Falta alguma coisa para Roger Federer?

18:31 Net Esportes 6 Comments

Será que temos de esperar ele se aposentar para poder reverenciá-lo e tratá-lo como o melhor de todos os tempos? Será que teremos de esperar ele morrer e virar uma lenda para que todos os seus feitos históricos possam ser lembrados como os maiores já alcançados? O que está faltando para Roger Federer, no auge dos seus 30 anos de idade, para ser considerado em sua própria época como o maior jogador de tênis da história? Absolutamente nada. Pete Sampras, o incrível americano, ficou para trás faz tempo em vários aspectos, mas mesmo que isso não fosse o bastante ele segue sendo pelo menos igulado pelo suiço. Em número de semanas como número um e em número de títulos no torneio de Wimbledon. O que mais está faltando?

Roger Federer também já conseguiu o que Sampras não foi capaz, o torneio de Roland Garros, mesmo que tenha sido ganho em um ano que Rafael Nadal jamais teria perdido se não estivesse sofrendo problemas de lesão. E depois disso ele ainda bateu e aumentou sua coleção de títulos em Grand Slam, voltou a ser o número um do mundo garantido por mais duas semanas, o que já o faz superar o americano. Além de "ainda" estar com 30 anos de idade, que não o faz estar acabado como parecia nos dois últimos anos onde só havia sido campeão na Austrália em 2010 e finalista em Roland Garros 2011. Tudo porque outro fator garante ainda mais a valorização de suas conquistas, que é estar vivendo uma época de dois outros grandes jogadores como Rafael Nadal e Novak Djokovic.

Se não fosse Nadal e Djokovic, o domínio de Federer seria ainda maior e mais épico, principalmente porque além do espanhol em seis oportunidades, Federer só perdeu para o argentino Juan Martín del Potro em uma decisão de Grand Slam. São 17 títulos de Grand Slam em 24 finais. Assim não sobra mesma qualquer chance para Andy Murray, que já tinha sido superado pelo suiço nas finais do Aberto da Austrália e do US Open, mas que neste domingo dava uma esperança a mais aos britânicos que não viam um representante local chegar na final de Wimbledon desde Bunny Austin em 1938 ou ser campeão desde Fred Perry em 1936. Eles só esqueceram de avisar que apenas um desses dois tabus iria acabar, pois do outro lado da rede estava simplesmente o maior jogador de todos os tempos.

Impiedoso, cruel, massacrante e ainda frio o bastante para não se deixar abater pela derrota no primeiro set, afinal ele já havia vivido um momento muito pior diante do francês Benneteau na terceira rodada. Smash's fantásticos e swing volley's ainda mais impressionates. Federer estraçalha com suas deixadinhas mágicas de esquerda com slice. Roger Federer se impões de um jeito tão marcante que faz o adversário até chorar, mesmo que seja de emoção no final da partida. Tudo porque Andy Murray etava ali onde Federer esteve oito vezes e só perdeu uma, porque Federer é o maior de todos, em seu próprio tempo, e quem pode negar ou ir contra esse fato que já estava e agora ficou ainda mais comprovado? (Foto: Julian Finney/Getty Images)

6 comentários:

Patrick Araújo disse...

Roger Federer = O quebrador de recordes...

Oh Guilherme, eu sei que são épocas diferentes e adversários diferentes, mas vc acha msm que ele foi melhor que o Sampras???

Net Esportes disse...

@Patrick: Sempre relutei nessa questão, mas em termos de números é inquestionável. Mas eu não acho o Schumacher melhor que o Senna só pelos números ..... eu acho que o Sampras parou de jogar muito cedo, e que o Federer ganhou mais em menos tempo com pelo menos dois grandes rivais e o Sampras só tinha o Agassi ... sem falar que o Agassi viveu uma época apagada e nunca derrotou o Sampras em final de Grand Slam .... é realmente para debatermos.

Silvio Peters disse...

Olha, eu vi o Sampras desde o começo da carreira. Ele teve grandes oponentes além do Agassi (Boris Becker, Jim Courier, Goran Ivanisevic, Patrick Rafter, Michael Chang, Lleyton Hewitt, Stefan Edberg...), eram todos caras que davam muito trabalho pro Sampras.

O Sampras era fantástico mas não era melhor que o Federer de jeito nenhum.

Luiz Paulo Knop disse...

Federer pra é o maior e a rivalidade com Nadal e o crescimento de Djokovic só fazem valorizar mais ainda o suíço.

Respondendo a pergunta do título, só faltou uma coisa ao Federer: ser brasileiro

Luiz Paulo Knop
www.resenhaesportiva.com

Net Esportes disse...

@Luiz Paulo Knop: hahahaha Boa Knop, mas acho que que "faltou ao Brasil o Federer ser brasileiro" !!!!!!!!

Marcelonso disse...

Bem que esse cara poderia ter nascido aqui em Terra Brasilis, como disse o Luiz.

O fato é que o cara é um monstro!


abs