Calendário esportivo de 2023

O ano de 2022 ficou para trás com seus grandes acontecimentos esportivos incluindo Copa do Mundo de futebol e até Olimpíadas de Inverno, teve também os mundiais de natação e atletismo, mas agora é a vez de 2023, talvez com um ritmo mais moderado em relação ao ano passado, mas com certeza também recheado de grandes emoções. Afinal com o esporte é assim mesmo, quando você menos espera que grandes coisas aconteçam, elas acabam acontecendo de maneiras surpreendentes.

Janeiro
31 (dez) a 15 - Automobilismo - Rali Dakar
16 a 29 - Tênis - Aberto da Austrália

Fevereiro
1 a 11 - Futebol - Mundial de Clubes da FIFA 2022
12 - NFL - Super Bowl
19 - NASCAR - Daytona 500
19 - NBA - All-Satar Game

Março
5 - Fórmula 1 - Abertura da Temporada
30 - MLB - Abertura da Temporada

Abril
6 a 9 - Golfe - Masters de Augusta
15 - NBA - Início dos Playoffs

Maio
6 a 28 - Ciclismo - Giro D'Itália
6 - Turfe - Kentucky Derby
10 - Futebol - Final da Champions League
18 a 21 - Golfe - PGA Championship
20 - Turfe - Preakness Stakes
28 (até 11 jun) - Tênis - Roland Garros
28 - Automobilismo - 500 Milhas de Indianápolis
28 - Fórmula 1 - GP de Mônaco

Junho
?? - NBA - Finais
10 - Turfe - Belmont Stakes
10 a 11 - Automobilismo - 24 horas de Le Mans
15 a 18 - Golfe - US Open
?? - NHL - Stanley Cup

Julho
1 a 23 - Ciclismo - Tour de France
3- 16 - Tênis - Torneio de Wimbledon
18 a 21 - Golfe - The Open

Agosto
26 (até 17 set) - Ciclismo - Vuelta a España
28 (até 10 set) - Tênis - US Open

Setembro
7 a 15 - Surfe - Etapa final do Mundial
30 (até 8 de out) - Ginástica artística - Campeonato Mundial

Outubro
14 - Triatlo - Ironman do Hawaii
?? - MLB - World Series

Novembro
5 - Fórmula 1 - GP Brasil
5 - Atletismo - Maratona de Nova York
11 - Futebol - Final da Libertadores da América

Dezembro
31 - Atletismo - Corrida de São Silvestre


Os dez maiores nomes do esporte em 2022

Todos os anos fico pensando se haverá grandes acontecimentos esportivos para serem destacados com a lista dos maiores nomes do esporte no fim do ano. E quando o ano termina há tantos nomes e tantos acontecimentos que fica até difícil definir o melhor e também a ordem dos nomes escolhidos. O pior de tudo é ter a certeza que alguns nomes e acontecimentos acabaram ficando de fora por terem passado desapercebido e não serem considerados para a formação da lista final. Mas mesmo assim grandes nomes conseguiram seu espaço em um ano de Olimpíadas de Inverno e Copa do Mundo de futebol. Foi um ano intenso com despedidas de dois grandes do tênis: Roger Federer e Serena Williams que por tantos anos já estiveram aqui nesta lista e que agora disseram adeus. Os outros continuam firmes e muitas deles estão entre os dez maiores nomes do esporte em 2022.

1. Lionel Messi
FUTEBOL

A Copa do Mundo de futebol fechou com chave de ouro o ano de 2022. Nunca antes se tinha visto uma Copa do Mundo no final do ano, e a final entre Argentina e França acabou sendo uma das melhores de todos os tempos terminando em 3 a 3 com a decisão indo para os pênaltis. O título acabou ficando com a Argentina que se consagrou tri-campeã da competição e ainda por cima selou com maestria a carreira de um dos maiores gênios do futebol chamado Lionel Messi. O craque argentino, além de taça e prêmio de melhor jogador do torneio, ainda conseguiu outros feitos como se tornar o jogador com mais jogos disputados em Copas alcançando 26 partidas, marcou sete vezes e superou a o número de gols de Pelé em Copas, se tornando também o maior goleador argentino em Copas e aumento sua marca de gols com a camisa da Seleção Argentina onde também é o recordista. Messi mereceu encerrar suas participações em cinco Copas do Mundo com a conquista da taça e por isso ele foi eleito como o meior nome do esporte em 2022 ganhando o Prêmio Net Esportes de maior nome do esporte no ano de 2022.

