É preciso ter caráter para ser fã do NY Mets

08:58 Net Esportes 4 Comments

Espalhados por todo o mundo estão os bonés com as inicias N e Y. São inúmeros títulos, assim fica muito fácil ser um fã do New York Yankees. Mas para ser um fã do primo pobre de Nova York é preciso ter caráter. É preciso enfrentar um longo trânsito até chegar ao estádio, saindo de casa duas horas antes de começar o jogo e indo direto para a cama quando retornar. É preciso ser como a professora aposentada Dianne, que assiste a uma partida no City Field de três a quatro vezes por ano, acompanhada pelo seu irmão. Porque ela é uma fã do New York Mets, porque ela tem caráter, porque ela adora o beisebol e seu destino é ir para o Queens, para Flushing. Em Manhattan ela só vai se for ao teatro.

E isso acontece porque um jogo de New York Mets está longe de ser uma apresentação teatral. Em um jogo de beisebol nos Estados Unidos você tem seu lugar marcadado, e é para lá que Dianne vai e fica, pois está envolvida com a partida. Ela leva sua própria comida e bebida, mas não se arrisca cantar o hino nacional. Ela gosta muito de "God Bless America", e para que mais serve o intervalo da sétima entrada? A maçã subiu mais uma vez, foi mais um home run, lembrando os bons tempos de Robin Ventura. Tempos que não voltam mais, como aquele inesquecível ano de 1986. O ano que o New York Mets se sagrou como o grande campeão da World Series pela última vez.

Obrigado Mookie Wilson, você será tão adorado pelos fãs do Mets quanto Bill Buckner é odiado pelos fãs do Boston Red Sox. Obrigado também Keith Hernandez, por ter saído do Cardinals rumo à Big Apple. Sem falar em Ron Darling, porque todo mundo precisa de um bom arremessador para ser campeão. Campeão em 1986, e poderia ter sido campeão também no ano 2000. Se não entrassem em campo como um fã do rival New York Yankees isso poderia ter acontecido novamente. O Subway Series significa rivalidade, ou você torce para o Mets ou torce para o Yankees. Se gostar dos dois então você não gosta mesmo de nenhum deles, não de verdade. É como optar por uma religão.

E mesmo seguindo uma religião, ou seguindo um time de beisebol nos momentos bons e ruins, fica difícil entender porque fizeram aqueles ataques no dia 11 de setembro. A bolinha parou de ser arremessada e rebatida. Mas os americanos se uniram e ficaram ainda mais fortes. A cidade se recuperou e os turistas voltaram, são pessoas diferentes falando os mais diferentes tipos de lingas, e todas elas acabam se entendendo uma hora ou outra. Assim como é fácil entender os sentimentos de uma apaixonada pelo New York Mets como Dianne, mesmo que um dia apareça um Yadier Molina para partir seu coração. Não importa, ela sempre será uma fã do Mets, porque ela tem caráter.

COLABORAÇÃO: Kayla Wininger - Big League Tours

4 comentários:

Ron Groo disse...

Que texto fantástico!
Para alguém que não vive a paixão pelo basabell é uma surpresa muito grata ler algo que tenha tamanha devoção...
Pô... Agora vou torcer pelos Mets, mesmo sem entender as regras do jogo.

Net Esportes disse...

@Ron Groo: Receber um elogio assim de alguém que faz textos super criativos e fantásticos também como você é uma honra Groo.

Muito obrigado mesmo, e a Dianne existe realmente e eu escrevi baseado em uma entrevista que fiz com ela.

Anônimo disse...

Acho que o dono do blog mora nos EUA em ...
Cotinue cobrindo o beisebol e quando for possivel NHL ... pois como diz no sobre do site muitos só falam de fut huns assuntos diferentes são bons ...
Demais o texto .. parabéns ...

Net Esportes disse...

@Anônimo: Muito obrigado! Pode deixar que sempre que possível farei. Sobre NHL temos bastante em arquivo tb.

PS. Moro no Brasil mesmo!