Com mérito e com muita sorte também

14:43 Net Esportes 1 Comments

É um bairro em Londres e é também um bairro em Manhattan, Nova York. É uma cidade britânica, mas também é uma cidade em vários estados americanos, desde Alabama até Massachusetts, passando por Iowa, Michigan, Dakota do Sul e até Oklahoma. Também é nome de jardim botânico e até linha de metrô, esses na capital da Inglaterra. Mas quando vira nome de pessoas famosas, sendo uma modelo, uma cantora é duas atrizes, volta a falar sobre os Estados Unidos. Os ingleses e os americanos, tudo haver, exceto talvez quando se fala em futebol. Nesse caso a Europa ganha, a Inglaterra, o berço desse esporte e terra do Chelsea Football Club. Um time com mais de cem anos de história, poucos títulos, mas que finalmente conseguiu alcançar a sua maior glória.

O Chelsea é campeão da Champions League, o maior e melhor campeonato de clubes do planeta. Esse é o primeiro título na história do clube inglês. Maravilhoso, trabalho merecido, venceram com mérito, afinal ninguém pode ser campeão por acaso. Mas o Chelsea deu muita sorte. Não sorte porque empatou nos minutos finais do tempo normal, ou porque viu o rival perder pênalti na prorrogação e viu seu goleiro fazer milagres na disputa por pênaltis. O Chelsea deu sorte de um modo geral ao longo da competição, pelos sorteios inapropriados da segunda fase, pela regra do gol fora de casa, pelo gol "achado" contra o Barcelona na semifinal e pela falta de coragem na grande decisão. Talvez seja lamentável, mas esta dentro das regras, o que os faz ter méritos por isso.

O Bayer Leverkusen vem se tornando especialista em ser vice-campeão. A equipe alemã chegou na final com tantos desfalques quanto seu rival, fato que contribuiu muito pela baixa qualidade do jogo e falta de gols. Mas o pior foi ter recuado quando abriu o placar, depois de ter passado praticamente o jogo inteiro atacando, buscando o gol e dando muito azar nas finalizações. Só isso já faz com que os alemães não tenham merecido o título, mas o pior de tudo foi perder o pênalti na prorrogação. Schweinsteiger não precisava se lamentar tanto no final do jogo, Robben e o técnico Jupp Heynckes poderiam facilmente assumir a culpa pelo fracasso. Se é que alguém tem mesmo que assumir a culpa por uma derrota tão apertada e conseguida com mérito e sorte pelo rival.

Um jogo equilibrado como foi essa final da Champions League traz uma boa emoção, que talvez seja uma falsa emoção, mas que não reflete a qualidade de todo o campeonato. A decisão em um jogo só é excelente, mas muda completamente a idéia dos dois jogos nas etapas anteriores da segunda fase. Jogar em casa com mais torcida apoiando também não mudou nada em favor do time local. O Chelsea só conseguiu repetir o placar da última vez que chegou na final, em 2008 quando foi derrotado pelo Manchester United na decisão por pênaltis. Enquanto que o Bayern só conseguiu não perder como nas duas últimas vezes que decidiu. Isso prova ainda mais o quanto foi fraco o jogo decisivo, que acabou tendo um campeão justo por aquilo que se propôs a fazer, e isso não quer dizer que eles não jogaram futebol, pois Didier Drogba e Petr Čech são grandes jogadores de futebol. são campeões, com mérito e com muita sorte também. (Foto: AFP PHOTO / LEON NEALLEON NEAL/AFP/GettyImages)

1 comentários:

Patrick Araújo disse...

A verdade é que quem mais gostou desse titulo foram os empresários que tem a metodologia de que com mtos $$$$$$ se consegue montar grandes equipes e o método tradicional de formar jogadores está ultrapassado...

Sobre o jogo foi sensacional! Épico eu diria...

O Robben mais uma vez mostrou que eh pipoqueiro...