A F-1 não acabou no dia 1º de maio de 1994

13:39 Net Esportes 6 Comments

Rubens Barrichello quebra o nariz na sexta-feira. Roland ratzenberger morre no sábado. Alguma coisa muito estranha estava acontecendo naquele final de semana na Itália. Uma sombra tenebrosa pairava sobre o autodromo Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, na Itália. O GP de San Marino se tornaria um marco negativo na tão linda e grande história da Fórmula 1. Quem viu as imagens de Ayrton Senna antes da largada no domingo percebeu o quanto o piloto brasileiro estava compenetrado e extremamente preocupado. Alguém precisava ter feito algo. Alguém precisava ter impedido que aquela corrida acontecesse. Só que infelizmente a largada foi dada e para a tristeza de todos o maior piloto da história acabou tendo um final trágico. Há 19 anos perdemos um de nossos maiores ídolos no esporte, mas a Fórmula 1 não acabou no dia 1º de maio de 1994.

É a maior certeza que temos na vida. É triste e doloroso, mas é preciso seguir em frente. Alguém inventa uma história e às vezes é fácil abraçar uma causa. Alguém diz que as manhãs de domingo nunca mais serão as mesmas, porém esquecem que não há Fórmula 1 em todas as manhãs de domingo. Sem falar quando ela acontece nas madrugadas e até nas tardes de domingo. A Fórmula 1 existia e era grande antes de Ayrton Senna. A Fórmula 1 continuou existindo e um dia de uma forma ou de outra iria ter que continuar sem Senna, quando ele se aposentasse, por exemplo. Para os apaixonados, os torcedores, os brasileiros principalmente e os fãs da pessoa além do esporte, era muito fácil virar as costas. Mas para quem sabe separar as coisas não fica difícil entender que a Fórmula 1 não acabou no dia 1º de maio de 1994.

Damon Hill provaria ainda em 1994 quem seria o grande campeão daquele ano que não terminou para muitas pessoas. E quem sabe até quem seria campeão em 1996 e 1997 também. Michael Schumacher então nem se fala. O alemão parecia ter encontrado Silvio Santos porque as portas da esperança simplesmente se abriram a sua frente. O alemão talvez só fosse sentir o gostinho de ser campeão quando foi para a Ferrari. A Benetton agradeceu imensamente. Berger, Mansell e até Barrichello agradeceram por terem chances de fazerem pole-position (uma exclusividade de Senna nas três primeiras corridas daquele ano). Sem falar em David Coulthard, que teve mais chances e no ano seguinte se tornaria um dos titulares na Williams. Tudo porque a vida continuou e a Fórmula 1 não acabou no dia 1º de maio de 1994.

Lamentamos todos os dias nos últimos 19 anos. Iremos lamentar em cada 1º de maio que vir pela frente. Jamais esqueceremos onde estávamos naquele dia que foi tão diferente quanto 11 de setembro de 2001, porque tragédias deixam marcas que não conseguimos esquecer jamais. Ayrton Senna da Silva nunca será esquecido, nunca será apagado de nossas mais saudosas lembranças, dos dias de glórias e do orgulho que esse atleta sempre nos proporcionou em tantos anos de dedicação e amor ao esporte. Mas o seu fim não decretou o fim da categoria que ele disputava, o dia 1º de maio de 1994 na verdade marcou um novo recomeço. A Fórmula 1 mudou, desde então ninguém jamais morreu, ninguém ficou gravemente ferido a ponto de nunca mais pilotar, ninguém nem sequer chegou perto de decretar o fim desse sonho que vai perdurar por muitos e muitos anos ainda, tudo porque a Fórmula 1 não acabou no dia 1º de maio de 1994.

6 comentários:

Ron Groo disse...

Comparar com o 11/09 é um tanto forte já que a morte do Senna foi um acidente lamentável e os ataques daquele dia não tiveram nada de acidente. Pelo contrário, foram premeditados.

Prefiro sempre lembrar de Senna correndo e ganhando, embora eu adorasse mesmo era quando ele perdia pro Piquet.

Net Esportes disse...

@Ron Groo: E aí Groo, blz? A comparação foi no sentido de lembrar bem do dia em questão, onde estávamos e o que estávamos fazendo. Pelo menos para mim eu me lembro bem de ambos os dias, como duas trágedias. Valeu! abs

Marcelonso disse...

Senna jamais será esquecido, ele permanecerá vivo em nossas lembranças.

abs

Edson Chaccur disse...

O Senna foi mais que um super atleta ou um ótimo ser humano, mesmo que extremamente competitivo e "ex-marido" da Xuxa. Ele possuía um carisma natural extremamente raro e por isso foi e é tanto idolatrado.

Eu não o conheci pessoalmente e não sei qual a real influência das conquistas dele para minha vida. Mas desde os 9 anos eu sinto falta dessa pessoa e me emociono lendo textos como esse do Net Esportes.

A F1 continua e o Brasil ainda terá muitos ídolos de diversos esportes. Mas, como dito no texto, irei "lamentar em cada 1º de maio que vir pela frente".

Ron Groo disse...

Ai sim... Verdade. Também me lembro exatamente do dia todo que tive nas duas tragédias.

E aê beleza?!

Senna foi um exemplo de pessoa e esportista. Seu nome está gravado no esporte e ninguém pode tirá-lo. Mas apesar do desastre, o Fórmula 1 continua, e muitas pessoas deixaram de acompanhar depois deste fato.

Abraços.
FC Gols - 2ª era:
Pela primeira vez na História, teremos uma final Alemã na Liga dos Campeões