O calor esfria diante do touro vermelho e feroz

15:51 Net Esportes 3 Comments

Servindo como uma atração turística na Wall Street ou entretendo um público sádico na Plaza de Las Ventas. Um animal sagrado na Índia e um pobre coitado sacrificado na Espanha. As pessoas correm pelas ruas com medo dele enquanto o toureiro sem medo crava em seu dorso uma espada afiada, sem demonstrar qualquer dó ou piedade pelo animal. Sangrando o touro desaba no chão e tem seu fim decretado como qualquer outro gado bovino que serve de alimento para milhões de pessoas em todo o mundo. Seu destino talvez não fosse tão cruel se ele pudesse deixar de ser uma estátua em uma rua financeira para lutar impiedosamente por sua vida. Se ele pudesse usar seus enormes chifres para acabar com qualquer um de seus oponentes, mesmo que fosse um adversário que literalmente pega fogo quando entra em ação.

Uma chama que está queimando desde o ano passado. Desde antes disso se outros fatores como seu grande objetivo, já alcançado que precisa de uma continuidade, for considerado quando fora traçado. Desde qualquer dia a partir de 30 de outubro de 2012 quando nem o outrora grandioso Boston Celtics teve qualquer chance diante de LeBron James e companhia. Esse é o time da terra que queima tanto com o sol quanto Los Angeles. A equipe da Flórida que alcançou a sua tão aclamada glória. Os grandes campeões da última edição da NBA que mais do que tudo querem repetir essa conquista não só esse ano como em todos os próximos também, afinal é exatamente assim que se mostra uma força além de qualquer outra. E para ficar ainda mais bonito, nada como ganhar e apenas ganhar na temporada regular. Pelo menos até aparecer um touro vermelho e feroz pela frente.

Estava sendo realmente incrível, mas não estava sendo totalmente inédito. Já aconteceu uma vez, foi entre 1971 e 1972, quando o Los Angeles Lakers venceu nada a menos do que 33 jogos consecutivos. Recentemente, entre 2007 e 2008, o Houston Rockets conseguiu 22 vitórias seguidas na NBA. Faz parte da tabela de classificação, ela mostra quantos jogos seguidos cada time ganhou ou perdeu. E na direção do Miami Heat a cada dia o número mudava, 10 vitórias seguidas, 15 vitórias seguidas, 20 vitórias seguidas, o Rockets fica para trás e os pupilos de Erik Spoelstra já tem a segunda melhor marca da história. O Lakers de hoje tem saudades do Lakers de 1972 e, apavorados com sua luta para não ficarem fora dos playoffs eles gostariam muito de ser esse Heat, de poder jogar com esse calor todo, de poder queimar cada um dos rivais que surge pela frente. Exceto a ex-equipe de um tal Michael Jordan.

Como um touro vingativo que crava seu chifre de forma mortal no peito do maldito toureiro. Sem medo daqueles que até então não davam chances para ninguém que ousava cruzar o seu caminho. E mesmo que James consiga 32 pontos e seja o cestinha da partida. E que Derrick Rose ainda nem esteja jogando. Pois no time dos touros vermelhos o que não falta é ferocidade. Assim como não faltam também muitos pontos de Luol Deng, muitos rebotes de Carlos Boozer e muita ajuda do banco com Nate Robinson. Foi o baixinho que elevou para 101 a 94 antes de Chris Bosh diminuir quando faltavam cinco segundos. O calor finalmente esfriou quando ficou de frente ao touro vermelho e feroz, mas quando os playoffs chegarem a história pode ser completamente diferente. Quando a chama reascender e quem sabe culminar em mais uma conquista da NBA, ninguém mais vai se lembrar ou se importar com aquela sequência de 27 vitórias que foi interrompida por um touro vermelho e feroz.

3 comentários:

Patrick Araújo disse...

Feliz Páscoa Guilherme!

Muita paz e harmonia!

Absss

Ron Groo disse...

Eu amo este jogo!

E a abertura do paragrafo final me fez tremer. Coisa linda.

Brilhante! Não é a toa que o basquete é o meu segundo esporte. Sou uma negação jogando, mas curto demais a bola laranja.

Saudações!!!