Lendas das Olimpíadas - Amsterdã 1928

15:15 Net Esportes 2 Comments

Não houve um revezamento da tocha, mas pela primeira vez acenderam a chama olímpica nos Jogos de Amsterdã 1928. Pela primeira vez também o evento esportivo passou a ser chamado oficialmente de Jogos Olímpicos de Verão. Foi também a primeira vez que o tempo de duração deixou de ser aqueles longos e intermináveis meses passando a ser todo ele realizado em apenas 16 dias. Além da primeira vez que a Coca-Cola patrocinou o evento e a primeira vez que o desfile das nações começou com a Grécia e terminou com o país anfitrião; Exatamente como é hoje. Tudo parecia acontecer pela primeira vez na Holanda, inclusive o respeito pelos animais, que fez surgir o atleta amigo dos patos.

Atleta por descendência, assim foi a vida do australiano Bobby Pearce. Ele seguiu os passos do seu pai, um grande competidor e campeão no remo. Sua tia praticava natação e o tio foi um grande jogador de rugby. A vida de um atleta nos anos 1920 e 1930, no entanto, não era lá essas maravilhas, e assim Bobby Pearce deixou a  escola cedo para se tornar um carpinteiro, e, em seguida, trabalhou na indústria de peixe com seu pai. O praticando do remo e sonhador da terra do canguru quase acabou sendo mais uma vitima do profissionalismo, mesmo que sua fonte de renda fosse fazendo qualquer outro trabalho que não fosse competir. Por sorte ele acabou indo para as Olimpíadas de 1928, e assim os patos tiveram sua sorte também.

Sem causar grande surpresa, já que Bobby Pearce havia ganhado vários títulos antes de 1928, ele foi deixando adversário por adversário cada vez mais para trás na fase de classificação. A superoridade do australiano era tanta que ele chegava a colocar até 12 barcos de diferença em seus rivais. Em uma das fases eliminatórias, Pearce deixava o francês Saurin para trás, mas teve que ser obrigado a desacelerar, parar de remar e quase colocar tudo à perder. Sua atitude não se deu por cansaço ou qualquer outro problema, pois Bobby Pearce simplesmente estava esperando toda uma família de patos passar à sua frente no lago como se nada estivesse ocorrendo por ali. O francês não chegou nem perto nesse tempo todo e ele conseguiu mais um vitória rumo à grande decisão.

Bobby Pearce, o amigo dos patos, derrotou o americano Kenneth Myers  na final e garantiu a medalha de ouro. Quatro ano mais tarde, nas Olimpíadas de Los Angeles 1932, ele voltaria a levar a medalha de ouro no remo skiff simples, porém sem precisar esperar mais pelos patos passando na sua frente. Em seguida Pearce se tornou profissional, ganhando diversos títulos mundiais até se aposentar de forma invicta em 1938. Isso porém não aconteceu antes de voltar a lutar boxe como na época que serviu o exército, ou carregar a bandeira do seu país nos Jogos Olímpicos e virar um Hall da Fama, um herói australiano e uma das maiores Lendas das Olimpíadas. O atleta que ajudou a família de patos atravessar o lago, e nem por isso acabou derrotado. (Foto: Arquivo)

2 comentários:

Patrick Araújo disse...

Guilherme publiquei no Publicidade Esportiva o comercial com Novak Djokovic e Maria Sharapova... Valeu pela dica.. Muito legal a propaganda...

Abs e um bom fds...

Marcelonso disse...

Os Jogos Olimpicos estão chegando. É um momento muito bacana no esporte, o clima que cerca o evento é único.

Sempre acontecem momentos que ficam eternizados, e nem sempre por aqueles que venceram.

Como aquele protagozizado pela suíça Gabrielle Andersen entrando no estádio olímpico de Los Angeles em 1984, atormentada por câimbras e dores...e ela chegou ao final.

abs