2. Rafael Nadal
TÊNIS

Se não fosse a Copa do Mundo e o show de Messi, certamente Rafael Nadal seria considerado o maoir no mesmo do esporte em 2022. É claro que ele contou de certa forma com a besteira feita por Novak Djokovic de não se vacinar, que o deixou fora do Aberto da Austrália e do US Open, mas mesmo assim o espanhol não deixou de fazer a sua parte. Nadal venceu o Aberto da Austrália no começo do ano e em seguida alcançou o seu 14º título de Roland Garros. Com isso ele chegou ao recorde de 20 títulos de Grand Slam, deixando para trás o aposentado Roger Federer que faturou um total de 20. O ano começou com os três tendo 20 títulos e Djokovic foi a 21 vencendo Wimbledon que assim como Roland Garros não exigiu que o sérvio estivesse vacinado para jogar. Agora o ano de 2023 pode ter um novo capítulo nesse guerra de Grand Slams, mas antes disso Nadal já fez sua parte em 2022 e por isso ele é o segundo maior nome do esporte neste ano.

3. Aaron Judge
BEISEBOL

Devido a uma época no beisebol chamada "Era dos esteródeis", alguns recorde como número de home runs na mesma temporada conquistados por Barry Bonds e Mark McGwire não são levados muito em conta. Assim sendo o recorde de 61 home runs na mesma temporada alcançado por Roger Maris em 1961 ainda era considerado o maior da hiistória, sendo também o maior da liga americana, pelo menos até 2022. Foi quando Aaron Judge reescreveu essa história em uma temporada épica onde, mesmo com muita dificuldade nos últimos jogos, ele conseguiu a marca de 62 home runs na mesma temporada após 61 anos da marca alcançada por Maris. Dentre os detalhes mais incríveis é que Roger Maris jogava pelo New York Yankees e Aaron Judge também joga pelo New York Yankees. Ele quebrou uma marca que muitos achavam que nunca seria quebrada, principalemnte sem doping como alguns fizeram, e por isso ele é o terceiro maior nome do epsorte em 2022.

4. Stephen Curry
BASQUETE

Stephen Curry ajudou o Golden State Warriors a vencer mais um título na NBA após alguns anos em baixa depois de ter dominado as finais. Mais do que isso, Curry alcançou alguns números recordes que o colocaram como um dos maiores jogadores de todos os tempos. Ele é o único jogador com mais de 500 pontos em bolas de três pontos nos playoffs, terminando com 528 pontos. Ele também é o jogador com mais bolas de três pontos em toda a história da NBA, além de ter conseguido também a maior sequência de jogos anotando pelo menos uma bola de três pontos. Stephen Curry deu um show nas fnais e colocou o Boston Celtics para dormir e uma cena marcante que percorreu o mundo todo, por isso ele é o quarto maior nome do esporte em 2022.

5. Kelly Slater
SURFE

Kelly Slater é um dos maiores nomes do surfe e do esporte da história, ele conseguiu onze títulos mundiais, sendo que o último deles havia sido em 2011 com quase 40 anos de idade. Depois disso não ouvimos mais falar dele, o que é normal pela idade, mas eis que aos 50 anos ele voltou para conseguir uma façanha incrível que só o esporte pode proporcionar. Slater venceu a etapa de Pipeline Beach, no Hawaii, do campeonato Mundial de surfe, exatos 30 anos depois que havia sido campeão no mesmo local em 1992, naquela que foi uma das primeiras vitórias de sua carreira e no ano que consegiu seu primeiro título mundial. Kelly Slater conseguiu um feito que é quase impossível para um atleta de alta performance, e por isso ele é o quinto maior nome do esporte em 2022.

