Fim da Tebowmania, do tebowing e de Tebow

18:38 Net Esportes 0 Comments

E então ele coloca um dos joelhos no chão e o punho cerrado segura sua cabeça abaixada, com os olhos fechados ele agradece e agradece muito. Mais um milagre foi operado em campo após o desaparecimento do último raio de sol no horizonte que guardava a sete chaves os sonhos e as belas esperanças de uma vida que estava apenas começando. Os jogos da faculdade, a fé em Deus trazida desde a criação cristã nas Filipinas e as postas das Igrejas sendo abertas e escancaradas para que ele pudesse fazer pelo menos o equivalente a um grão de areia do que um fizera o nosso senhor Jesus Cristo. No rosto o versículo 3:16 e nos resultados os números três, um e seis lhe acompanhando como um filho recém nascido acompanha sua própria mãe. Pelo menos até o dia que o conto de fadas se tornaria um aterrorizante e inescrupuloso show de horrores.

Mais de um ano e meio se passou desde que os milagres pararam de acontecer. A epidemia era maior que a febre amarela e não poderia ser comparada nem mesmo com a peste negra. "Tebowing você também" - diziam os adeptos e, Tobowar virou uma mania nacional e mundial. A Tebowamania havia se transformado na coqueluche do novo século e caminhava lado a lado com a "Linnsanidade". Ninguém poderia imaginar, no entanto, que ambas as febres não aftosas morreriam na praia como um peixe que se perdera da família e agonizou desesperadamente em uma areia suja e mal cuidada. Se pelo menos a vida continuasse em Denver, se pelo menos Payton Manning não fosse para lá resolver os problemas do bom e velho Broncos, se no mínimo os milagres pudessem continuar sendo realizados.

Nada de empates nos últimos segundos do jogo. Acabaram as vitórias na prorrogação. Não existem mais aqueles passes geniais de uma distância maior que daqui na lua e ele não conseguiu fazer nem o equivalente a um grão de areia do que um dia fizera o nosso senhor Jesus Cristo. Ele vestiu o branco e o verde do New York Jets, mas não conseguiu operar os milagres que fazia com o azul do Denver Broncos. O número 316 desapareceu completamente e ficar no banco de reserva se tornou a maior ironia da vida para um jogador que veio de lá para um levar sua equipe de volta aos playoffs. Não completar passes, não saber fazer a leitura correta da defesa adversária, ser interceptado e sacado o tempo todo. Essa é a vida de Tim Tebow, essa era a previsão de como seria a vida do jogador que acabou sendo selecionado como a 25ª escolha da primeira rodada do draft.

Mas não foi isso que aconteceu quando ele entrou em campo em seu segundo ano na NFL. Tebow veio do banco de reservas para salvar uma campanha modesta da sua equipe na época, o Denver Broncos. Tim Tebow conseguiua vencer nos segundos finais e não tinha como não ver suas jogadas como verdadeiros milagres. Não tinha como não virar moda seu gesto em campo, quando ajoelhava-se para agradecer a Deus. Mas por algum motivo tudo acabou, quando saiu do Broncos nada mais saiu como ele desejava. Não deu certo em Nova York e quando alguma esperança de ver o seu sonho continuar vivo no Patriots surgiu, ela se foi como seu jogo se fora a algum tempo. A equipe de Tom Brady continuará com apenas um quarterback reserva, pois Tim Tebow está cortado e não figura entre os 53 jogadores que irão disputar a próxima temporada. Acabou a Tebowmania, acabou o Tebowing e acabou para Tim Tebow.

0 comentários: