Para Kevin Espada ou para Luiz Felipe Scolari?

12:30 Net Esportes 2 Comments

O início da partida foi atrasado e o motivo era um ônibus atolado. O fato foi visto como algo normal quando todos lembravam que o jogo acontecia na Bolívia. Pobre país da América do Sul que ainda vê torcedores se aglomerando nos alambrados do estádio Tauhichi Aguilera, em Santa Cruz de la Sierra. No Brasil não temos mais isso nem na Vila Belmiro, em Santos. E para desespero daqueles que ainda vivem nos anos de 1970 e viam o horário de sua habitual e tão decadente novela ficar ainda mais prejudicado, o árbitro argentino Patricio Loustau concedeu mais um minuto antes de dar o apito inicial, era um minuto de silêncio que teve exatos sessenta segundos. Só que ele não foi concedido à quem realmente merecia, pois este estava mais do que esquecido em meio a tantos outros motivos para serem lembrados.

Homenagem para jogadores campeões da Copa América de 1963 que ainda estão vivos. A chance de muitos brasileiros que moram na Bolívia poderem ver o bom e velho futebol que tanto gostam. Evo Morales anunciando incentivos financeiros para Oriente Petrolero e Blooming, ambos na prórpia Santa Cruz de la Sierra. Ronaldimho Gaúcho ganhando mais uma chance e sendo ovacionado por todos que foram ao jogo e Neymar aproveitando para voltar a balançar as redes. O minuto de silêncio era para um ex-presidente da Federação Boliviana que faleceu recentemente. O "grande" jogo entre Brasil e Bolívia organizado de última hora foi a grande chance de Luiz Felipe Scolari conseguir vencer após seu retorno ao comando técnico da Seleção Brasileira. Não era para o jovem torcedor morto Kevin Espada.

A família foi chamada, mas não compareceu. O presidente boliviano só tocou no assunto após ser questionado por alguns jornalistas. Parte da renda será destinada aos familiares, mas não antes de ser destinada à outros custos que uma partida dessa requer. O pai do jovem morto naturalmente se revoltou com a situação, afinal o nome do seu filho estava sendo usado para promover um jogo onde os ingressos estavam sendo vendidos à preços exorbitantes. Não é todos os dias que o Brasil vai até ali jogar na Bolívia, principalmente quando não está disputando as eliminatórias. As boas lembranças dos bolivianos ficaram em 1993 quando proporcionaram aos brasileiros seu primeiro revés em eliminatórias para Copa. Saudades de Marco Etcheverry, se ele ainda estivesse por aí as coisas não seriam tão boas para Felipão.

Será que pelo menos serve como preparação para a Copa das Confederações? Só foram convocados jogadores que atuam no Brasil. O placar foi uma goleada obrigatória, mas uma equipe que está sofrendo tanto nas atuais eliminatórias para a Copa serve como parâmetro? Mesmo que não fosse o Brasil titular que enfrentou e não venceu Inglaterra, Itália e Rússia. Era assim mesmo na época do técnico anterior, resultados ruins contra equipes grandes e passeios sem qualquer importância contra equipes pequenas que não tem qualquer representividade ou grandiosidade que os fazem serem adversários à altura da Seleção Brasileira de futebol. Isso é fácil de ser esquecido com se consegue um placar de 4 a 0, mas lembrar de Kevin Espada da forma como ele realmente deveria ser lembrado é mais complicado. A CBF é muito esperta e  esse jogo foi especial para o Luiz Felipe Scolari.

2 comentários:

Ron Groo disse...

Pô... Usar a Vila para a comparação foi sacanagem. Santos é tão cosmopolita quanto qualquer outra cidade grande do Brasil.

Agora, o que me chamou a atenção foi a partida ser transmitida com uma tek pix.

Net Esportes disse...

@Ron Groo: Foi mal Groo, mas é que a Vila foi o mais conhecido que tinha alambrado que eu tenha lembrado !!!! Se eu colocasse Ulrico Mursa (que ainda tem) ninguém ia entender !!!!