6. Katie Ledecky
NATAÇÃO

O campeonato mundial de natação de 2022 em Budapeste não teve nenhum grande destaque individual, exceto quando falamos em Katie Ledecky. A nadadora americana que raramente conhece o sabor da derrota quando se fala em nado livre deu mais um show na piscina de 50 metros. Ela venceu novamente os 400m, 800m, 1.500m e revezamento 4x200m, não participando apenas do revezamento 4x100m. Mas essas quatro de ouro foram suficiantes para ela se tornar a nadadora com maior número de medalhas conquistadas em Campeonatos Mundiais de natação, superando Natalie Coughlin que tinha vinte medalhas, e é por isso que ela é o sexto maior nome do esporte em 2022.

7. Wout van Aert
CICLISMO

Jonas Vingegaard conseguiu desbancar o favoritismo de Tadej Pogačar no Tour de France deste ano, mas o grande destaque da competição acabou sendo Wout van Aert, que foi o vencedor da camisa verde de sprintista com a maior pontuação da história. Além disso ele ainda conseguiu, mesmo que por pouco tempo, vestir a camisa amarela de líder geral da competição, ganhou várias metas volantes e principalemnte as etapas com chegada em pelotão, proporcionando ainda a imagem mais impressionante de todos os tempos quando em uma das mais duras subidas finais estava lá no alto, liderando com a camisa verde junto com seu companheiro de equipe que vestia a amarela e também o camisa branca que era o vice na classificação geral, algo que jamais havia acontecido antes, e por isso ele é o sétimo maior nome do esporte em 2022.

8. Andrea Fuentes
NADO SINCRONIZADO

Ao longo dos anos essa lista com os maiores nomes do esporte de cada ano sempre trás algum nome diferente que não esteja muito relacionado a uma conquista de direta de título ou mesmo um feito histórico e um recorde, às vezes uma atitude heróica como a da treinadora espanhola Andrea Fuentes em uma competição esportiva pode ser suficiente para ter seu nome marcado aqui entre os maiores do ano. E foi justamente o que ela fez ao ver a nadadora americana do nado sincronizado Anita Alvarez desmaiar após sua apresentação e ir afundando na piscina, foi aí que rapidamente Fuentes pulou na água para salvá-la em uma imagem que foi fotografa debaixo da água e rodou o mundo todo, pois isso ela é o oitavo maior nome do esporte em 2022.

9. Carlo Ancelotti
FUTEBOL

Com o título do Campeonato Espanhol de 2022, o técnico italiano Carlo Ancelotti se tornou o primeiro treinador da história do futebol a conseguir títulos de campeão das cinco principais ligas de futebol do mundo na Europa, que além da Espanha, também incluem o Campeonato Italiano, o Campeonato Inglês, o Campeonato Alemão e também o francês, sendo que além de tudo isso ele ainda já foi campeão da Champions League várias vezes incluindo o título deste ano, um ano que ele ainda levou o a Supercopa da Espanha e a Supercopa da UEFA e por isso ele é o nono maior nome do esporte em 2022.

10. Cristiano Ronaldo
FUTEBOL

Na Copa do Mundo o portugês Cristiano Ronaldo foi parar no banco de reservas e viu seu país sucumbir diante de Marrocos nas quartas-de-final. Ele saiu de campo chorando, mas mesmo assim figura entre os maiores nomes do esporte porque se tornou o único jogador da história a ter marcado gols em cinco Copas do Mundo diferentes e consecutivas. Mais do que isso, Cristiano Ronaldo, que viveu um ano bem turbulento, inzlusive saindo do Manchester United, conseguiu aumentar sua marca de maior artilheiro da história do futebol mundial em jogos oficiais changando a marca de 818 gols no total, por isso ele é o décimo maior nome do esporte em 2022.

Menções honrosas

Kylian Mbappé - Artilheiro da Copa com 8 gols, Mbappé chegou a 12 em apenas duas Copas e com apenas 23 anos, merceu uma menção honrosa.

Johannes Thingnes Boe - O norueguês do biatlo ganhou 4 medalhas de ouro e uma de bronza nas Olimpíadas de Inverno de 2022.

