As placas tectônicas se movem

14:33 Net Esportes 3 Comments

Ainda não foi o gigantesco terremoto “Big One”, mas a cidade de Los Angeles sofreu na noite desta segunda-feira um abalo sísmico tão grande que poderia ter aumentar ainda mais a falha geológica de San Andreas, poderia ter feito a cidade ficar dividida ao meio como um dia irá acontecer segundo dizem os especialistas. Tudo porque as duas principais equipes de basquete da cidade entraram em quadra no Staples Center, aparentemente para realizarem apenas mais um duelo que já ocorreu inúmeras vezes ao longo dos anos, ainda mais sendo válido por uma pré-temporada relâmpago após poucos dias de treinos, mas com ingredientes tão quentes quanto o magma fervente da crosta terrestre pronto para ebulir em vulcão tão grande quanto o Yellowstone.

Um terremoto ou uma erupção vulcânica não podem ser evitados, mas uma transferência de jogadores na NBA sim. O responsável pela proibição é o mesmo homem que havia sido um dos grandes personagens no período de greve que aterrorizou a maior liga de basquete do planeta, um comissário, mas não o comissário Gordon, de Batman, e sim o comissário David Stern. A alegação foi a de que a equipe do Los Angeles Lakers ficaria muito forte, a equipe do Lakers que perdeu um dos maiores técnicos de toda a história da NBA, Phil Jackson foi embora para quem sabe jamais voltar na terra que vai tremer um dia, que tremeu na noite de ontem. O Lakers de Kobe Bryant, cuja esposa pediu divórcio a alguns dias, o mesmo Lakers que foi varrido dos playoffs pelo Dallas Mvericks, e que agora está sofrendo em busca de um novo sistema defensivo e ofensivo no seu jogo.

Talvez David Stern tivesse razão, talvez os especialistas estejam errados e não haverá um “Big One” tão cedo, ou haverá um maior do que previsto no dia 21 de dezembro de 2012, quem vai saber! Porém pior do que impedir Chris Paul de ir para o Los Angeles Lakers, é vê-lo ir para o Los Angeles Clippers. É como se ele já estivesse de malas prontas para Los Angeles, como se já estivesse no avião, com passagem só de ida, como se o seu sonho fosse jogar em Los Angeles de qualquer jeito, mesmo que na semana anterior tenha cogitado ir para o New York Knicks, apesar de que LeBron James cogitou a mesma coisa centenas de vezes, ou teria sido apenas a imprensa em geral? Ou seja, é muito engraçado, mesmo porque o Clippers não é um Lakers, um Knicks, um Celtics, um Heat ou até mesmo um Bulls, é como continuar no Hornets, como se James seguisse no Cavaliers e Carmelo Anthony no Nuggets. É um time pequeno, só que agora é um time pequeno que provoca terremotos.

Muitos já diziam: é perigoso fazer previsões para a temporada se baseando em resultados da pré-temporada. Mas essa pré-temporada é diferente, é uma pré-temporada curta por causa da greve, uma pré-temporada onde os times treinaram dois ou três dias, com formações novas onde os atletas jamais jogaram juntos. Por um lado reforça a tese de que não serve como base para nada, mas por outro lado podemos imaginar que sem tempo para fazer testes, o jeito é fazer o máximo possível para já sair tentando praticar o que colocará de fato em prática a partir do início da disputa para valer que começa já neste domingo. Sendo assim o Clippers tratou de fazer logo o certo e viu seu rival Lakers conseguir literalmente fazer tudo de mais errado que existe.

Com Chauncey Billups que veio de Nova York para não errar cesta de três pontos, com Blake Griffin, que agora vai querer seguir os passos de Dwyane Wade e ficar para sempre no clube que o draftou, cravando enterradas fulminantes e, principalmente com a nova arma, a nova esperança, o responsável pela reviravolta que ia mesmo para Los Angeles, mas não para o Clippers, Chris Paul, um jogador rápido, ágil, uma das mais novas estrelas da NBA que faz a diferença em um time. É como o LeBron James na época do Cleveland Cavaliers, o Dwight Howard no Orlando Magic e o Derrick Rose no Chicago Bulls. É simplesmente para voltar aos playoffs, não ser mais um time qualquer na NBA, é para provocar terremotos movendo as placas tectônicas, vencendo o todo poderoso Lakers por 114 a 95. Talvez apenas um jogo de pré-temporada, ou quem sabe o puro reflexo de tudo que irá acontecer no próximo ano. (Foto: Harry How/Getty Images)

3 comentários:

Ron Groo disse...

E uma tentativa de equilibrar as coisas, pra não ficar apenas um time muito forte.
Se bem que... LA Lakers é amarelão hehehehehe

Luiz Paulo Knop disse...

Mais uma vez a NBA faz de tudo para tirar o título do Lakers, não é a primeira vez... impedir uma transferência sem motivo aparente é no mínimo estranho... como ela permite que Lebron James, Wade e Bosh joguem no mesmo time? Como permite Pierce, Allen, Garnett, O´neal juntos?

Porque no Lakers não pode?

Vergonha... novamente...

Aproveito pra desejar a você um Feliz Natal e um ano de 2012 com muito mais sucesso.

São os votos da galera do Resenha Esportiva. que agora é .com

www.resenhaesportiva.com

Net Esportes disse...

@Luiz: Já atualizei seu link Luiz, Boas festas para vc também e um excelente 2012.

Eu achava que era a história do teto salarial, mas não tenho mais certeza, li recentemente que David Stern simplesmente achou que o Lakers ficaria "mais forte" !!