E ele veio ao mundo, e seu nome era Peyton

11:37 Net Esportes 4 Comments

Se por acaso o líder dos Thuggee, do filme Indiana Jones e o Templo da Perdição, enfiasse a mão em seu peito para arrancar o seu coração ainda pulsante, ele provavelmente iria acabar segurando uma bola oval de futebol americano. Uma bola cardíaca com miocárdio que bombeia o sangue pelas veias de vencedor nato, de um campeão fora de série, de um jogador tão incrível quanto são improváveis os feitos que consegue em sua carreira fantástica e extraordinária. Seu pai jogou na mesma posição e não venceu o Super Bowl. Seu irmão mais novo seguiu os passos da família e já foi campeão duas vezes. Ele ergueu um troféu, mas igualou Dan Marino, e também alcançou a maior virada em toda a história do Monday Night Football.

Ele veio ao mundo no dia 24 de março de 1976. Ele nasceu e seu nome era Peyton Manning. A família Manning dos braços de ferro. A carreira fantástica no Indianápolis Colts e o fim de uma era após uma lesão no pescoço. O time que o acolheu aposta na renovação com Andrew Luck. Mas a lenda John Elway aposta no veterano. Vida nova no Denver Broncos após quatro operações no pescoço. Novas metas e novos desafios para serem superados. Marino alcançou 47 viradas no placar durante o quarto período ou prorrogação. Peyton Manning havia conseguido 46 antes do jogo de ontem à noite. Um jogo onde o rival atuando em casa abriu 24 a 0 no primeiro tempo. Mas a história no Qualcomm Stadium nesse dia ainda não havia sido totalmente escrita.

Três passes para touchdown. Um fumble e uma interceptação para incrementar um resultado que era muito mais impossível que ver os Rolling Stones voltando aos palcos de Londres e Nova York. O placar estava 24 a 0 para o San Diego Chargers, mas ele acabou em 35 a 24 para o Denver Broncos. Desde a criação do Super Bowl uma equipe abriu uma vantagem de 24 pontos em 462 jogos, e apenas três times conseguiram reverter essa vantagem. A última vez havia sido em 1993. Peyton Manning já havia revertido uma desvantagem de 21 pontos quando jogava com a equipe da ferradura. Mas dessa vez ele foi além, e por incrível que pareça jogando no estádio onde havia tido uma chance de reverter uma desvantagem de 23 pontos, mas viu Adam Vinatieri errar um field goal. Como assim?

Dessa vez tinha que ser diferente. Dessa vez as coisas não poderiam ficar para os últimos segundos, na dependência de um chute certo por entre as traves em Y. Dessa vez nem foram precisos os field goals, eles viveram apenas de touchdowns. Com ajudas extras de Tony Carter e Chris Harris. Recepções brilhantes de Brandon Stokley, Eric Decker e Demaryius Thomas. Em uma noite para não esquecer jamais, uma noite histórica que não acontece todos os dias, um jogo tão épico que não poderia ter sido jogado no domingo ou na quinta-feira. Tinha que ser no Monday Night. Porque não acontece sempre, não acontece com qualquer um, não pode ser com Philip Rivers, ele não tem um coração oval costurado à mão. Ele não é Peyton Manning porque Peyton Manning só existe um, um recordista, um monstro em campo, o líder de uma das maiores viradas no placar em todos os tempos, em todos os esportes.

4 comentários:

Matheus Coelho disse...

Simplesmente sensacional o jogo, que virada maravilhosa, que atuação monstruosa de Peyton Manning, como da saudades de ver ele vestindo o manto azul do Colts.

Net Esportes disse...

@Matheus Coelho: Verdade Matheus. O Colts optou pela renovação visando o futuro, agora resta ao Broncos aproveitar a chance.

Luiz Paulo Knop disse...

Eu vi o jogo, foi algo de mais sensacional... Ainda acho que os Colts deveriam ter segurado o Manning pra "ensinar" Andrew Luck, mas apostaram demais no novato sensação e no futuro podem ter surpresas ruins.

Luiz Paulo Knop
www.resenhaesportiva.com

Net Esportes disse...

@Luiz: Acho que quiseram economizar uma grana no salário dele !!!!