavo Kuerten ao topo do ranking. Não tem como dizer que Larri Passos de alguma forma não esteja fazendo a diferença, mesmo que o jogador tenha sido eliminado na segunda rodada do Aberto da Austrália e que não tenha conseguido ser campeão no Chile novamente, pois depois disso ele conseguiu chegar em uma semifinal de um ATP 500, pela primeira vez na carreira e derrotando Fernando Verdasco, um tenista top 10 do ranking ATP. Mais tarde, no tão célebre saibro onde Guga também surgiu para o mundo, Bellucci começaria a contar a sua história. O Brasil esperava por isso a nada menos do que oito anos.

Não é mais o ATP 250 e nem mesmo um ATP 500 qualquer, agora é Masters 1000, o Masters 1000 de Madrid com Roger Federer tentando se recuperar, Novak Djokovic tentando manter sua série invicta, Rafael Nadal tentando manter seu reinado em casa e ele, Thomaz Bellucci, levando o Brasil de volta ao cenário internacional do tênis depois de oito anos de sofrimento. Thomaz Bellucci e seu novo ténico Larri Passos, oitavas-de-final e uma vitória sublime contra o britânico Andy Murray, simplesmente o número quatro do ranking ATP. Não era o suficiente, um brasileiro não chega a uma semifinal importante desde Guga em 2003, então Bellucci foi lá e passou por Tomas Berdych, outro top 10 do ranking, e simplesmente conseguiu o maior resultado de toda a sua carreira. Pela frente poderá vir Djokovic ou David Ferrer, a história pode continuar sendo escrita em Madrid, e aí quem sabe Roland Garros poderá deixar de ser sonho para se tornar mais do que uma realidade. (Foto: Julian Finney/Getty Images)

7 comentários:

Fabio Gilarde disse...

Muito bom o artigo. Concordo plenamente também. Infelizmente, aqui no Brasil neste nicho do esporte para ser reconhecido ele precisa ser realmente o top, o melhor, tanto que tenho a absoluta certeza que se fizermos uma pesquisa na rua, sobre um nome no tenis brasileiro, todos vão responder "Guga". Pois é o único que surgiu na mídia de maneira realmente forte.
Vamos aguardar e ver Thomaz Bellucci, acredito que com a ajuda do treinador, que particularmente acho muito bom, ele tende só a crescer!
Mais uma vez, muito bom este artigo.
Grande Abraço

Niddo disse...

não sou fã de tenis, mas desejo sorte a esse rapaz ai e que o brasil possa ter mais um idolo no esporte :)

Net Esportes disse...

@Fabio Gilarde: Muito Obrigado pelos elogios e comentário. Grande Abraço.

Marcelonso disse...

Tomas Belluci tem muito potencial,vamos torcer para que continue firme e contando com apoio para evoluir ainda mais.

abs

Patrick Araújo disse...

Acho que ele não pode deixar se influenciar com as comparações com o Guga, logico que vão comecar a surgir e já se tem, mas isso atrapalha o atleta.

Ele tem que pensa que cada um é cada um e ambos estão disputando torneios com competidores diferentes em épocas diferentes...

Mas vamos torcer pra que ele possa trazer um caneco de Gand Slam pra gente, quem sabe de Roland Garros.. Ia ser mto bom!

Jean Francisco disse...

Parabéns pelo texto parceiro, como sempre muito instrutivo e abrangente.
Além de ser novo, ele já tem certa experiência e está com um treinador competente, honesto e pé quente, nesse caso, mãos quentes.
Boa sorte Bellucci.
Forte abraço.
Jean Francisco
esportday.blogspot.com

Net Esportes disse...

@Marcelonso: Sem dúvida, ele já está merecendo ir mais longe ...

@Patrick Araújo: Mas também Patrick, se ele se espelhar em Guga e quiser ser como ele pode ser bom também, cria uma meta .....

@Jean Francisco: Muito Obrigado mesmo pelo elogio meu caro Jean, fico feliz e me motivo ainda mais. Grande Abraço.