Roger Federer aqui no Net Esportes

O tenista suíço Roger Federer, considerado por muitos como o maior de todos os tempos, anunciou sua aposentadoria aos 41 anos de idade. Grande parte de sua história foi registrada aqui nesse blog e agora vamos relembrar algumas delas. É quase impossível colocar todos esses momentos aqui agora, pois a nossa cobertura foi tão enorme quanto a grandiosidade de sua longa e brilhante trajetória dentro das quadras, mas vamos tentar pelo menos lembrar dos principais e mais marcantes desses momentos inesquecíveis.

A primeira vez que Federer teve seu registro aqui no Net Esportes foi em 2007, ano de estreia do blog, com um registro sobre seus título no Masters Series de Cincinnati, onde derrotou na final o tenista James Blake. A vitória já marcava a conquista de número 50 do tenista que na ocasião já era um jogador de grande destaque no circuito. Em seguida, após um registro durante o US Open, veio a primeira grande postagem em setembro de 2007 com a vitória na final do US Open sobre Novak Djokovic. Já naquela ocasião Federer alcançou seu 12º título de Grand Slam e estava "Na cola de Sampras" - título da postagem que ainda era o recordista com 14.

Em "Concentração é tudo" de novembro de 2007 foi registrado a vitória de Federer na Masters Cup de Xangai com direito a show em quadra, a consolidação do número um do mundo e prenúncios de que um dia seria considerado o melhor de todos os tempos. As coisas mudaram, no entanto, em "Número um cai" quando Federer perdeu de Djokovic na semifinal do Aberto da Austrália. E seguiu como um ano complicado, principalmente quando aconteceu a "Batalha memorável", a grande final do Wimbledon 2008, um jogo épico de quase cinco horas de duração sem contar as paradas por causa da chuva e que teve Rafael Nadal como grande campeão.

O ano de 2008 não estava totalmente perdido, pois em "Federer ressuscita" ele conquistou o torneio do US Open novamente. Em janeiro de 2009 Federer voltou a perder de Nadal na final do Aberto da Austrália e perdeu ali a chance de igualar Sampras, dando ao post o título de "Para alegria de Sampras". Mas esse ano de 2009 não seria tão ruim como 2008 e com Nadal meio lesionado em Roland Garros ele aproveitou alcançar "Enfim a glória no saibro", conquistando pela única vez na sua carreira o Aberto da França.

E após igualar Sampras com 14 título de Grand Slam, Deferer já o superou em seu reduto favorito, sendo campeão em Wimbledon "Sob os olhos de Sampras", pois o americano estava nas tribunas do All England Club. O ano de 2009 acabou sendo tão bom que Federer entrou em nossa lista de "Os personagens esportivos de 2009". Em junho de 2010 a postagem "Uma grande pedra no sapato" mostrou como a carreira de Federer poderia ter sido ainda mais gigantesca se não fosse Rafael Nadal, quem sempre o derrotou em Roland Garros.

Roger Federer voltou a conquistar o torneio de Wimbledon em 2012 e isso resultou na postagem "Falta alguma coisa para Roger Federer?". O blog entrou em um ritmo de menos postagens nos anos seguintes, mas em julho de 2015 foi publicado "Ah Se Não Fosse o Novak Djokovic" destacando a derrota de Federer na final de Wimbledon aos 34 anos, sua décima final na grama sagrada de Londres. A carreira do suiço, no entando, ainda não estava acabada pois aos 36 anos ele foi campeão do Aberto da Austrália e ganhou seu registro por aqui em "Aberto da Austrália 2018: Roger Federer"

Uma das últimas postagens sobre Roger Federer foi "Três com vinte em busca do vinte um" quando ele, Nadal e Djokovic estavam empatados com vinte títulos de Grand Slam cada um julho de 2021. E assim foi a história de Roger Federer, um gigante do tênis, um dos maiores de todos os tempos, um tenista que jogava um tênis impressionante, que parecia não suar e fazer tudo com um grande simplicidade, era como se ele tivesse nascido para isso e feito com peRFeição. A história talvez tenha colocado os outro dois gigantes Nadal e Djokovic junto com Federer justamente para evitar que Federer tirasse totalmente a graça do negócio ganhando tudo, mas mesmo com eles ele ganhou muito mais do que muitos pudessem imaginar.