Annemiek van Vleuten - A ciclista holandesa venceu, aos 40 anos de idade, o Tour de France e o Giro de Itália feminino no mesmo ano.

Carlos Alcaraz - O tenista espanhol venceu o US Open e se tornou o mais jovem número 1 do mundo aos 19 anos de idade.

Albert Pujols - O jogador de beisebol se aposentou aos 42 anos de idade, mas antes entrou para o clube dos 700 home runs rebatidos terminando com 703.

Dusty Baker - O técnico de beisebol que nunce conquistava a World Series finalmente consegiu com o Houston Astros, se tornando o treinador mais velho em atividade a ser campeão.

E o dia do julgamento chegou

A Yankee Stadium ficava lotado cada dia que os Yankees jogavam. O preço dos ingressos ficou alto e todos queriam ver a história sendo escrita. A pressão sobre os ombros era muito grande e Aaron Judge não suportaria ser julgado quando seu dever era decretar o juízo final. Mas assim como foi devagar no início da temporada, as coisas acabaram acontecendo mais cedo ou mais tarde até que o dia do julgamento finalmente chegou. Não foi no Yankee Stadium lotado diante de seu próprio júri que o sentenciava à glória, porém assim como o 61 que veio longe de casa, o 62 também chegou distante da Big Apple e decretou o fim de uma busca obsessiva que não poderia ter outro fim se não o fim de uma espera de 61 anos desde o ano de 1961 com o antigo recorde de 61 home runs na mesma temporada.

A autor daquela façanha foi o inesquecível e grandioso Roger Maris que vestia a camisa número 9 do New York Yankees. Em 1961 ele apostou com seu companheiro de time Mickey Mantle para quebrarem a marca de 60 home runs de Babe Ruth, o lendário jogador dos Yankees que havia rebatido 60 home runs em 1927. A aposta foi estabelecida pois naquele ano a Liga Americana de beisebol resolveu aumentar a temporada regular de 154 para 162 jogos. Os oito jogos a mais eram a chance que eles precisavam, mas a imprensa e alguns críticos acharam que era uma vantagem a mais para eles. Mantle se machucou saindo da disputa, mas incentivou Maris a seguir na busca sozinho. A marca de Maris foi alcançada em um jogo extra de desempate, o 163, colocando um asterisco incomodo em seu grandioso feito.

Mesmo com o asterisco, a história escrita por Roger Maris sempre foi exaltada e virou até filme. Agora, 61 anos depois do recorde de 61 feito em 1961, um novo capítulo dessa história é escrito por Aaron Judge e com ele mais um asterisco é colocado ao lado da marca que agora, ao invés de 61, é 62. A única diferença é que, exceto por uma demora para chegar ao 62, Judge não é julgado de forma duvidosa sobre seus feitos e sim os outros jogadores que antes dele já haviam passado e muito dessa marca de 61 home runs em uma mesma temporada. Seus nomes são Barry Bonds com 73 em 2001, Mark McGwire e Sammy Sosa que ficaram respectivamente 70 e 66 em 1998, todos eles jogado na chamada "Era dos anabolizantes", onde comprovadamente e assumidamente esses jogadores atuaram fazendo o uso de doping que melhorou suas performances.

E além do doping esses jogadores fazem parte da Liga Nacional, ou seja, a marca alcançada por Aaron Judge, mesmo que não seja oficialmente o recorde da MLB, passa a ser o novo recorde da Liga Americana que até então era de Roger Maris e antes dele Babe Ruth, todos eles jogadores do New York Yankees como é Aaron Judge, um jogador que descobriu aos 10 anos de idade que havia sido adotado, mas que deu a bola da marca dos 61 home runs para sua mãe adotiva que estava lá no Canadá quando ele alcançou o empate com Roger Maris. Agora, no Texas, ela estava lá novamente, junto com um torcedor do Rangers que pegou a bola histórica e ficou muito feliz, assim como todos os torcedores que lotaram o estádio e aplaudiram Judge de pé, pois não é todos os dias que alguém consegue ver a história sendo escrita ao vivo, no dia do julgamento, depois de 61 anos de espera.

