A vez das mulheres brasileiras

14:42 Net Esportes 5 Comments

Fabiana Murer medalha de ouro Mundial de Atletismo 2011Viva um dia de Marty Mcfly, chame o doutor Emmett Brown e entre no DeLorean, vá rumo ao passado, para rever a história do Brasil no atletismo. No ano de 1956 e 1960 quando Adhemar Ferreira da Silva conquistou o bi-campeonato olímpico, ou ainda em 1976 quando João do Pulo venceu o salto em distânica. Indo cada vez mais de volta para o futuro até 1984, nos Jogos de Los Angeles, quando Joaquim Cruz venceu os 800m rasos, sem falar em Zequinha Barbosa que foi prata no Mundial de 1991 e os grandes Claudinei Quirino e Sanderlei Parrela, que também levaram medalha de prata no Mundial de Sevilla. O outro não vinha mais, mas a prata sim, nos Jogos Olímpicos de Sydney, em 2000, com a equipe masculina do revezamento 4x100m.

O capacitor de fluxo ainda está funcionando muito bem, desta vez a gasolina não acabou e não será preciso ir até o velho oeste para salvar ninguém, nem para salvar o atletismo brasileiro. Os homens fizeram a história acontecer, venceram de maneiras brilhantes em várias ocasiões, mas o ouro é o que realmente importa, e ele não estava mais sendo conquistado. Assim entrou em cena no ano de 2008 uma mulher para mudar a história brasileira nesse esporte, uma atleta muito conhecida no país tupiniquim, que viveu um drama em sua carreira após ser flagrada no exame anti-doping, mas que soube ter calma e paciência para dar a volta por cima. Maurren Maggi levou a medalha de ouro em Pequim e estabeleceu a vez das mulheres no atletismo do Brasil.

Não só no atletismo, mas também no vôlei com a equipe do técnico José Roberto Guimarães, no taekwondo com Natália Falavigna ou ainda no judô com Ketleyn Quadros. As mulheres estão conquistando seu espaço a cada dia em diversas áreas, estão se tornando até presidentes de uma nação, no esporte não poderia ser diferente. A história, inclusive, poderia até ter sido escrita lá na China, no estádio Ninho de Pássaro, se não fosse aquele bizarro sumiço das varas. O Choro, o drama, a vontade de vencer mantida e adiada para um futuro próximo. Um futuro que chegou em 2010 e que foi ainda mais longe agora, em 2011. Chegamos no DeLorean, voando pelo céu, voando além dos 4,85 metros com a brasileira Fabiana Murer que faz história no Mundial de Atletismo em Daegu, na Coréia do Sul.

Desta vez a vara não sumiu, a confiança estava plena e as decisões foram todas tomadas em conjunto com perfeição. Fabiana Murer é treinada por Elson Miranda e faz consultoria com Vitaly Petrov, ex-técnico de Yelena Isinbayeva, além de Sergei Bubka, o mais lendário de todos os praticantes do salto com vara. A pista boa, o colchão, o fisioterapeuta, o médico, o transporte, o nutricionista além do apoio da CBAt e o patrocínio da BM&F fazem muita diferença. Sem falar na proximidade dos Jogos de 2016 que serão no Brasil e do empenho obstinado que Fabiana vem desenvolvendo exaustivamente nos últimos anos. Um atleta aqui, outro ali, uma medalha um dia e outra depois de dez anos, tudo é muito devagar, é pouco para um país tão grande como o Brasil, mas às vezes acontece, no atletismo que sempre se supera para fazer história, e agora praticamente só com mulheres, as guerreiras brasileiras. (Foto: AFP)

5 comentários:

Luiz Paulo Knop disse...

O esporte feminino no Brasil vem crescendo, e não é porque o masculino caiu não, acho que de um modo geral, nosso país está evoluíndo em muitas modalidades.

A presença de Fabiana Murer, assim como foi Maurren Maggi nas Olimpíadas, só faz aumentar o orgulho de torcer por essas meninas!

Valeu Brasil!!

http://esporteresenha.blogspot.com

Net Esportes disse...

@Luiz Paulo Knop: Muito Orgulho mesmo Luiz. E esse negócio das Olimpíadas em casa acho que faz diferença também, acredito que em Londres teremos o maior número de medalhada da história e no Rio (até pelo número maior de competidores) um novo recorde pela vontade dobrada e empolgação extra. Resta experar que siga crescendo sempre .....

Patrick Araújo disse...

Parabéns pra Fabiana..

foi merecido...

Isso eh importante pra mulekada, um incentivo pra eles praticarem o esporte, verem seus idolos ganhando titulos importantes....

Valeu Brasil!

Net Esportes disse...

@Patrick Araújo: Verdade Patrick, importante para tudo também de modo geral, o Brasil tinha que evoluir mais em outros esportes, ir além do futebol .... nas Olimpiadas do Rio 2016 tem que ganhar mais de 30 medalhas, pelo menos ....

Ron Groo disse...

Esta realmente foi para se orgulhar.