Esportes no 11 de Setembro 21 anos depois

Os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 foram marcantes para muitas pessoas que até hoje recordam onde e o que estavam fazendo naquele dia fatídico. E para o esporte não foi diferente, apesar de que o fato de ter sido em uma terça-feira ao invés de domingo evitou algo muito pior. A maioria dos grande eventos já havia sido realizada e agora, 21 anos depois, o 11 de setembro caiu em um domingo e a cidade de Nova York pêde viver um grande e marcante dia esportivo.

BEISEBOL

2001 - O Beisebol foi praticamente o único esporte afetado em 2001. Na segunda-feira, dia 10, um jogo do New York Yankees contra o Boston Rede Sox já havia sido adiado por causa da chuva. Já no dia 11 o jogo contra o Chicago White Sox teve que ser cancelado e remarcado para o dia 1 de outubro. O Yankees só voltou a jogar no dia 18 de setembro e acabou tendo sete jogos adiados. O outro time da cidade, o New York Mets, jogaria fora de casa contra o Pittsburgh Pirates, mas também teve seu jogo adiado assim como toda a rodada da MLB.

2022 - Desta vez foi tudo diferente, era um lindo domingo de sol e o New York Yankees jogou em casa à tarde com suas arquibancadas lotadas e muitas homenagens às vítimas do 11 de setembro. A vitória veio fácil cotra o Tamba Bay Rays por 10 a 4 e a classificação para os playoffs segue encaminhada após seis vitórias nos últimos oito jogos. Já o New York Mets, que vem fazendo uma temporada excelente, jogou fora de Nova York e também conseguiu mais uma bela vitória.

FUTEBOL AMERICANO

2001 - Como já era terça-feira, a primeira semana da NFL já havia sido toda jogado até a noite de segunda-feira. O New York Jets jogou em casa na cidade de Nova York e acabou perdendo para o Indianapolis Colts. Já o New York Giants atuando fora de casa também foi derrotado pelo Denver Broncos. A NFL só voltaria a realizar a segunda semana de jogos nos dia 23 de setembro.

2022 - Neste ano o dia 11 de setembro caiu no domingão e começou a nova temporada da NFL. O New York Jets infelizmente não teve vida fácil jogando em casa no MetLife Stadium, e acabou sendo derrotado pelo Baltimore Ravens por 24 a 9. O New York Giants jogou fora de casa e conseguiu uma vitória milagrosa contra o Tennessee Titans por 21 a 20 após verem o rival errando um Field Goal no último segundo do jogo.

TÊNIS

2001 - O US Open de tênis teve sua rodada final no domingo, dois dias antes do trágico 11 de setembro. O dia, no entando, não foi muito feliz para os norte-americanos pois eles tiveram que ver o australiano Lleyton Hewitt derrotando o lendário Pete Sampras por fáceis 3 sets a 0, incluindo duas parciais de 6-1. Aquele dia que precedeu dias piores não foram, no entanto, o fim da carreira de Sampras que voltou no ano seguinte para levar seu 14º título de Grand Slam derrotando Andre Agassi na final. Por muitos anos ele manteve o recorde de maior vencedor de Grand Slam´s até ser superado por Roger Federer que mais tarde seria superado por Rafael Nadal.

2022 - Neste ano o US Open teve o seu dia derradeiro no 11 de setembro, sempre lembrando a data e homenageando as vítimas escrevendo 9/11/01 no chão ao lado da quadras. Após 21 anos as coisas mudaram muito e caras novas estavam na grande decisão. O público presente na maior quadra de tênis do mundo viu o espanhol Carlos Alcaraz derrotar o norueguês Casper Ruud para alcançar o seu primeiro título de Grand Slam de sua carreira. Além disso ele ainda conseguiu aos 19 anos se tornar o número 1 do mundo mais jovem da história do tênis.

Simulador da Copa do Mundo de 2022

A Copa do Mundo de 2022 está chegando e nada melhor do que um simulador para sabermos mais ou menos como as coisas irão acontecer. É claro que ninguém tem uma bola de cristal, mas baseado em outras edições da Copa, a não ocorrência de "zebras" com vitórias das grandes seleções e também levando em consideração como eles estão jogando atualmente, quem sabe não seja possível acertar algum palpite. Eu costumo sempre colocar os grandes como primeiro lugar no Grupo e nem sempre acredito que o Brasil possa ser campeão, pois isso poderia caracterizar uma tendenciosidade nacionalista. Então vamos aos palpites e ver se acerto alguma coisa.

