Quem fez história foi o Robin Söderling

12:00 Net Esportes 6 Comments

Andre Agassi deve agradecer demais o fato de ter existido um Andrei Medvedev no ano de 1999. Um ucraniâno que quase não fez nada no tênis, que havia vivido seu auge em 1994, que ganhou apenas onze títulos na carreira, mas que estava jogando muito naquele Aberto da França. Jogava tanto que evitou uma semifinal brasileira eliminando Gustavo Kuerten e Fernando Meligeni respectivamente. Jogava tanto que venceu os dois primeiros sets da final contra o americano, até sentir a pressão e sofrer uma grande virada no placar. Agassi aproveitou a única chance que teve em sua vida, para igualar Rod Laver e vencer todos os torneios de Grand Slam na carreira, pois isso não acontece todos os dias.

É tão raro que apenas sete jogadores conseguiram até hoje. É tão difícil que Pete Sampras jamais o fez. Tão complicado que depois de Andre Agassi foram apenas dois que conseguiram. Um desses dois é Roger Federer, o recordista de títulos de Grand Slam que conseguiu superar Sampras, mas que talvez vivesse hoje o mesmo drama que o americano viveu em sua carreira, por não ter tido um Medvedev da vida em seu caminho. E o Medvedev de Federer tem outro nome e nasceu em outro país. O Medvedev de Federer foi o sueco Robin Söderling, um tenista que conseguiu fazer história em Roland Garros no ano de 2009; Talvez não por acaso dez anos depois que Agassi completou seu Slam e viu o suiço fazer o mesmo. Tudo porque nesse ano Söderling simplesmente derrotou o maior jogador de saibro de toda a história do tênis.

Foi na quarta rodada, foi em um péssimo ano de Rafael Nadal, foi quando o espanhol vinha de uma lesão pior do que o problema que tinha no pé quando iniciou sua carreira. Foi uma vitória difícil em quatro sets, com dois tie-breaks, mas aconteceu. Nadal perdia em Roland Garros pela primeira vez na sua vida desde 2005. Robin Söderling ganhava confiança e seguia derrubando qualquer um que viesse pela frente, afinal ele já havia batido o melhor do saibro. Ele só não esperava ver Roger Federer pela frente, ele só não esperava ser como Andrei Medvedev ou pior, pois não venceu nenhum set na decisão. E Federer, assim como Agassi, aproveitou a maior chance de sua vida para ser como Laver, para ser como Fred Perry, Don Budge e Roy Emerson. Para mostrar a Novak Djokovic que lhe falta um Medvedev ou um Söderling em seu caminho, ou no caminho dos outros.

Sem Medvedev e Söderling, Andre Agassi e Roger Federer provavelmente não teriam o Grand Slam na carreira. Principalmente Federer, pois nos últimos oito anos ser campeão em Roland Garros praticamente só tem significado para um jogador, e ele se chama Rafael Nadal. Ele é o rei do saibro, ele venceu 52 jogos em Paris e só perdeu um, só perdeu para Robin Söderling em 2009, o sueco que fez história. São sete títulos em oito anos para Rafael Nadal, que já tem o Grand Slam na carreira e até o Golden Slam na carreira, pois foi campeão também nas Olimpíadas. Ele superou Björn Borg, que havia vencido seis vezes, mas principalmente ele mostrou para Novak Djokovic o quanto é difícil vencer os quatro torneios Grand Slam, o quanto é importante um Medvedev ou um Söderling, que mudaram a história do tênis. (Foto: AFP PHOTO / FRANCOIS GUILLOTFRANCOIS GUILLOT/AFP/GettyImages)

6 comentários:

Marcelonso disse...

Nadal merece a coroa, por tudo que vem fazendo ao longo de sua trajetória no esporte.

No saibro o cara coloca os demais no bolso!


abs

Clóvis disse...

Ótima sacada. Sou fã do Nadal, mas sou grande fã do Soderling, um tenista mediano mas que sempre foi muito astuto, assim como Wawrinka, compatriota de Federer e que já o incomodou bastante em quadras de simples. Em dupla, ganharam ouro em Pequim.

Net Esportes disse...

@Clóvis: Muito obrigado Clóvis. Realmente o Stanislas Wawrinka deu trabalho, só faltou ir um pouco melhor em Grand Slam pq não passou das quartas ......

valeu! Grande abraço.

Patrick Araújo disse...

Nadal = Rei do saibro... Tem pra mais ninguem...

Luiz Paulo Knop disse...

Perfeita percepção! Se Nadal faz história em Paris, Soderling fez mais ainda, pois conseguiu derrubar o cara, o rei, o fenômeno do saibro francês...

E uma dúvida histórica e que nunca será respondida: Com Guga em forma Nadal teria vencido em 2005 e 2006 o espanhol teria vida fácil por lá? Duvido...

Luiz Paulo Knop
www.resenhaesportiva.com

Net Esportes disse...

@Luiz: Imagina se o Nadal tivesse duas derrotas em Roland Garros e uma delas fosse para o Guga ..... seria incrível.