Roger Federer aqui no Net Esportes

O tenista suíço Roger Federer, considerado por muitos como o maior de todos os tempos, anunciou sua aposentadoria aos 41 anos de idade. Grande parte de sua história foi registrada aqui nesse blog e agora vamos relembrar algumas delas. É quase impossível colocar todos esses momentos aqui agora, pois a nossa cobertura foi tão enorme quanto a grandiosidade de sua longa e brilhante trajetória dentro das quadras, mas vamos tentar pelo menos lembrar dos principais e mais marcantes desses momentos inesquecíveis.

A primeira vez que Federer teve seu registro aqui no Net Esportes foi em 2007, ano de estreia do blog, com um registro sobre seus título no Masters Series de Cincinnati, onde derrotou na final o tenista James Blake. A vitória já marcava a conquista de número 50 do tenista que na ocasião já era um jogador de grande destaque no circuito. Em seguida, após um registro durante o US Open, veio a primeira grande postagem em setembro de 2007 com a vitória na final do US Open sobre Novak Djokovic. Já naquela ocasião Federer alcançou seu 12º título de Grand Slam e estava "Na cola de Sampras" - título da postagem que ainda era o recordista com 14.

Em "Concentração é tudo" de novembro de 2007 foi registrado a vitória de Federer na Masters Cup de Xangai com direito a show em quadra, a consolidação do número um do mundo e prenúncios de que um dia seria considerado o melhor de todos os tempos. As coisas mudaram, no entanto, em "Número um cai" quando Federer perdeu de Djokovic na semifinal do Aberto da Austrália. E seguiu como um ano complicado, principalmente quando aconteceu a "Batalha memorável", a grande final do Wimbledon 2008, um jogo épico de quase cinco horas de duração sem contar as paradas por causa da chuva e que teve Rafael Nadal como grande campeão.

O ano de 2008 não estava totalmente perdido, pois em "Federer ressuscita" ele conquistou o torneio do US Open novamente. Em janeiro de 2009 Federer voltou a perder de Nadal na final do Aberto da Austrália e perdeu ali a chance de igualar Sampras, dando ao post o título de "Para alegria de Sampras". Mas esse ano de 2009 não seria tão ruim como 2008 e com Nadal meio lesionado em Roland Garros ele aproveitou alcançar "Enfim a glória no saibro", conquistando pela única vez na sua carreira o Aberto da França.

E após igualar Sampras com 14 título de Grand Slam, Deferer já o superou em seu reduto favorito, sendo campeão em Wimbledon "Sob os olhos de Sampras", pois o americano estava nas tribunas do All England Club. O ano de 2009 acabou sendo tão bom que Federer entrou em nossa lista de "Os personagens esportivos de 2009". Em junho de 2010 a postagem "Uma grande pedra no sapato" mostrou como a carreira de Federer poderia ter sido ainda mais gigantesca se não fosse Rafael Nadal, quem sempre o derrotou em Roland Garros.

Roger Federer voltou a conquistar o torneio de Wimbledon em 2012 e isso resultou na postagem "Falta alguma coisa para Roger Federer?". O blog entrou em um ritmo de menos postagens nos anos seguintes, mas em julho de 2015 foi publicado "Ah Se Não Fosse o Novak Djokovic" destacando a derrota de Federer na final de Wimbledon aos 34 anos, sua décima final na grama sagrada de Londres. A carreira do suiço, no entando, ainda não estava acabada pois aos 36 anos ele foi campeão do Aberto da Austrália e ganhou seu registro por aqui em "Aberto da Austrália 2018: Roger Federer"

Uma das últimas postagens sobre Roger Federer foi "Três com vinte em busca do vinte um" quando ele, Nadal e Djokovic estavam empatados com vinte títulos de Grand Slam cada um julho de 2021. E assim foi a história de Roger Federer, um gigante do tênis, um dos maiores de todos os tempos, um tenista que jogava um tênis impressionante, que parecia não suar e fazer tudo com um grande simplicidade, era como se ele tivesse nascido para isso e feito com peRFeição. A história talvez tenha colocado os outro dois gigantes Nadal e Djokovic junto com Federer justamente para evitar que Federer tirasse totalmente a graça do negócio ganhando tudo, mas mesmo com eles ele ganhou muito mais do que muitos pudessem imaginar.

