Desculpe Katinka Hosszú e Sarah Sjöström

10:50 Net Esportes 1 Comments

O mundo se rendeu mais uma vez à lenda viva Michael Phelps. Pela primeira vez na história na natação olímpica um atleta recupera o título que havia perdido na edição anterior dos Jogos. E quando não foi necessário a reconquista, o tetracampeonato veio com certa facilidade. É claro que ele não repetirá o mesmo desempenho de Pequim 2008 na Rio 2016, mas ele está lá para ajudar os Estados Unidos a faturarem mais três títulos nos revezamentos. Quando a vitória não vem, a prata tem sabor dourado em um inacreditável empate triplo. Phelps é um mito e todos já sabem quem é o Rei das águas no Rio de Janeiro, mas é a Rainha?

A Rainha fica um pouco mais complicado definir. Não seria mais fácil apontar a musa das piscinas? Me desculpe Sarah Sjöström, mas você não é a Rainha das piscinas dessa edição das Olimpíadas. Você está sempre lá na disputa, em cada prova classificatória, em cada semifinal e brigando pela vitória em cada final. Você levou o ouro nos 100m borboleta e completou a coleção de medalhas com prata nos 200m livres e um bonze no 100m livres. A coroa de Rainha não vai para você, mas o título de musa aquática é merecido, afinal o que não faltam são sereias nesta disputa.

As desculpas continuam e devem ser dadas principalmente para a húngara Katinka Hosszú. Ela é chamada de a Dama de Ferro e, seja por isso ou não, também não ficou com o título de Rainha. Melhor do que Sjöström, Hosszú conseguiu três medalhas de ouro, mas na prova dos 200m costas levou a prata, perdendo a grande oportunidade de alcançar o que nenhuma outra nadadora poderia, ou seja, faturar quatro medalhas de ouro em quatro provas individuais. Desta forma Katinka Hosszú segue como Dama e abre alas para a Rainha, por que na Rio 2016 o Phelps de maiô também é representante dos Estados Unidos da América.

Foram 33 medalhas no total, sendo 16 de ouro para os EUA. O Rei Michael Phelps levou cinco ouros e uma prata e, a Rainha Katie Ledecky faturou quatro ouros e uma prata. A novíssima Ledecky de apenas 19 anos que poderia ainda ser princesa. Em Londres 2012 foi apenas uma de ouro nos 800m livres. Desta vez veio muito mais e com direito a recordes mundiais. Deslizando na piscina com uma suavidade impressionante, um estilo único e uma vantagem arrasadora frente às rivais. Contando todas as competições desde Londres, incluindo Mundial e Pan Pacífico, Ledecky ganhou sua primeira prata, isso porque nadou o revezamento 4x100m livre pela primeira vez na vida. A Rainha da piscina e a rainha do nado livre, a nadadora dourada que, quando depende apenas dela não sabe até hoje o que é perder.

1 comentários:

Marcelonso disse...

A natação a cada edição está melhor nas Olimpíadas. Mas o que valeu mesmo foi assistir Phelps recuperar seu título, vivenciar a história sendo escrita foi sensacional.

Pena a natação brasileira não ter conseguido traduzir as finais em medalhas.


abs