O campeonato é aleatório e não equilibrado

16:55 Net Esportes 5 Comments

Em 1986 um fotógrafo conseguiu até reunir os grandes rivais na mesma imagem. Sentados lado a lado e abraçados estavam Ayrton Senna, Alain Prost, Nelson Piquet e Nigel Mansell. Agora em 2012, quando ainda restam quatro corridas para o final da temporada, existem seis pilotos com chances matemáticas de serem campeões. Mas eu quero ver pelo menos quatro deles continuarem com chances na última prova do ano (como ocorreu recentemente em 2010) para que eu possa aceitar toda essa ideia de que a disputa desse ano é tão equilibrada assim como dizem. O campeonato da Fórmula 1 em 2012 não está sendo o mais equilibrado de todos os tempos, ele está sendo sim o mais aleatório e imprevisível de todos eles, talvez.

Foi muito interessante ver sete pilotos diferentes vencendo nas sete primeiras corridas do ano. Isso mostra equilíbrio, mas também mostra uma loteria bizarra. Tudo porque dois destes vencedores nem tem mais chances de título, sendo que um piloto que não venceu nenhuma vez está na terceira colocação ainda sonhando em alcançar os dois primeiros na classificação geral. E como foi que o finlandês Kimi Räikkönen alcançou esta façanha tão impressionante quanto a do austríaco Felix Baumgarten que pulou da estratosfera? Simples, ele teve uma grande regularidade com sua Lotus, deixando de pontuar apenas uma vez. Essa regularidade faz uma enorme diferença, e certamente daria o título à Fernando Alonso.

Aleatório e não equilibrado. Até a Sauber ameaçava ter um carro melhor que o da Ferrari. Felipe Massa tinha resultados tão terríveis que seu emprego foi até ameaçado. A McLaren demonstrava uma força tão grande que parecia pronta para ser a nova Red Bull, enquanto a própria equipe dos touros vermelhos via a FIA cortar as mãos de Adrian Newey em cenas típicas do filme Jogos Mortais. Mas mesmo assim a Ferrari foi lá e chegou na frente. Venceu na Malásia com o espanhol e deixou todos impressionados. Ninguém conseguia repetir uma vitória, e mais vez Alonso surpreende e se torna o primeiro a fazer isso em 2012. Braço forte e talento nato. Alonso tinha mais do que isso para ser campeão, ele tinha regularidade, mas hoje ele não tem mais.

Com sorte e com azar. Ninguém bateu no Räikkönen até hoje, por isso e completou todas as corridas. Mas no Alonso bateram. Ele abandonou. Uma vez. Duas vezes em cinco provas. Pontos preciosos perdidos e jogados ao vento. E o vento levou. Levou sua esperança e toda a sua regularidade embora. Porque uma boa regularidade não é chegar sempre em terceiro lugar. É preciso muito mais. Uma excelente regularidade é chegar sempre na primeira colocação. Três vezes seguidas. O ano de 2011 está de volta em 2012. Deixem o gênio Newey trabalhar e o genial Sebastian Vettel pilotar. Três vitórias em três corridas. A história mudou completamente. O campeonato era equilibrado? Não, o campeonato era aleatório e agora ele é regular e tem nome, o mesmo nome que teve em 2011. O mesmo nome que teve em 2010.

Esse nome é Vettel, mas talvez ainda seja Alonso. Quem sabe seja Räikkönen, ou será ainda possível que seja Hamilton ou Webber? Se a briga não ficar restrita entre Vettel e Alonso, então todos tinham imensa razão quando diziam que a disputa era equilibrada. Se o campeão não for nem Vettel e nem Alonso, então como discordar que o campeonato é mais aleatório do que equilibrado? Se Vettel manter sua regularidade e for campeão, como imaginar que estávamos errados ao supor que Alonso seria campeão só pela regularidade? Mesmo quando restavam muitas corridas pela frente. A Fórmula 1 de 2012 pode ser tudo. Pode até ser uma competição equilibrada, mas ela está muito mais para uma disputa aleatória e sem previsão. E se não houverem mais que dois brigando pelo título na última prova, então ela não chegou nem perto do que foi em 1986 e 2010.

5 comentários:

Patryck - Admin. disse...

Esta Fórmula 1 está muito imprevisível. E começou equilibrada, porém, acredito que o título tem mais chances de ir para Vettel ou Alonso.





Rapidinhas: CR7 completa 100 jogos por Portugal, Alex recusa proposta do Cruzeiro e Ashley Cole deve deixar o Chelsea

Embora eu não esteja acompanhando muito de perto, pelo que vejo e leio, como este teu texto, percebe-se que pelo menos em 2012 uma característica que marcou a F1 está de volta: a emoção. Seja pela loteria de resultados ou competência de A, B ou C.

Saudações!!!

Net Esportes disse...

@Patrick: Sem dúvida Patrick. Tanto equilíbrio e no fim dois brigando pelo título ....

@FuteBRONCA: A emoção sempre vai existir para quem gosta, mas o que eu vi de ruim foi exaltar tanto o equilíbrio e no final não chegar nem perto do que foi 2010 e 1986.

Patrick disse...

Sem dúvidas o campeonato de 2012 está entre os melhores, vamos somente saber o campeão na última corrida, mto equilibrio....

Sumiu pq Guilherme? Tirou umas férias? rsrsrs

Absss

Net Esportes disse...

@Patrick: was uninspired !!!