Na onda do Medina ou da modinha?

14:59 Net Esportes 2 Comments

Parece até que foi ontem, mas foi em 1997, o ano em que Gustavo Kuerten passou de mero desconhecido para, como eles costumam dizer, herói nacional. Já devíamos estar mesmo acostumados, no Brasil é assim mesmo. Por mais que você nunca tenha ouvido falar em Lyoto Machida, ele vira Deus por dar um chute no meio do peito de um outro cara que você ouviu falar menos ainda. No caso do tênis a gravidade é um pouco menor, o esporte elitizado sempre teve seu espaço, por menor que fosse. Antes de Guga muitos já ouviam falar em Jaime Oncins ou Thomaz Koch. É como a Natação de Ricardo Prado ou Maria Lenk, mas surf? Ou melhor, "agora" é surfe, que abre as portas para o Medina, ou para a modinha?

Uma explosão nas redes sociais. Só se fala em uma coisa e o problema nem é falar muito sobre o mesmo assunto, o problema é como se fala. Cada um se tornou um fã incondicional como se soubesse todas as regras das ondas do Hawaii. É garantido que 90% ou mais daqueles que se manifestam não faziam a menor ideia de quem era o agora mundialmente famoso Gabriel Medina. Exaltar o feito do jovem brasileiro que sim, fez história no esporte, é uma coisa. Mas falar sobre o assunto como se aquilo fosse para si um acontecimento que de fato muda a sua própria vida, como se você acompanhasse cada campeonato dos últimos dez anos ou a carreira deste surfista deste sua tenra infância é um exagero que só mesmo um modinha banal poderia proporcionar.

Foi impossível acreditar, mas a comparação foi feita: "A façanha de Medina é maior do que a de Gustavo Kuerten, é como o dia que o Ayrton Senna foi campeão na Fórmula 1". Ainda bem que não sei quem foi o autor dessa frase estapafúrdia. No Jornal Nacional William Bonner comprova o exagero das últimas horas com a frase que resume tudo: "As pessoas estão falando de surf (ou surfe como queiram), nas últimas 24 horas, mais do que em toda a sua vida" apontando para si mesmo como uma dessas pessoas. Ou seja, todos entram na tal da modinha de falar sobre o assunto que se está falando no memento, mesmo que nunca tenham gostado, ou se vão gostar ou não a partir de agora. O importante é fazer a sua manifestação para "deixar registrado" que não faz parte daqueles que talvez não se importem com o acontecimento que em suas visões merece amplamente o seu amor instantâneo baseado na força de persuasão da mídia que lhe manipula todos os dias da sua vida.

Chegamos no ponto máximo da exaltação exagerada e aproveitadora de momentos quando Gabriel Medina, o graaaaande surfista, entra ao vivo, direto do Hawaii, no programa do Faustão. E se não fosse o bastante, ele passa a participar de uma singela conferência piegas de outro lisonjeiro produto da mesma mídia Neymar. Outro "herói" do Brasil que mesmo não conquistando a Copa é tão herói quanto aquele que conquistou a Independência deste país. O atleta do Barcelona falava diretamente do seu instituto dando uma de bom samaritano, fazendo todos esquecerem que ele deu um balão no seu ex-clube não sendo tão generoso com ele como será com as criancinhas que irá acolher, afinal quem fez a "tramóia" toda foi seu pai, não ele, pois ele só joga bola, ou aparece na TV o domingo inteiro dividindo espaço com a tal modinha, ou melhor, o tal Medina.

É claro que Gabriel Medina está de parabéns. É claro que ele conseguiu um grande feito no circuito mundial de surfe e é claro que ele merece ser exaltado, mas não precisa falar disso como se isso fosse a coisa mais importante da sua vida nesse atual momento da sua vida. Até ontem muitas pessoas não sabiam nada desse esporte, não sabiam nada sobre esse surfista, não sabiam nem quem era o Kelly Slater e quantos títulos ele já ganhou em sua vida e começam a falar as maiores besteiras do mundo a respeito do assunto em questão. Maresias parou como o Brasil para em jogo da Seleção na Copa do Mundo? Jamais. Vibrou com cada onda como comemora um gol do Brasil? Parem com isso. Medina comparado a Senna, Kuerten, Gustavo Borges ou Acelino Popó Freitas? Talvez um dia, mas hoje é muito cedo, o surfe é um esporte de notas, de jurados, determinado por pessoas com opinião de quem é melhor ou pior, acho que nem isso esses novos adoradores do Medina sabiam. E a culpa disso tudo é de quem? É claro que é da mídia que faz a cabeça das pessoas.

2 comentários:

Ron Groo disse...

Os que sempre apreciaram vão continuar apreciando.
Os que vão nos hype, logo esquecem.
Até porque corre por ai que surf nem esporte é.
Apenas uma desculpa pra ficar na praia, fumando um, falando groselha e sem estudar.

Eu, particularmente, acho um porre.

Marcelonso disse...


Como disse o Groo acima, quem sempre gostou continuará gostando. Já aqueles que estão apenas na "febre", daqui a pouco nem lembrarão disso.

Foi um grande feito, não há dúvida. No entanto, os exageros da mídia são absurdos. Mas fazer o que, faz parte da cultura desse país.


Aproveito o espaço para desejar um Feliz Natal e um Ano Novo pleno em realizações.

grande abraço