O Grupo A parece uma moleza para a Holanda que deve ficar em primeiro lugar; Já para segunda colocação aposto na força de Senegal. No Grupo B acredito que a Inglaterra não deva ter dificuldades para ficar em primeiro, mas a segunda colocação está difícil; Apostei que os EUA conseguem ficar em segundo pois quase sempre eles se classificam, mas País de Gales talvez surpreenda com Bale. O Grupo C está na mesma situação do B, a Argentina deve ficar facilmente em primeiro, mas o segundo lugar está complicado. Aposto no México pelo histórico, mas a Polônia com Lewandowski pode ser uma grande surpresa. No Grupo D coloco a França em primeiro e Dinamarca em segundo, mas a França adora ficar em segundo ou até ser eliminada depois de ganhar uma Copa, mas vamos pelo mais provável.

Chegamos então ao Grupo E e esse parece tranquilo para a Alemanha em primeiro e Espanha na segunda colocação. O Grupo F também não deve ter muitas surpresas com Bélgica em primeiro e Croácia em segundo, a não ser que essas posições se invertam. O Grupo G é o do Brasil e, pensando que o Brasil jogue normalmente fica em primeiro com a segunda colocação muito difícil, mas acho que a Sérvia supera a Suíça e Camarões. Por fim o Grupo H bem complicado também, mas Portugal deve liderar com o Uruguai na segunda colocação.

Chegamos nas Oitavas-de-final e agora a coisa fica difícil. O lado do Brasil parece mais complicado, mas de um modo geral a Copa está bem equilibrada. De cara a Holanda passa pelos EUA. Em seguida a Argentina elimina a Dinamarca, com a Alemanha passando pela Croácia e o Brasil derrotando o Uruguai. Do outro lado a Inglaterra supera Senegal, a França passa pelo México, a Espanha infelizmente deve cair para a Bélgica que vive um bom momento desde a última Copa e Portugal supera a Sérvia. O bicho então vai pegar nas quartas de final, com a Argentina ganhando da Holanda no sufoco e o Brasil vendo seus traumas do passado contra a Alemanha e dando adeus. A França então acaba com o sonho da Inglaterra e Bélgica acaba com o sonho do Cristiano Ronaldo.

Assim estamos na semifinal e aí é que fica difícil, agora é só palpite mesmo. Eu gostaria de ver o Messi coroando sua carreira com a Argentina eliminando a Alemanha, sendo que do outro lado a França deve mostrar sua força contra a Bélgica. Na final Lionel Messi alcança sua glória máxima e se iguala ao Maradona, talvez até o superando com o título de campeão finalmente, pois a França estaria soberba com o último título achando que já ganhou. Talvez aconteça isso, mas é bem provável que não seja nada disso, pois cada vez que muda um primeiro ou segundo do grupo então todos os confrontos seguintes mudam também. E você? Em quem aposta no simulador da Copa?

New York Yankees perdendo é legal?

Termina mais um jogo no Yankee Stadium e diante de mais de 42 mil pessoas o New York Yankees perde mais uma. O placar é de 4 a 0 para o Tamba Bay Rays e essa já é a décima derrota nos últimos 12 jogos. A liderança em busca de uma classificação para os playoffs segue sólida, mas a esperança em alcançar as 100 vitórias ou repetir o título que não vem desde 2009 já não parecem mais tão certas como estavam até o mês passado. O fervoroso torcedor que vai ao Bronx chora, mas para muitos outros parece ser bem legal ver os Yankees perder um jogo em casa.

“Depois de observar milhões de cenários diferentes, confirmamos que ver os Yankees perder um jogo em casa e ver seus torcedores tristes saírem do estádio aumenta a produção de dopamina no cérebro para níveis incomparáveis por qualquer outro evento”, foi o que disse o professor Andrew Lau, um coautor do estudo da Universidade de Stanford, que descobriu que o nível médio de alegria derivado de ver os Yankees perder um jogo acabou superando a alegria de ver um filho nascer, o dia do casamento ou até mesmo ganhar na loteria.