Esportes no 11 de Setembro 21 anos depois

Os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001 foram marcantes para muitas pessoas que até hoje recordam onde e o que estavam fazendo naquele dia fatídico. E para o esporte não foi diferente, apesar de que o fato de ter sido em uma terça-feira ao invés de domingo evitou algo muito pior. A maioria dos grande eventos já havia sido realizada e agora, 21 anos depois, o 11 de setembro caiu em um domingo e a cidade de Nova York pêde viver um grande e marcante dia esportivo.

BEISEBOL

2001 - O Beisebol foi praticamente o único esporte afetado em 2001. Na segunda-feira, dia 10, um jogo do New York Yankees contra o Boston Rede Sox já havia sido adiado por causa da chuva. Já no dia 11 o jogo contra o Chicago White Sox teve que ser cancelado e remarcado para o dia 1 de outubro. O Yankees só voltou a jogar no dia 18 de setembro e acabou tendo sete jogos adiados. O outro time da cidade, o New York Mets, jogaria fora de casa contra o Pittsburgh Pirates, mas também teve seu jogo adiado assim como toda a rodada da MLB.

2022 - Desta vez foi tudo diferente, era um lindo domingo de sol e o New York Yankees jogou em casa à tarde com suas arquibancadas lotadas e muitas homenagens às vítimas do 11 de setembro. A vitória veio fácil cotra o Tamba Bay Rays por 10 a 4 e a classificação para os playoffs segue encaminhada após seis vitórias nos últimos oito jogos. Já o New York Mets, que vem fazendo uma temporada excelente, jogou fora de Nova York e também conseguiu mais uma bela vitória.

FUTEBOL AMERICANO

2001 - Como já era terça-feira, a primeira semana da NFL já havia sido toda jogado até a noite de segunda-feira. O New York Jets jogou em casa na cidade de Nova York e acabou perdendo para o Indianapolis Colts. Já o New York Giants atuando fora de casa também foi derrotado pelo Denver Broncos. A NFL só voltaria a realizar a segunda semana de jogos nos dia 23 de setembro.

2022 - Neste ano o dia 11 de setembro caiu no domingão e começou a nova temporada da NFL. O New York Jets infelizmente não teve vida fácil jogando em casa no MetLife Stadium, e acabou sendo derrotado pelo Baltimore Ravens por 24 a 9. O New York Giants jogou fora de casa e conseguiu uma vitória milagrosa contra o Tennessee Titans por 21 a 20 após verem o rival errando um Field Goal no último segundo do jogo.

TÊNIS

2001 - O US Open de tênis teve sua rodada final no domingo, dois dias antes do trágico 11 de setembro. O dia, no entando, não foi muito feliz para os norte-americanos pois eles tiveram que ver o australiano Lleyton Hewitt derrotando o lendário Pete Sampras por fáceis 3 sets a 0, incluindo duas parciais de 6-1. Aquele dia que precedeu dias piores não foram, no entanto, o fim da carreira de Sampras que voltou no ano seguinte para levar seu 14º título de Grand Slam derrotando Andre Agassi na final. Por muitos anos ele manteve o recorde de maior vencedor de Grand Slam´s até ser superado por Roger Federer que mais tarde seria superado por Rafael Nadal.

2022 - Neste ano o US Open teve o seu dia derradeiro no 11 de setembro, sempre lembrando a data e homenageando as vítimas escrevendo 9/11/01 no chão ao lado da quadras. Após 21 anos as coisas mudaram muito e caras novas estavam na grande decisão. O público presente na maior quadra de tênis do mundo viu o espanhol Carlos Alcaraz derrotar o norueguês Casper Ruud para alcançar o seu primeiro título de Grand Slam de sua carreira. Além disso ele ainda conseguiu aos 19 anos se tornar o número 1 do mundo mais jovem da história do tênis.