“Embora os entrevistados de uma pesquisa nacional tenham sido universais ao classificar uma derrota dos Yankees como a melhor coisa a testemunhar, alguns disseram ainda que preferiram vê-los serem aniquilados pelo rival por um placar elástico, enquanto outros preferiram vê-los perder de maneira dolorosa por meio de um home run decisivo no último lance da partida.

O estudo revelou ainda que de todos os cenários pesquisados, o único que chegou perto de ser tão bom quanto assistir os Yankees perder foi ver o Dallas Cowboys, time de futebol americano da NFL, sofrer uma derrota vergonhosa quando seu jogo estivesse sendo transmitido em rede nacional. Uma dessas pesquisas ou estudo seria bem interessante no Brasil para saber qual dos nossos times de futebol se derrotado causaria tanta felicidade assim nas pessoas, apesar de já ser possível imaginar alguns.

E você? Acha legal ver o New York Yankees perdendo ou é um grande torcedor deles? E qual time de futebol do Brasil você gosta de ver perder?

Tour de France 2022

Tadej Pogačar estava competindo novamente no Tour de France em 2022. O esloveno chegou como favorito, afinal ele havia sido campeão em 2020 e também em 2021. Pogačar venceu a sexta etapa e assumiu a camisa amarela de líder geral. Ele é realmente incrível e venceu novamente na sétima etapa. O problema foi quando na décima primeira etapa essa liderança sólida que parecia durar desde o ano passado se foi como um sopro no vento. Dali para frente ele tentou e como tentou, atacou em diversas subidas, mostrava confiança e determinação, mas acabou terminando apenas com a camisa branca e um vice-campeonato que por mais grandiosos que sejam, acaba não sendo lá grande coisa para alguém que já havia erguido o troféu em dois anos consecutivos.

Jonas Vingegaard era um outro competidor no Tour de France 2022. Ele havia sido vice-campeão em 2021 e, por mais que Pogačar fosse favorito, muitos acreditavam que Vingegaard poderia surpreender. O Tour de France que começou na Dinamarca tem a sua história perfeita com um dinamarquês campeão. Tudo começou naquela etapa onze, um dia antes da grande etapa que terminava no Alpe d'Huez. Era o Col du Granon que levou Jonas Vingegaard a uma vitória fulminante e que aniquilou precocemente Tadej Pogačar. Dali para frente Vingegaard parecia burocrático, apenas anulando os ataques de seu rival, mas na etapa 18, a última nas montanhas, ele mostra novamente a força que mostrou na etapa onze e melhora sua vantagem sobre Pogačar consolidando a conquista de forma merecida.

Dois ciclistas praticamente isolados protagonizando o Tour de France. E seria só isso se não houvesse um outro ciclista que também fez sua história como um coadjuvante de destaque. Seu nome é Wout van Aert e os livros jamais viram algo assim na história desse histórica competição ciclística. Na segunda etapa ele já conseguiu a camisa amarela, mesmo sendo um sprintista. Na quarta etapa veio a vitória, que se repetiria outras duas vezes. Ele venceu a camisa verde com o recorde de 480 pontos, mas além de tudo isso ele foi o cara que estava "lá" quase o tempo todo. Na última subida deste Tour vimos o camisa amarela, o camisa branca e ele, o camisa verde, os três juntos no final da última e uma das mais duras subidas deste Tour. Ver um camisa verde subindo tão bem é algo que não se vê jamais, foi uma das imagens mais marcantes da história do Tour de France em todos os tempos e foi protagonizada por esse belga chamado Wout van Aert.

E nessa última etapa de subida Wout van Aert ainda ajudou Jonas Vingegaard por ser seu companheiro de equipe, colocando um ritmo de subida alucinante que acabou deixando Tadej Pogačar mais para trás do que já estava, fazendo com que Vingegaard nem precisasse fazer um último ataque. Dois dias depois o dinamarquês retribuiria o favor diminuindo sua velocidade na chegada do contra-relógio e deixando a vitória da etapa para Van Aert. O camisa verde que sobe montanhas, o camisa verde que foi quinto colocado na classificação de escaladores, o camisa verde que bateu o recorde de pontos, o camisa verde que venceu três etapas e o camisa verde que ajudou muito o camisa amarela, são todos os motivos que fazem de Wout van Aert o grande nome deste Tour de France de 2022.